domingo, 24 de janeiro de 2010

Breves Reflexões, Profundos Aprendizados: Mar Adentro - 2004

Breves Reflexões, Profundos Aprendizados
através do Cinema




Breves reflexões, Profundos Aprendizados através do Cinema, uma única dose para curar algo de nós, talvez o coração, reduto de dores além de sua própria ou, simplesmente, dar espaço a uma nova forma de olhar a vida aprendendo com o Cinema. Sempre um filme com uma rápida dica para reflexão, consequentemente, o recomendando. Sugestões de Filmes e Sessões de Cinema à parte, prometo voltar aqui para explorar bem melhor os longas integrantes desta série, como de costume.

Como diz Alejandro Amenábar, diretor de Mar Adentro " Meu cinema não é um cinema de respostas e sim de perguntas". Mar Adentro é um filme belíssimo, formidavelmente bem intepretado por Javier Bardem e cujo tema da eutanásia não remete somente à morte mas ao sentido da vida, do amor e da liberdade. Foram tantas perguntas que me fiz, sem respostas imediatas. Perguntas de quão limitado e ilimitado o ser humano pode ser em suas ações e sentimentos, em seu trânsito na bipolaridade da vida e da morte, da impotência e do vigor, do abandono e do amor incondicional, da decisão e da hesitação. E foi aí que me perguntei?
- "Por que pensar nos extremos de vida e morte, como coisas distintas; se podemos viver mortos, alheios ao verdadeiro sentido individual da vida?"
Neste ponto, o cinema de Amenábar atendeu o seu propósito e, enquanto as perguntas circulam em minha mente, prefiro olhar para o mar , ler poesias sobre o amor, filmes sobre a essência da vida e mais do que nunca, expressar em cada atitude minha força de viver, mais um passo à sobrevivência diária.



Mar adentro, mar adentro,
y en la ingravidez del fondo
donde se cumplen los sueños,
se juntan dos voluntades
para cumplir un deseo.

Un beso enciende la vida
con un relámpago y un trueno,
y en una metamorfosis
mi cuerpo no es ya mi cuerpo;
es como penetrar al centro del universo:

El abrazo más pueril,
y el más puro de los besos,
hasta vernos reducidos
en un único deseo:

Tu mirada y mi mirada
como un eco repitiendo, sin palabras:
más adentro, más adentro,
hasta el más allá del todo
por la sangre y por los huesos.


Pero me despierto siempre
y siempre quiero estar muerto
para seguir con mi boca
enredada en tus cabellos.


Bom Filme e saudações cinéfilas da MaDame Lumière.

8 comentários:

  1. Madame, minha experiência com o filme foi um tanto quanto trágica.
    Fui assistir em um dia tão estressante para mim, e no meio do filme meu sono foi fortalecendo.

    Mas quando eu eu fui dormir, comecei a pensar no filme, e naquilo que ele passa, e realmente, comecei a refletir sobre diversas coisas, ou seja, consegui entender a essência do filme e o que ele passa de bom.

    Preciso revê-lo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Estou gostando muito dessa seção madame. Depois de Invictus e Grandes esperanças, Mar adentro. Grandes reflexões mesmo. Vc é das minhas madame. Tirando o melhor do cinema. Em suas sutilezas e em seus elefantes dourados. Paranbéns pelo post.
    "Meu cinema não é de respostas, meu cinema é de perguntas", desconhecia essa frase do Amenábar. Grato por trazê-la a luz.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Raphael, (rs) gostei da sua sinceridade. Acontece mesmo da gente ser pego por um sono que vence nossa concentração cinéfila. Este filme é bem reflexivo, trata de um tema delicado, envolto em uma série de falas que exigem uma atenção mais sensível. Sim, assista-o de novo, eu pretendo falar sobre este filme em breve porque o acho essencial na filmografia espanhola e latino-americana (Amenábar é chileno, mas vive na Espanha). Dos Latinos, gosto muito dele e do Juan José Campanella. abs!

    ResponderExcluir
  4. Oi Reinaldo. Que fofo! Obrigada pelo carinho. Sempre tenho o propósito de trazer o Cinema vívido e reflexivo.

    Você sabe que eu também adoro as seções do Claquete e sua versatilidade em cobrir o cinema com reflexão e contexto. Você também é dos meus! :>))))))

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Um filme delicado, de atuação intensa de Javier, engraçado como poucos gostam, mas este me define, bastante.

    ResponderExcluir
  6. Oi Cristiano, me define também, maravilhosamente, adentrando no mar da vida. bjs

    ResponderExcluir
  7. Madame,

    O Bardem tem grande presença neste filme.

    Quero assistir novamente!

    E responder as minhas próprias perguntas, as vezes me assusto com certas respostas..mas enfim é a vida...

    bjokas!

    ResponderExcluir
  8. Rodrigo:

    Rsrs... eu também me assusto com as respostas, ando me assustando muito ultimamente! Será que sou uma aberração? rsrs...

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière