segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Literatura no Cinema: Great Expectations de Charles Dickens em Grandes Esperanças de Alfonso Cuarón (1998)


Há pessoas que têm medo de amar e há quem tenha mais medo de amar após ter amado sem ter sido correspondido a este amor. O amor "rejeitado" é o pior dos amores. É um amor que enlouquece, que esmorece, que entristece e quando se é rejeitado, de alguma forma uma parte da esperança de amar perece com uma parte de nós. A outra parte é a que insiste em viver este amor ainda que inconscientemente. Para aqueles que insistem em vivê-lo conscientemente, a esperança é a certeza do que se espera. Estão cegos de amor, de uma cegueira parcial que permite enxergar um amor a ser vivido. Estes são os que têm Grandes Esperanças... de amar.



Lembrei-me do romance britânico Grandes Esperanças (Great Expectations), de Charles Dickens e da representação do amor através das personagens de Pip e Estella que, no cinema, foram representados em uma versão de 1998 respectivamente por Ethan Hawke(Finn) e Gwyneth Paltrow (Estella) dirigidos pelo competente Alfonso Cuarón ( de E Sua Mãe também e Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban). Embora não seja a força principal do livro, esta é a representação que está relacionada ao drama de amar, ser rejeitado e não perder a esperança. Quem assistiu Ethan Hawke e Gwyneth Paltrow na adaptação do livro para o cinema deve se lembrar de como Estella era fria ao amor de Finn, como o rejeitava. Ela não sabia amar e não se movia ao amor. Não é de se surpreender que não o saiba afinal como poderia ter aprendido a amar se foi criada por uma tia tão descrente no amor. Uma tia que também fora rejeitada, cuja a esperança envelheceu à medida que ela também envelhecera. Finn sabia amar até demais a ponto de persuadir Estella a ter esperança em amar. Ele conseguiu ficar rico mas não desistiu de Estella, quando poderia ter qualquer mulher que ele quisesse.Uma esperança na qual ele mesmo não deixou de acreditar e, que não devemos deixar de acreditar, afinal sempre há Grandes Esperanças... de amar.




Dois momentos : fragmentos de diálogos do filme e da obra literária

Grandes Esperanças (1998, Curón)

Ms. Nora Digger Dinsmoor(Stella's aunt): She'll only break your heart, it's a fact. And even though I warn you, even though I guarantee you that the girl will only hurt you terribly, you'll still pursue her. Ain't love grand? (Ms Nora Digger Disnmoor( Tia de Estella): Ela irá somente quebrar o seu coração, isso é um fato. E ainda que eu te avise, ainda que eu te garanta que a garota somente irá machucá-lo terrivelmente, você ainda a perseguirá. O amor não é grandioso?

Finn (Pip): What's it like not to feel anything?/Como é isso de não sentir nada?

Stella : Let's say there was a little girl, and from the time she could understand, she was taught to fear... Let's say she was taught to fear daylight. She was taught that it was her enemy, that it would hurt her. And then one sunny day, you ask her to go outside and play and she won't. You can't be angry at her can you?/ Vamos dizer que há uma pequena garota, e desde o tempo que ela podia entender, ela foi ensinada a temer... Vamos dizer que ela foi ensinada a temer a luz do dia. Ela foi ensinada que aquilo era o seu inimigo, que poderia machucá-la. E então, em um dia ensolarado, você pede a ela para ir lá fora e brincar e ela não quer. Você não pode ficar bravo com ela, pode?

Finn(Pip) : I knew that little girl and I saw the light in her eyes, and no matter what you say or do, that's still what I see./Eu conhecia esta pequena garota e eu via a luz em seus olhos e não importa o que você diga ou faça, ainda é isso que eu vejo.

Stella : We are who we are. People don't change./ Nós somos quem somos. As pessoas não mudam.






Grandes Esperanças (1861, Charles Dickens)

Out of my thoughts! You are part of my existence, part of myself. You have been in every line I have ever read, since I first came here, the rough common boy whose poor heart you wounded even then. You have been in every prospect I have ever seen since - on the river, on the sails of the ships, on the marshes, in the clouds, in the light, in the darkness, in the wind, in the woods, in the sea, in the streets. You have been the embodiment of every graceful fancy that my mind has ever become acquainted with... Estella, to the last hour of my life, you cannot choose but remain part of my character, part of the little good in me, part of the evil. But , in this separation I associate you only with the good, and I will faithfully hold you to that always... let me feel now what sharp distress I may. O God bless you, God forgive you!

Fora de meus pensamentos. Você é parte da minha existência, parte de mim. Você tem estado em cada linha que eu já li, desde a primeira vez que eu vim aqui, o rústico e comum garoto cujo pobre coração você machucou. Você tem estado em cada paisagem que tenho visto - no rio, nas velas do navio, nos pântanos, nas nuvens, na luz, na escuridão, no vento, nos bosques, no mar, nas ruas. Você tem sido a encarnação de toda graciosa fantasia que minha mente tem conhecido...Estella, até a última hora de minha vida, você não pode escolher, mas permanecer parte do meu caráter, parte da pequena bondade em mim, parte do meu mal. Mas nesta separação, eu associo você somente ao que é bom e eu, com fé, te abraço para sempre ....deixe-me sentir agora a dolorida angústia que me é permitida. Oh, Deus te abençõe, Deus te perdoe!

4 comentários:

  1. Ah, meu Deus, que significa isso? Levei um belo susto agora...acabei de digitar meu próximo post e entro aqui e me deparo com o seu: justamente abordarei este filme...quer dizer, depois desse seu belo post - focando bem a essência do filme - acho que tenho até vergonha de postar o meu. rs

    Grandes Esperanças é um dos mais expressivos trabalhos interpretativos de Paltrow..e o roteiro é muito bom! além disso, temos um Hawke cativante...e Anne Bancroft? sublime como a louca deixada no altar...rs

    abraço!

    ResponderExcluir
  2. Rs! Estamos sintonizados sem nem precisar se comunicar. Apimente este filme!!!!!!!!! Seu estilo é único!

    O meu enfoque foi mais simples, sem se aprofundar no enredo, foquei mesmo na questão do amor e nesta intertextualidade entre a obra cinematográfica e a literária através dos fragmentos.

    Grandes Esperanças é um grande filme. Eu o adoro demais e concordo com o seu comentário. Tenho saudades deste Hawke!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Belo recorte madame. Gostei especialmente de suas inflexões sobre o amor rejeitado. Tão valioso quanto diálogo destacado.
    Olha rimou!

    O amor me inspira... mesmo quando rejeitado

    Uma breve homenagem ao belo filme e sua bela postagem.
    Bjs madame

    ResponderExcluir
  4. Rimou!(rs), você está pegando o jeito! rsrs...

    O amor também me inspira mesmo na sua mais dolorosa expressão.

    Beijo da Madame!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière