sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Rapidinhas no MaDame: O melhor de mim (The best of me) - 2014

Rapidinhas no MaDame:
Porque o que importa é o prazer da Cinefilia






Sobre a história:  Dawson ( Luke Bracey/ James Marsden) e Amanda (Liana Liberato/ Michelle Monaghan) se conhecem na adolescência, época de primeiro amor, promessas e sonhos. Dawson tem um pai violento e  começa a viver com Tuck (Gerald McRaney) que se torna como um pai para ele e um amigo para Amanda. Após 20 anos, os ex-namorados se reencontram e memórias são despertadas.

Opinião Geral sobre o filme:  O filme é uma adaptação de mais um livro do aclamado Nicholas Sparks, reconhecido por best - sellers românticos e dramáticos. Dirigido por Michael Hoffmann, O melhor de mim é uma das mais fracas adaptações. A história é comovente pois une o passado e o presente e antigas feridas afetivas com o reencontro do primeiro amor da adolescência, porém há algumas irregularidades começando pela escolha do elenco: Luke Bracey interpreta o jovem Dawnson e não tem qualquer semelhança com James Marsden (Dawson adulto). Como a história é narrada com alternância entre passado e presente,  há um aparente estranhamento ao vê-los como uma mesma pessoa. Não é verossímil. No caso da escolha para o papel de Amanda, a diferença física das atrizes não chega a ser tão impactante. Com relação ao roteiro, a história gira mais em torno dos ex-namorados, a adolescência e o reencontro. A narrativa é bem tênue, rasa. O mais engraçado é perceber que parece que nem se passaram 20 anos pois o roteiro é estruturado de uma forma simplista e imediatista. O longa também perde bastante na química dos atores. Há situações frequentes nos quais eles não foram capazes de transmitir para a plateia se aquela emoção entre os amantes é realmente genuína. É como se não tivessem comprado o romance. Mesmo com momentos românticos, parece que falta uma dose de paixão a mais. Luke Bracey não convence. Liana Liberato tem mais êxito porque seu personagem é mais intenso e radiante. Na fase adulta, Michelle Monaghan se esforça mais na atuação para trazer o drama da mulher magoada, casada e infeliz. Diferente de alguns filmes adaptados do autor como Diário de uma paixão, Querido John e Um porto seguro, O melhor de mim não conquista muito,  desperdiça potencial e somente comoverá mais ao final. Ainda assim, é uma história bonita ( e triste) de um amor que permanece.


O desprazer:  Roteiro raso e uma atuação que não parece se preocupar em despertar emoções  no expectador. Também não fica claro qual foi a cereja do bolo do diretor, que passa desapercebido.
 

Por que vale a rapidinha?  Pelo romantismo ao mostrar que o mundo dá voltas  e o reencontro com um grande amor é possível. 






Ficha técnica ImDB O melhor de mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière