segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Julie & Julia (Julie & Julia) - 2009


Depois de trabalharem juntas no drama Dúvida (
Doubt), Meryl Streep e Amy Adams estão juntas em Julie & Julia, uma comédia de base biográfica dirigida por Nora Ephron e que relata a história de duas mulheres, separadas pelo tempo mas unidas pelo amor à culinária. De um lado, Julia Child (Meryl Streep), renomada americana na Arte da Gastronomia Francesa que a estudou na famosa escola tradicional Le Cordon Bleu, escreveu diversos livros de culinária e apresentou programas de televisão como o The French Chef e, do outro lado, Julie Powel (Amy Adams), ex-funcionária pública e atual escritora americana que decidiu colocar em prática todas as receitas do livro best-seller de Julia Child "Mastering the Art of French Cooking", inaugurando um blog para contar suas experiências gastronômicas nesta jornada e intitulando sua saga experimental como cozinheira no "The Julie/Julia Project". O sucesso do blog foi tão grande que ela se tornou autora do livro Julie & Julia 365 dias, 536 receitas, publicado em 2005 que agora torna-se um longa-metragem Hollywoodiano, um raro exemplo de que ainda há esperanças para bloguistas que sonham ser famosos.




Em Julie & Julia, Julia é casada com Paul Child (Stanley Tucci) e ambos se mudam para Paris. Paul trabalha na embaixada. Julia o ama e gosta de cozinhar. Ambos formam um belo e apaixonado casal. A partir daí, Julia acaba se apaixonando pela gastronomia francesa e pela França e busca ocupar o seu tempo em algo que realmente ame, Paul a incentiva enquanto saboreia as deliciosas receitas de sua esposa. Ela ingressa na escola Le Cordon Bleu como a única mulher da sala cujo excepcional talento lhe direcionará a se unir com um grupo de amigas, Les Gourmets, para escrever um livro de culinária francesa para americanos. No trascorrer da narrativa Julia mostra seu formidável trabalho culinário, encantando os olhos do espectador com sua habilidade natural na cozinha, sua dedicação à sua paixão e seu bom humor cheio de carisma, além disso ela se vê no processo de organizar as suas receitas e ter seu livro aceito por alguma editora para publicação. Em outro plano narrativo, está Julie, uma jovem de quase 30 anos que se muda com o marido Eric Powell (Chris Messina) para um minúsculo apartamento em Queens. Julie é a típica mulher cuja vida apática e mal sucedida está afetando sua felicidade. Tem um emprego burocrático enquanto as amigas estão muito bem posicionadas na carreira. Julie precisa retomar a alegria que nem mesmo seu amoroso marido poderia proporcionar-lhe. Surge a idéia de escrever um blog e Julie encontra na culinária a possibilidade de um momento único em sua vida, afinal ela ama Julia Child, ama cozinhar e aceita o desafio pessoal de cozinhar 536 receitas em 1 ano, compartilhando as novidades da jornada com os internautas. A aventura gastronômica começa, e nitidamente Julie tem uma mudança positiva com sua experiência de cozinheira e de blogueira que lhe devolve a auto estima e a alegria.




Julie & Julia tem três grandes virtudes, começarei pelas de ordem técnica. Primeiramente, a idéia do filme é bem original na forma que o argumento foi trabalhado, em especial na narrativa em dois planos distintos de temporalidade de mulheres que se "unem" através de um livro de receita. São mulheres que amam seus maridos, amam cozinhar e procuram uma ocupação em momentos de vida que se relacionam a mudanças. Julia se muda para Paris. Julie se muda para Queens. Julia não tem um emprego. Julie tem um emprego tão ruim que é como se ele não existisse. Este encontro sem marcação cronológica cuja ponte é realizada por uma outra Arte, a Culinária e uma outra linguagem, a Escrita torna Julie & Julia uma comédia tecnicamente degustativa. Com relação à magnífica caracterização do personagem de Julia por Meryl Streep, este é mais um trabalho imperdível da aclamada e versátil atriz que incorpora perfeitamente o sotaque e a excêntrica aparência de Julia Child, cujo figurino a torna ainda mais simpática. Meryl Streep consegue ser encantadora e engraçada neste longa-metragem mesmo que, do ponto de vista mais humorístico de uma comédia, o roteiro poderia ter sido melhor trabalhado nas falas de humor (que considerei ainda deficitárias); mesmo assim a competência da atriz , que ganhou o Globo de Ouro 2010 por esta atuação, fala mais alto e com poucas palavras. Ela rouba a cena tornando esta Julia Child mais adorável do que a verdadeira.





A terceira e última virtude é de ordem mais comportamental e se refere à importância de se dedicar à algo que se gosta, seja um hobby, seja um projeto pessoal que traga bem-estar e felicidade, recupere qualidades pessoais que foram enterradas em meio ao pessimismo da vida e deixe aflorar outras habilidades (in)imagináveis. No caso de Julie, ela estava muito infeliz, sentindo-se diminuída em ter amigas bem sucedidas, em trabalhar em um cubículo ouvindo reclamações de clientes o dia inteiro. Além disso a mudança para um "apErtamento" localizado em cima de uma pizzaria veio de encontro à esta sensação de fracasso e ausência de uma melhor perspectiva de vida. A idéia de cozinhar pratos baseados em um livro de receita consagrado, abrindo mão de um tempo de descanso e de maior convívio familiar e gerenciando um tempo noturno para se dedicar a este aprendizado gastronômico torna-se uma experiência única, a princípio, uma fuga positiva ao invés de cair em depressão e se sentir ainda mais triste. Julgo a atitude de Julie inteiramente agradável e melhor que qualquer Prozac pois, independente do momento de vida, eu mesma, quando comecei a cozinhar alguns pratos em momentos oportunos, considero a culinária uma terapia gourmand que todos deveriam vivenciar. Com isso, a vida de Julia foi inspiracional para Julie e propiciou que ela tivesse este insight de que poderia abrir um blog baseado em um projeto Julie/Julia e aprender a cozinhar, no entanto, mais do que se inspirar na história de alguém, Julie amadureceu sua própria forma de encarar a si mesma, de chegar à conclusão de que ela realmente "salvou a si mesma" se dedicando a algo que gosta de fazer, e não há melhor salvação do que se dedicar aos pequenos grandes prazeres que são proporcionados por nós mesmos, afinal a felicidade está dentro de nós e também pode ser produzida por nós, de forma tão doce, como um delicioso Creme Bávaro de Framboesa.

Avaliação Madame Lumière


Título original: Julie & Julia
Origem: EUA
Gênero: Comédia, Biografia
Duração: 123 min
Diretor(a): Nora Ephron
Roteirista(s): Nora Ephron, Julie Powell, Julia Child, Alex Prud'homme
Elenco: Meryl Streep, Amy Adams, Stanley Tucci, Chris Messina, Linda Emond, Helen Carey, Mary Lynn Rajskub, Jane Lynch, Joan Juliet Buck, Crystal Noelle, George Bartenieff, Vanessa Ferlito, Casey Wilson, Jillian Bach, Andrew Garman

11 comentários:

  1. E o globo de ouro vai para... Se beber, não case!
    ¬¬

    enfim... o filme traz uma sensação do conforto. É um filme tão simples que consegue dar aquele prazer ao assisti-lo.

    Falar algo sobre Meryl é sempre positivamente, não é a toa que é recordista em nomeações, praticamente em qualquer premiação.

    E mais uma vez, excelente crítica.

    ResponderExcluir
  2. Madame,

    é um prazer ler os seus textos.

    Eu sou daqueles que come e não cozinha (não é um argumento machista - sou um cara que só sabe fazer Ovo mexido).

    'Julie & julia' é deliciosamente divertido. Faço coro as suas observações técnicas. Achei os diálogos nada muito originais. A diferença esta em quem discursa, a grande Meryl Streep!

    Amy Adans subindo na carreira e fazendo ótimos papéis. (Dúvida é excelente).

    Olha, é o melhor trabalho da Nora Epheron desde 'Sintonia de Amor', ah..Julie/Julia segue à risca o padrão de Hollywood de contar uma história. A montagem é bem construída e tudo é amarradinho.

    Elenco competente e direção acertada.

    Ótima resenha.

    E falando em comida, nada de prêmio FRAMBOESA do ano para este filme divertido e otimista!

    Bjokas!

    ResponderExcluir
  3. Oi Raphael,
    hahaha, nem me recorde deste desastre hahaha... concordo com esta sensação de conforto, de algo acalentador como comer uma comida bem quentinha haha... verdadeiramente esta comédia não é estupidamente tola e tonta nos moldes de humor já consagrados, ela é bem otimista como bem definido abaixo pelo querido Rodrigo, de fato, traz uma mensagem positiva. abs!

    ResponderExcluir
  4. Olá Rodrigo, obrigada pelo carinho! Eu acho que você deveria tentar cozinhar, homens na cozinha são uma das imagens mais bonitas na categoria sexo masculino, só perde para o homem abraçando um filho. rsrs!
    Eu gostei do filme principalmente neste ponto de enfatizar mais quem discursa do que o discurso em si e, seguramente, Meryl sustenta o filme.

    Fico feliz que Amy Adams tem recebido papéis mais sérios e concordo que este trabalho da Nora está mais maduro, uma comédia diferenciada que absorve uma lição de vida.

    haha... provarei o Creme Bávaro de Framboesa cuja receita espero encontrar no meu livro que está prestes a chegar (se não tiver lá, eu faço uma receita similar rsrs)... troféu framboesa neste filme, é mais fácil eu comer todas as framboesas (amo frutas vermelhas!).

    Bjs!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Madame, achei seu blog um luxo. Tão agradável quanto "Julie e Julia", que realmente deixa um gosto doce no paladar. Não o conhecia e agradeço sua visita ao Cine Vita. Certamente foi proveitosa pois pude conhecer seu espaço. Adoro críticas introspectivas e, por isso, voltarei aqui mais vezes. Já estou adicionando ao meu blogroll.

    Wally (http://cinevita.com.br/)

    ResponderExcluir
  6. Pois é Madame.Aí está mais um trabalho notável da grande Meryl Streep. Em um feel good movie como sua resenha bem capturou.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Ainda não pude conferir este!
    Mas, acredito que os desempenhos sejam favoráveis, além de que sua resenha focou bem a essência do filme e isso é puro charme. Assim que assistir, volto!

    Ps: eu ADORO cozinhar!
    beijo e aparece!

    ResponderExcluir
  8. Madame, estou de volta!!
    Senti saudades suas tbm!!
    10 dias sem ler nada e ficar só no aguardo para voltar!! Aiaiaiaia

    Ainda não vi o filme, mas quero muito. Adoro cozinhar, apesar de não saber fazer nada de especial! E tbm adoro filmes que envolvam gastronomia, Ratatouille é um dos meus filmes favoritos!

    Beijos.
    Estou dedicando o dia para tirar o meu atraso com as leituras!

    ResponderExcluir
  9. Oi Reinaldo: Sim!!!! Estava me sentindo tão bem que quase comprei minha vida na França hoje (biografia da Julia Child), mas melhor eu não me empolgar ainda, preferi me controlar. bjs!

    Oi Cristiano: Oi!!!! Assista Julie & Julia e se inspire a cozinhar mais e mais. Isso sim é puro charme sexy! bjs e apareço sim, preciso ainda ler seus posts antigos !

    Oi Eriiiiiiiiiii: Ai que delícia te ver de novo. Você fez falta, viu? Sua presença é um doce aqui. Imagino que você tem muita leitura para colocar em ordem. Não assisti ainda Rattatouille, então agradeço a indireta dica.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Oi Wally, que legal você visitar o Madame Lumière e ainda deixar este recadinho carinhoso. Aparece sim, sou um ser in e ex(trovertido). Parabéns pelo CineVita, já o conhecia desde a hospedagem antiga e aprecio a forma que fala de cinema. abs!

    ResponderExcluir
  11. Filmes maravilhosos a parte, eu vou aproveitar escolher um que é Julie & Júlia por ter uma atuação marcante em minha vida e aproveitar pra cozinhar o Creme Bávaro de framboesa e postar em meu delicioso blog, e dizer que Thor pra mim dos filmes Marvel só perde para Homem de Ferro,Thor é sem nenhuma simplicidade "Parfait".
    Um abraço MaDame Lumière!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière