sábado, 8 de novembro de 2014

MaDame Noir: Baixeza ( Criss Cross) - 1949



MaDame Noir:
O melhor do Film Noir
por MaDame Lumière







Robert Siodmak é um icônico cineasta conhecido pelo seu expertise em filmes Noir e pelo clássico dramático A um passo da eternidade (1953). De origem Alemã, o diretor começou seu emblemático trabalho no Cinema Noir ao balancear o seu background do Cinema Expressionista Alemão, um dos maiores influenciadores estilísticos do Noir assim como um olhar muito sofisticado na direção com uma decupagem precisa, de cortes rápidos e enquadramentos com um dinâmico e consciente controle do processo criativo e seu impacto psicológico na plateia.


Em Baixeza, estrelado por Burt Lancaster e Ivonne de Carlo como um casal de amantes tomado pela obsessão, traição e cinismo, Siodmak tem em mãos um excelente roteiro que é filmado com bons aspectos técnicos que o valorizam. Na história há um passado misterioso e mal resolvido entre ex-marido e mulher. Steve Thompson (Lancaster) e Anna (de Carlo) foram casados por 2 anos e ficaram 7 meses separados. Steve retorna a Los Angeles com a lembrança da amada. A narrativa começa em um tempo presente no qual Steve Thompson e Anna trocam promessas de amor e são amantes após o reencontro deles. Ela é casada com Slim Dundee (Dan Duryea), um poderoso gângster do submundo de Los Angeles e Steve mantém uma cínica relação com o criminoso. Mais adiante,  a história abre em um dos planos Steve em exercício do seu trabalho em uma empresa de carros blindados. Durante o trajeto do transporte de uma grande quantia,  Steve se lembra de palavras chave de Anna, a narrativa volta ao passado em um flashback com algum uso  de narração on para que o público entenda como foi o reencontro deles e como a história evoluirá para uma trama de traição e trágico desfecho.


Siodmak é muito versátil para dirigir o Cinema Noir com status de elegante direção, principalmente no uso da câmera e na montagem dos planos. Em sequências externas, há uso de grua e de planos mais abertos articulados com primor e que resgatam a técnica de outros clássicos. Nos planos internos e de efeito mais psicológico, ele opta por planos médios e close up com uma excelente direção de atores, com destaque para o casal protagonista. Burt Lancaster interpreta um infeliz ex-marido com boas intenções e apaixonado por Anna. Ainda há  esperança nele misturada com uma cega obsessão. Por outro lado, ela é a evocação da mulher Noir de carater dúbio que se expressa de maneira duvidosa e impregnada de um cinismo evidente.  



O diretor também faz uso da usual trilha sonora de suspense em momentos de reviravolta mas garante momentos sublimes para o Cinema clássico como uma sequência de planos na qual há a participação especial de Esy Morales e sua banda. Essa sequência é magnífica na construção narrativa ao marcar o reencontro entre Steve e Anna. Enquanto ela dança o som latino de "Jungle Fantasy", os cortes são precisos entre os músicos, Steve e ela. Essa sequência ressalta a obsessão de Steve e indica o quanto é misteriosa e sedutora essa mulher Noir.



O longa é um dos Noir mais imprescindíveis de Siodmak e é o segundo trabalho do diretor com Burt Lancaster. A relação profissional entre eles começou com Assassinos, o primeiro filme noir de Lancaster e, portanto, pode-se dizer que o ator só evoluiu no gênero a partir da parceria com o cineasta. Diferente da imagem durona, viril e elegante de Humphrey Bogart que foi construída em outros clássicos do gênero, Lancaster tem uma figura mais modesta, de um homem comum, mais braçal. Essa sua característica o ajuda em Baixeza pois Anna é uma mulher que gosta de dinheiro e entra no submundo como "primeira dama". Em teoria, fica evidente que ele não serve para ela. Ao contemplar a ótima performance de Lancaster, basta ao público pensar: "Que homem ingênuo e perdido na cegueira da paixão!" 


Sob a perspectiva de qualidade do Cinema Noir, Baixeza não é tão valorizado dentre outros dessa cinematografia da época mas tem Lancaster e mais duas virtudes claras: roteiro e direção articulados objetivamente. Pelo Noir ter uma característica baseada em filme B , de submundo, crime e desesperança, a carga dramatúrgica dos personagens é decadente.  São pessoas obscuros, sem carater ou, no caso do herói noir, um homem que será enganado e ficará preso em sua situação trágica. Considerando esses aspectos, Siodmak consegue elevar o Noir a uma direção crível e de grandeza técnica. Em Baixeza, ele não faz diferente.







Ficha técnica do filme ImDB Baixeza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière