sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Um Filme, uma canção: DreamGirls - Em Busca de Um Sonho ( 2006), And I Am Telling You I'm Not Going by Jennifer Hudson

Um filme, uma canção por Madame Lumière
a combinação inesquecível para uma nostálgica emoção




Estou aqui às voltas com um filme, uma canção - um post musicalmente nostálgico, uma celebração às canções de trilhas sonoras que foram tanto digeridas pelo meu coração e fizeram a ponte entre meus sentimentos e o filme, como um amálgama madamístico musical e cinematográfico. Desta vez, estou dramaticamente com os cabelos fluídos, levemente assanhados de tanto projetar minha cabeça para todos os lados possíveis e inimagináveis ao ouvir e cantar mais uma canção que tanto marcou minha vida cinéfila e, por que não, outros momentos que adotaram a música como tema. A canção "secador", digna de uma interpretação desesperadamente dramática e, ainda assim, intensamente romântica é And I am Telling You I'm Not Going, interpretada por Jennifer Hudson em DreamGirls - em Busca de um Sonho, o drama musical estrelado por Jamie Foxx, Beyoncé Knowles e Jennifer Hudson e que relata a trajetória musical das Dreamettes, o trio soul anos 60 de negras cantoras formado por Deena Jones, Lorrell Robinson e Effie White e empresariado por Curtis Taylor Jr. Jennifer Hudson como Effie White e Beyoncé como Deena Jones entram no dramático triângulo amoroso com Curtis Taylor (Jamie Foxx) e é exatamente este fato que torna esta canção um elemento chave na trilha sonora de Dreamgirls.




And I am Telling You I'm Not Going é considerado um clássico soul americano essencial das mulheres apaixonadas que desejam os seus homens, custe o que custar, ainda que eles queiram ir embora. É acima de tudo uma canção declaração de amor da forma mais urgente que existe, a da mulher que que não pode viver seu amor, que não quer se libertar do seu homem e, por colocar esta emoção tão espontaneamente e desesperadamente apaixonada, a canção é predestinada a ser cantada por grandes vozes do R&B/Soul e, abrindo um parênteses bem pessoal, And I am Telling You I'm not Going é para ser cantada por herdeiras de Aretha Franklin, mulheres de vozeirões que saem das entranhas da música afro-descendente americana. Não é a toa que está na trilha musical que falará das Dreamettes.




Eu já conhecia esta música desde a interpretação da diva Jennifer Holiday que é originalmente a voz desta canção e pela popularidade
And I am Telling You I'm Not Going nos USA, pelo menos entre os que adoram este gênero, eu já havia visto várias performances, no entanto foi com Jennifer Hudson, a qual gosto muito, mergulhada na personagem de Effie White que cheguei ao ponto catártico da canção porque é a canção de Effie para Curtis em uma performance arrebatadora da mulher que não quer deixar seu homem ir para os braços de outra. Curtis acaba se envolvendo com Deena Jones, situação que marcou para sempre a instabilidade do grupo e a ruptura do mesmo quando Effie sai do Dreamettes, é abandona por Curtis, se vê na solidão até passando necessidade. De cara, entendo este emergencial desabafo "No, no, there's no way No, no, no, no way I'm living without you... you're gonna love me" afinal quantas palavras deixam de ser ditas no caos da separação e quantas são ditas abertamente, estas últimas como se a parte que sofresse tanto tivesse a fantasia do controle da situação, a possibilidade de revertê-la em um genuíno enlouquecido grito ou sussurante pedido implorando pelo "Fique comigo, eu estou te pedindo, pedindo para você me amar".




Em DreamGirls, embora haja outras canções mais showbusiness típicas para o entretenimento de um musical inclusive as Beyoncé, And I am Telling You I'm not Going contracena com Jennifer Hudson e Jamie Foxx, sendo de forma lendária, a terceira personagem de uma cena inesquecível com a interpretação de tirar o fôlego de Jennifer Hudson que "vive" a música e a forma como a cena foi filmada: os reflexos nos espelhos dos ex-amantes, aquelas expressões fantásticas em seus rostos, principalmente a imperdível cara angustiante de Jamie Foxx que se assemelha a de muitos homens em um momento como este no qual não sabem o que fazer e o performático desespero de Hudson me emocionando até o auge a cada agudo. Neste momento, eu tomo a dor de Effie, lembro-me das vezes que meu coração precisava falar à (ele): "You're the best man I'll ever know... And I Am Telling You I'm Not Going ... I am staying and you are gonna love me... tomando a forma não só de boca, mas de mãos, olhos e todo o corpo para olhá-lo e tocá-lo, desejando possuí-lo para sempre, para descabelar-me de outra prazerosa forma e não ao vê-lo partir.




"I'm not waking up tomorrow morning
Eu não acordarei amanhã
And finding that there's nobody there
Para descobrir que não há nada ali
Darling there's no way
Querido, não há como
No, no, no, no way I'm living without you
Não, não, não não há como viver sem você"




2 comentários:

  1. Nossa madame!!*-*
    Muito lindo o eu blog! eu amei vou querer vir sempre, bahh esse filme é muito emocionante mesmo!! ele fascina a pessoa!!^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Cibelle, obrigada pela sua visita e seu carinhoso comentário. Fico muito agradecida e espero que venha sempre no Madame Lumière, que é o meu cantinho feito com minha verdade, realmente cheia de emoção.

    Beijo da madame!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière