sábado, 16 de janeiro de 2010

Obsessiva (Obsessed) - 2009


Obsessiva é o suspense estrelado pela máquina de fazer dinheiro, a cantora Beyoncé Knowles, em uma boa atuação fora do seu lugar comum. Neste longa-metragem, ela é Sharon Charles, uma dona de casa, mãe e esposa dedicada que está casada há quase 3 anos com Derek Charles (Idris Elba), um executivo financeiro.. Além de terem uma relação baseada em muita confiança, eles são bonitos, atraentes e apaixonados, tem um lindo filho (Kyle) e acabaram de comprar uma bela casa após uma promoção de Derek. A família Charles é um exemplo de família feliz.



Aquelas palavras ditas por algumas mulheres de que os melhores homens estão casados tem um quê de verdade em Obsessiva. Derek personifica o homem bonito, fiel e bem sucedido e Idris Elba o desempenha muito bem neste papel, fisicamente e comportalmente. Ele está mais sensual ainda com seu olhar sério e viril, um corpo másculo com bíceps bem definidos, definitivamente um Deus Ébano 4x4, digno de atrair os mais enlouquecedores olhares e o mais maravilhoso é que ele é um homem leal à esposa, pelo menos, ele não a traí mesmo com as investidas sedutoras de uma loira fatal. Ele conseguiu atrair o mais obsessivo dos olhares, a da blondie Lisa Sheridan (Ali Larter), uma secretária temporária que após conhecê-lo no elevador da empresa, começa a desenvolver um comportamento persecutório, regado a flerte, assédio, fantasia e uma série de estranhas atitudes psicologicamente pertubadoras que combinam bem com candidatas a amantes obsessivas. Enredar Obsessiva com uma loira neste imaginário relacionamento interracial, talvez tenha sido proposital, porque mais adiante o entrave será entre uma loira e uma negra e, sem fazer apologia a competições entre mulheres de diferentes raças pois odeio isso e não é do meu feitio, mas é curioso ver esta rixa mais adiante sendo materializada em uma briga entre mulheres. Será que esta escolha foi proposital na escolha do elenco? Talvez sim, talvez não.


O roteiro se empenha em desenvolver um suspense no qual uma mulher praticamente com passado desconhecido começa usando o ambiente de trabalho como seu campo de caça. Ela conhece Derek e o escolhe como sua obsessão, investiga o cargo do executivo na web, se familiariza com os hábitos e dados pessoais dele, ganha a confiança de um secretário fofoqueiro do escritório para obter mais detalhes do cotidiano do executivo, persegue Derek em diferentes situações. No começo, esta obsessão é discreta, no entanto após Derek ter sido um ombro amigo dela em determinada situação(estrategicamente cravada por ela), ela cria um mundo imaginário de que ele está apaixonado por ela, que eles transam, que ela é a nova esposa dele, dando a entender que ele alimentou este "real relacionamento ilusório", ou seja, de forma muito evidente, Lisa é um louca varrida, a autêntica doida que é difícil de lidar e de se livrar, criando um mundo que não existe e impactando negativamente a realidade dos outros com suas fantasias doentias, passando a ser um sério estorvo para a paz familiar de Derek e Sharon. No papel de Lisa Sheridan, Ali Larter faz uma boa atuação, um misto de loucura, carência e inteligência que é equilibrado para dar o tom certo à interpretação de uma mulher que fantasia uma relação amorosa e tem a frieza de incomodar seriamente um homem e sua família.


Obsessiva é um longa-metragem relativamente bom dentro do seu gênero e garante um entretenimento com um drama psicológico que pode acontecer às melhores famílias. Não há grandes novidades considerando este tipo de encrenca, no entanto eu ressalto que o que agrada no roteiro é esta imaginária relação de Lisa e Derek que não é nutrida pela realidade factual de um caso extraconjugal. Eles nunca foram amantes, mas é como se tivessem sido tamanho o agravante que Lisa causa na vida de Derek. Neste ponto, ele fica sem saída, em uma situação extremamente delicada. Lisa é tão pertubada que ela une a fantasia e a perseguição sem limites a um homem e ninguém da família Charles será poupado. Outro ponto de destaque é que Lisa não contava que encontraria uma Sharon Charles pela frente. Beyoncé interpreta bem o papel de uma mulher forte e isso é muito positivo para sua carreira como atriz e para a audiência feminina que se identificará com Sharon. Mulheres que verdadeiramente amam seus maridos e seus filhos não deixam de proteger suas famílias. Se for preciso ser mais louca que uma louca como Lisa, elas o serão. Eu também o seria.


Avaliação Madame Lumière


Título original: Obsessed
Origem: EUA
Gênero: Suspense
Duração: 108 min
Diretor(a): Steve Shill
Roteirista(s): David Loughery
Elenco: Idris Elba, Beyoncé Knowles, Ali Larter, Jerry O'Connell, Bonnie Perlman, Christine Lahti, etc.

2 comentários:

  1. Confesso que o poster e a premissa do filme me fez curioso agora. Sim, deu vontade de conferir. O tom de sua resenha também proporciona isso, ainda mais que eu sequer tinha ouvido falar deste filme.

    Mas, não vou ao cinema pra isso, prefiro baixar aqui e conferir em casa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Cristiano,

    Realmente não vale a pena assistir no cinema, apesar que eu acho que lançaram diretamente em DVD. Eu acabei encontrando na estante da locadora sem querer e fiquei curiosa com o título, mas não é um filme tão ruim. Apesar que este triângulo amoroso não existe. Esta Lisa é só uma pobre surtada. beijo

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière