quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Refém da Paixão (Labor Day) - 2013






Jason Reitman, diretor conhecido por excelentes e premiados trabalhos como Juno e Amor sem Escalas costuma trazer boas temáticas em seus filmes para a reflexão sobre situações delicadas como a gravidez indesejada na adolescência, as demissões e onda de desemprego na crise global etc. Além de articulado roteirista que tem muita facilidade para compor e concluir a história, seus longas giram em torno de uma questão importante: a escolha. Em Refém da Paixão (Labor Day), seu  mais novo recente filme com a maravilhosa presença de Kate Winslet e Josh Broslin, o público se confronta com uma situação diferente na qual o conflito moral e qualquer preconceito abrem espaço para a oportunidade de uma segunda chance de ser feliz mesmo com opções limitadas.


Adele (Winslet) é uma mulher separada e depressiva que cria o filho Henry (Gattlin Griffith) sozinha. Ela tem sérios problemas para sair de casar e vive isolada com pouco convívio social. O adolescente Henry sofre as consequências de tal isolamento e, embora visite o pai e frequente o colégio, é um jovem isolado. A rotina de suas vidas é alterada quando surge Frank (Josh Broslin) , um presidiário fugitivo que se refugia na casa de Adele. Como reféns, Frank os mantém sob vigilância e, aos poucos, Frank e Adele se envolvem afetivamente, contrariando todas as expectativas normais de uma situação de sequestro.


Essa narrativa tem uma grande qualidade: Quebrar convenções, principalmente quando a confiança e o afeto estão acima das regras sociais. De uma maneira bem leve, Reitman revela pouco a pouco esse envolvimento amoroso entre Adele e Frank e como ele vem a suprir um vazio familiar na casa de Adele e Henry.  Muito mais do que quebrar as convenções e qualquer preconceito e optar por uma escolha que contraria o caminho mais comum, a história permite que o público ouça o que Frank tem a dizer, ou seja, sua própria tragédia de ter sua vida alterada para sempre após um acidente. Desta forma, o filme é sensível e tem a sutileza de que todos merecem uma segunda chance. 


Mesmo com sua carga dramática, o filme enfatiza a descoberta da paixão. É interessante notar que o romance tem momentos que Frank controla Adele. Não só pelo aspecto de ser um sequestrador mas por que ela vai cedendo à sua virilidade e cuidados com ela e o filho. Nesse cenário, o filme guarda em si um aspecto discretamente erotizado na relação entre Adele e Frank, principalmente em cenas na qual ele a toca levemente ao amarrá-la a uma cadeira ou amassar uma torta. A câmera conduz a audiência a essa refém da paixão tão solitária e depressiva que, de repente, começa a sorrir. 


O longa está longe das virtudes técnicas de Juno e Amor sem escalas e não fez tanto sucesso como esses anteriores. Por outro lado mostra uma outra boa faceta do trabalho de Reitman em um romance dramático, com uma química madura e uma paixão adulta de figuras desprezadas pela sociedade. Sem dúvidas, o diferencial também é a experiente presença de Winslet, uma das melhores atrizes do mundo que eleva a qualidade de qualquer projeto. Finalmente, o longa é triste e bonito. Na sua tristeza, estão encontros e desencontros. Na sua beleza, o amor vem para salvar os amantes.





Ficha técnica do fime ImDB Refém da Paixão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière