terça-feira, 4 de novembro de 2014

Drácula : A história nunca contada (Dracula Untold) - 2014

Rapidinhas no MaDame:
Porque o que importa é o prazer da Cinefilia






Sobre a história:  O príncipe Vlad (Luke Evans), sua esposa Mirena (Sarah Gadon) e seu filho Ingeras (Art Parkinson) vivem felizes no seu Reino. Admirado por seu povo, Vlad é destemido e devoto à família além de pagar os tributos ao Sultão Mehmet II (Dominic Cooper) para manter as relações cordiais. A paz é interrompida quando o Sultão lhe ordena que dê milhares de meninos de seu reino e seu filho Ingeras para montar um exército e fortalecer as tropas dos turcos. Vlad não aceita  a ordem do Sultão e, para proteger sua família e o seu povo, se une a uma poderosa e sombria força.


Opinião Geral sobre o filme:  Esse longa é um exemplo de produção que chegou à liderança nacional nas bilheterias e é uma aula de como não fazer um blockbuster. Apesar das boas intenções em revisitar o mito, provavelmente Bram Stoker está se revirando no túmulo com esse roteiro tosco e que foi incapaz de contribuir com o mito do Drácula. O filme tem uma ambientação de grandes épicos e inicialmente atrai pelo visual sombrio com o estilo vampiresco e misterioso de Luke Evans como Vlad.  Ele é um personagem que teria potencial se o roteiro não fosse tão raso e a ação tão enfadonha. Luke Evans não aparece como um amaldiçoado com a cara deformada de monstro mas como um pai de família que defende sua esposa e cria. Esse tipo de característica o enobrece e o amaldiçoa pois ele não é assustador e não tem outros bons personagens para dialogar com ele (quer maior maldição do que esta?). No início da projeção é possível identificar que a história foi reinventada sem se preocupar com os demais personagens, todos vazios de qualquer função mais dramática. Dominic Cooper está tão caricato com aquela maquiagem oriental e não personifica um Sultão poderoso e temido; portanto, esse pobre desenvolvimento do elenco impacta diretamente no trabalho de Luke Evans que praticamente não tem mais nada a fazer e precisa agir como se fosse um soldado solitário, detentor de poderes sobrenaturais capazes de destruir em minutos as tropas inimigas. Ao aceitar a maldição, ser empoderado por forças e não ter um exército, ele luta sozinho; é esse aspecto que garante momentos hilários como a batalha com os morcegos. O que poderia ser um drama romântico com misto de ação heróica se transforma em um filme irregular e muito aquém do potencial narrativo do clássico vampiro.

O desprazer:  Ver Luke Evans encarnando o Super Homem da Romênia. As cenas que ele detona os exércitos sozinho é uma clara evidência de que a ficção não precisa ser uma grande mentira.


Por que vale a rapidinha?  Pela atmosfera épica na direção de Arte, pelas cenas que se aproximam a um jogo e para dar umas risadinhas imperdíveis.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière