segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

A Malvada (All about Eve) - 1950

Bette Davis "Margo" te despreza, Anne Baxter "Eve"!
E MaDame Lumière também! hahahahahahahaha!
"
Nice speech, Eve. But I wouldn't worry too much about your heart.
You can always put that award where your heart ought to be."


Não importa qual seja o business, sempre há um(a) malvado(a) à espreita de quem faz sucesso, seja para seguí-lo com uma invejosa inspiração, seja para prejudicá-lo, seja para tomar-lhe o lugar, a verdade é que por trás do rostinho bonito e dócil de muita gente mora um ser maléfico capaz de tudo para alcançar o mesmo sucesso. Um dos filmes mais bem sucedidos da história clássica do cinema com 14 indicações ao Oscar e com um elenco primoroso com Bette Davis, George Sanders, entre outros aborda esta atemporal verdade, A Malvada satiriza este tipo de comportamento nos bastidores da Broadway Nova Yorkina através de uma bela jovem aspirante à atriz Eve Harrington (Anne Baxter), inicialmente uma maltrapilha que frequenta todas as performances teatrais da grande atriz veterana Margo Channing (Bette Davis, absolutamente divina). Eve a admira tanto que chega a decorar todas as peças de Channing e, consegue aproximar-se de sua ídola através da benevolente Karen Richards (Celeste Holm, ótima), amiga íntima de Margo e esposa do roteirista teatral Lloyd Richards (Hugh Marlowe) que a apresenta à atriz. Eve conta uma série de mentiras e consegue sensibilizar a todos, com exceção da camareira de Margo, Birdie (Thelma Ritter, que garante excelentes e autênticas opiniões cômicas sobre Eve). A dissimulada e ambiciosa candidata ao sucesso torna-se secretária pessoal de Margo que possibilita a Eve uma vida mais digna e acesso direto ao círculo do show businesss, incluindo além do casal Richards, o diretor Bill Sampson (Gary Merril, o charmoso e lindo namorado de Margo), Max Fabian (Gregory Ratoff, empresário teatral) e o vilão crítico de teatro Addison de Witt (George Sanders, em excepcional, elegante e venenosa performance que lhe garantiu o Oscar de melhor ator coadjuvante por esta atuação). A atriz Marily Monroe faz uma rápida participação especial como a candidata à atriz Claudia Caswell interpretando o estigma que ela sempre carregou: bonita e tolinha.




A Malvada tem um roteiro extremamente perspicaz e fascinante que dá até prazer de assistir a este filme clássico. Joseph L. Mankiewicz que ganhou o Oscar de Melhor Direção e Melhor Roteiro por esta película utiliza seu texto sofisticado e maravilhosamente irônico, cínico que foi baseado em um conto de Mary Orr, "The Wisdow of Eve" e que ressalta não só o ambiente teatral mas o advento maior do Cinema que é mencionado em várias cenas. O início do filme é marcado por uma técnica de flashback (algo muito apreciado por Mankiewicz) no qual ele apresenta uma premiação em que Eve Harrington será reconhecida como vencedora. O host da festa traça mil elogios à atriz antes de anunciar seu nome. Há um clima de suspense na câmera que filma Margo Channing, Karen Richards, Lloyd Richards, Max Fabian e Addison de Witt e não se sabe quem será a vencedora, então, antes da entrega do troféu e do discurso de Eve, a narrativa presente dá uma pausa e retorna ao passado para contar ao espectador como Eve conseguiu alcançar o sucesso como atriz. Esta técnica inicial é primorosa porque, como todo bom roteiro que captura o interesse total do espectador nos primeiros 10 minutos de película, A Malvada faz exatamente isso, deixa a audiência curiosa.





Durante o curso do filme, Eve mostra as garras e todos os personagens são envolvidos, de alguma forma, nas suas intriga em uma hipócrita atuação. Margo sente ciúmes de Bill. Karen e Lloyd ficam irritados com Margo. Eve flerta com Bill. De Witt se torna "amigo" de Eve e ambos, que se merecem, envenenando os bastidores da Broadway. As falas de Margo Channing e Addison de Witt são supremas e, ainda que Anne Baxter desempenhe bem o papel da malvada de adorável beleza e dissimulada gentileza, Bette Davis e George Sanders são os responsáveis pelas melhores performances, dando vida ao longa metragem. Margo Channing tem alma de Davis, autêntica demais e de língua afiada mas, acima de tudo, uma grande mulher a tal ponto de dar uma chance a Eve como secretária. Channing que sofre as agruras de ser uma atriz de 40 anos, vive o dilema da insegurança e do ciúmes de ver uma jovem atriz a sucedendo como inescrupulosa traidora.
De Witt, no papel do crítico de teatro é formidável porque ele mostra o veneno impiedoso da crítica da época e, sendo próximo a Eve, um alimenta a ambição do outro, ainda que De Witt é "bode velho" em comparação à astúcia de Eve que é obrigada a ter o "rabo preso" com De Witt.







O grande triunfo de A Malvada além do reconhecimento ao talento de Mankiewicz como diretor e roteirista é que a película é bastante contemporânea e, todo o filme que ultrapassa as barreiras do tempo e se renova automaticamente nasceu para ser um inesquecível clássico. Filmado em P&B com um elegante figurino e um texto de primeira grandeza para a época, A Malvada aborda o que acontece quando pessoas muito ambiciosas estão dispostas a tudo para conseguir o que desejam e, no show business, isso se torna mais rotineiro. A dissimulação de Eve a torna tão maravilhosamente fake como pessoa que até qualquer um de nós adoraria desmascará-la com requintes de crueldade. Eve alcança o sucesso mas continua solitária, sem amigos, sem amor. Ela continua fingida até mesmo no seu discurso ao ganhar o prêmio de melhor atriz, logo a própria vida se encarrega de ser malvada com ela, afinal o "bateu, levou" funciona bem para ambiciosos(as) como ela.


Avaliação MaDame Lumière






Título original: All about Eve
Origem:
EUA
Gênero:
Drama
Duração:
138
min
Diretor(a):
Joseph L Mankiewicz
Roteirista(s): Joseph L Mankiewicz
Elenco: Bette Davis, Anne Baxter, George Sanders, Celeste Holm, Gary Merrill, Hugh Marlowe, Gregory Ratoff, Barbara Bates, Marilyn Monroe, Thelma Ritter, Walter Hampden, Randy Stuart, Craig Hill, Leland Harris, Barbara White

15 comentários:

  1. 5 estrela mesmo. Grande elenco e um dos maiores diretores do cinema americano, para mim, em seu melhor trabalho. A idéia de A malvada, como vc bem observou, é sempre atual.Daí a força de seu argumento. O que vemos em Brasília, nos bastidores do poder, ou as intrigas do BBB (olha rima aí gnt...) remetem a esse belo texto concebido há mais de 50 anos. Um filme que é eterno, entre outras tantas razões, tb por causa disso. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Reinaldo, exatamente, concordo com suas palavras que reforçam meu ponto de vista sobre A Malvada, por isso ele é tão atemporal e contemporâneo. Ver Eve Harrington é como ver várias pessoas sem escrúpulos que fingem ser gente boa mas querem mesmo é prejudicar o outro sem um pingo de arrependimento.

    All About Eve is super five stars, super modern 4 Ever!

    bjs!

    ResponderExcluir
  3. Comprei ele recentemente para ver pela primeira vez e realmente é uma obra-prima. Magnífico filme em todos os sentidos. Talvez um dos 5 roteiros mais incríveis da história do Cinema.

    ResponderExcluir
  4. Wally, bela compra. Este roteiro é muito preciso e inteligente. Sem dúvidas, você deu a si mesmo um presente em forma de masterpiece. abs!

    ResponderExcluir
  5. Um dos melhores roteiros da história do Cinema. Sem mais! Foi por onde conheci esse monstro que atende pelo nome de Bette Davis. Essa mulher é uma força da natureza, onde passa... fenomenal!

    ;)

    ResponderExcluir
  6. Elton, assino embaixo. Este roteiro é tão perfeito que eu tenho vontade de entrar dentro do filme. Bette Davis é diva gold. Fico impressionada com a personalidade única dela. Ela consegue preencher a tela toda e o meu coração.
    abs!

    ResponderExcluir
  7. Realmente,

    É um filme muito bem construído, concebido, o roteiro e o figurino são pontos-cicatrizantes, como você mesma deixou evidente - mas, as atuações são imbatíveis.

    Betta Davis está soberba, mas ainda continuo achando sua Baby Jane mais inesquecível - talvez, por preferir mais o filme O QUE TERÁ ACONTECIDO A BABY JANE?

    É um filme que eu tenho muito apreço, realmente temos este prazer em vê-lo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Acredita que eu não conheço nenhum clássico Madame???

    Você me deu a dica no outro post de alugar ou baixar da internet!!! Vou ter que baixar pq não conheço uma locadora perto do meu bairro que tenha!! No centro da cidade talvez!! É que apesar de ser uma cidade bem desenvolvida, é tudo uma gringada que não curte cultura!! "Be italians" aqui!!! hahahhahahah

    Ademais, uma ótima crítica!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Cris: Gostei bastante do figurino. O que Celest Holm usa durante o jantar entre seu esposo, Margo e Bill é maravilhoso. Tudo muito elegante e combinando com o bom gosto e estética de Joseph L. Mankiewicz. E os homens são tão charmosos e inteligentes, não se fazem homens no cinema como antigamente rsrs!

    Baby Jones é excelente, uma faceta mais doentia na atuaçaõ de Bette Davis. Gosto dela em todas as suas facetas.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Oi Eri,

    Obrigada pelo elogio à minha opinião. Vc é sempre um grande incentivador do blog! Adoro-te!

    Acredito em você! Eu também não sou uma expert em clássicos dadas as dificuldades de eu encontrar tempo e também estes títulos mais raros, mas nunca é tarde para os encontrarmos e eu sugiro que você listando os grandes clássicos que lhe interessam. Eu estou revendo alguns e tenho outros planejados na minha classic wishlist rsrs!

    Baixe-os sem arrependimento. Obviamente não é tão bom quanto assistí-los em sua melhor qualidade, mas eu também não encontro alguns clássicos raros e nem mesmo tenho tempo e paciência de correr atrás de locadoras distantes. bjs!

    ResponderExcluir
  11. excelente.

    exemplo de clássico que sobrevive muito bem ao tempo.

    bacana ver a marilyn monroe, mesmo q por pouco tempo.

    bjos!

    ResponderExcluir
  12. Olá Bruno,

    Também gostei de ver Marilyn Monroe. Embora nunca tive muito apreço por ela, ela está tão naturalmente bela no filme que dá gosto de ver.
    bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oi Madame!
    Coincidência ou não, vi A Malvada na segunda, vc acredita?? Como boa "anti-foliã' que sou, me escondi nesses dias insanos com uns bons dvds como companhia, entre eles, essa beleza.

    Sempre tive curiosidade de ver por causa do recorde de indicações ao Oscar e fui recompensada, pois o filme é realmente digno de todos os prêmios. Crepúsculo dos Deuses teve a infelicidade de competir com ele naquele ano, apesar de ser tão bom quanto.

    Foi o primeiro filme que vi com Bette Davis e fiquei assustada! Que atriz magnífica, quando está em cena, simplesmente hipnotiza a todos com sua atuação. Nossa, isso é que é atriz...
    Bjoss

    ResponderExcluir
  14. Oi Patty,
    Que legal, estamos cinematograficamente sintonizadas e isso é tão gracioso. Vira e mexe tenho umas coincidências aqui com os outros bloggers. Este ano não viajei pra praia e também fiz como você, estou assistindo filme até agora rsrsrs... Muito luxo isso!

    É um filmaço e , honestamente, penso que o filme não teria tanto poder se não fosse Bette Davis e George Sanders. Davis arrasa mais uma vez, ela é uma força do outro mundo e, quando a assisto fico a pensar se ela existiu mesmo rsrs...


    Sabia que sonhei com ela após esta resenha? Rsrs.

    bjs!

    ResponderExcluir
  15. Ah, Madame, ainda não vi A MALVADA, e não por falta de vontade e sim de oportunidades ! rs
    Bela crítica, você conseuiu aguçar mais ainda a minha curiosidade com essa película ! xD

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière