sábado, 6 de fevereiro de 2010

MaDame loves: 10 Comédias com Casamento

MaDame Loves :
10 filmes preferidos com 1 tema escolhido
por MaDame Lumière


Tema: Casamento

Não há nada mais clichê do que comédias românticas
com casamentos como propósitos, meios ou fins, ou simplesmente, como pano de fundo, no entanto é um clichê adorável e muito romântico. Esqueçamos o casamento enquanto instituição, pensemos no Amor, na vontade de se apaixonar por alguém especial, de estar junto com ela(e) " na saúde e na doença, na alegria ou na tristeza até que a morte nos separe" e, a partir de agora, adentremos nestes 10 filmes que têm um toque de casório, com direito a boas risadas.


O casamento do meu melhor amigo/ My Best Friend's Wedding (1997)
Direção de P. J Hogan




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque além da simpatia e do charme de Julia Roberts, Dermot Mulroney e Rupert Everett e da inesquecível trilha sonora com a saudosa "I say a little pray for you" (de Diana King), o Casamento do meu melhor amigo dá conta de mostrar o desesperador mal estar que é descobrir-se gostando de alguém depois que este alguém já está com outro alguém. Julianne Potter ( Julia Roberts) descobre-se apaixonada por seu melhor amigo Michael O'Neal (Dermot Mulroney) que está com casamento marcado com Kimberly Wallace (Cameron Diaz) e faz de tudo para impedí-lo, além disso o filme coloca a problemática: Será que eu verdadeiramente amo este homem que está prestes a se casar ou simplesmente não aceito perdê-lo para outra mulher, principamente sendo meu melhor amigo? Há uma imperdível competitividade feminina no ar, bem performada por Julia Roberts contra Cameron Diaz e a sensação de que a chance de ser feliz no amor pode passar desapercebida diante de nossos olhos. Julianne Potter sabe bem disso, nenhum reinado feminino dura para sempre.


Minha mãe quer que eu case/ Because I said so (2007)
Direção de Michael Lehmann



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque Diane Keaton é divinamente engraçada e uma excelente atriz em comédias (basta lembrar de Alguém tem que ceder com o Jack Nicholson), em Minha mãe quer que eu case ela incorpora o papel de Daphne, uma mãe neurótica e tão apegada à filha caçula Milly (a atriz e cantora Mandy Moore) que acaba se metendo em uma confusão secreta para arranjar o genro ideal para a filha. Qual é a mãe que não quer o melhor partido para a filha, não é mesmo? Mas Daphne exagera neste desejo. O filme é tão deliciosamente divertido porque também aborda encontros e desencontros em meio à solidão e à busca por companhia, e prepara uma excelente surpresa para Daphne, além de expor o autêntico e realista retrato de que toda boa garota como Milly sofre as agruras inevitáveis para encontrar um grande e verdadeiro amor.


O melhor amigo da noiva/ Made of Honor (2008)
Direção de Paul Veiland



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque Patrick Dempsey e Michelle Monagah estão encantadores nesta película, com uma ótima química como amigos e como os apaixonados Tom e Hannah. A idéia de colocar Tom como dama de honra do casamento da amiga, o qual se descobre apaixonado pela noiva é hilário porque ele sofre calado, dividido entre o seu responsável papel pré núpcias de Hannah, mas ao mesmo tempo arruma uma forma de destruir este casamento sem afetar a amizade e o carinho que tem pela amiga. Além disso, é divertido ver que ele sente muito ciúmes ao ver a amiga com um homem praticamente perfeito. A maior delícia do filme é que Tom, um exímio mulherengo que vive descartando as mulheres nunca olhou para Hannah com tesão, porque o amor deles sempre existiu, eles só não sabiam disso. Esta mudança apaixonada no comportamento de Tom e a forma como eles se vêem apaixonados se revela tão magicamente romântico que é irresistível não torcer pela felicidade do casal.


Vestida para Casar/ 27 dresses (2008)
Direção de Anne Fletcher



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque toda mulher, até a mais racional, desejar ver o dia do seu casamento, nem que seja sem papel passado, juntando as escovas de dente e com direito a uma breve e casual cerimônia trajando um vestido de noiva simples. Porque, chega um dia, que é triste não se ver em um vestido de noiva e/ou não ter certeza se o princípe encantado vai aparecer e subir no altar. Vestidos de noiva são um deslumbre e desejar ver-se vestida de noiva no grande dia é um grande sonho. Katherine Heigl, com sua deliciosa veia cômica, faz muito bem o papel de Jane, uma mulher que ainda não encontrou o seu futuro marido, mas que é fanática por casamentos, sendo dama de honra de 27 deles, e hilariamente chegando a colecionar todos os vestidos. Ela é uma mulher devota ao casamento e isso é esperançosamente romântico, logo o filme é otimista. Até que fatalmente a irmã, a modelo Tess (Malin Akerman) vai se casar com o homem que Jane gosta (o chefe de Jane, George interpretado por Edward Burns), nestas reviravoltas, Jane se vê com uma inveja e ciúmes básicos( comportamento natural) e somente depois descobre que está apaixonada por outro homem, Kevin (ator gato James Marsden), destacando que o novo amor pode ser quem menos imaginemos. Vestida para casar é um grande encontro amoroso, com direito à desilusão, solidão e paixão antes de chegar no altar.

Quatro casamentos e um funeral / Four Weddings and a Funeral (1994)
Direção de Mike Newell




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque este filme tem o charme clássico de uma comédia londrina que somente o inglês Hugh Grant, adoravelmente bem humorado em seu excêntrico estilo poderia prover e, principalmente, porque tem um dos mais emocionantes e lindos desfechos em comédias românticas, provando que não importa se alguém já está nos braços de outro(a), o que tiver que ser no destino amoroso de alguém, assim o será. O amor é feito de surpresas inimagináveis que, de alguma forma, foram alimentadas por um affair espontaneamente amigável e romântico. Sempre há esperança no amor. Charles (Hugh Grant) não demonstra qualquer interesse em relacionar-se com alguém até que encontra Carrie (Andie MacDowell) e se apaixona por ela. Ele chega a ser usado sexualmente por ela (o que é uma grande ironia, afinal logo o cara que não se interessa por romances, se vê de quatro por uma mulher). Carrie é a mulher adorável, inteligente e dura na queda, mas o amor sempre faz os amantes escorregarem.

O Casamento de Muriel / Muriel's Wedding (1994)
Direção de P.J Hogan



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque Muriel ( Toni Colette) é uma mulher louca por casamentos, que vive sonhando acordada desejosa por um matrimônio e que, infelizmente, é uma mulher não desejada e solitária. Sua situação é tão triste que ela, imaturamente e desesperadamente, não poupa esforços para casar-se custe o que custar. Neste seu sonho nupcial ,ela conduz o seu casório de uma forma friamente cega sem se dar conta de que a sua felicidade está além de simplesmente casar-se. Quantas vezes mulheres em todo o mundo não colocaram o casamento como único elemento de satisfação pessoal e plena em suas vidas? Quantas vezes mulheres em todo o mundo não se sentiram solitárias e carentes de amor com o desejo intenso de casar-se a qualquer preço? Muriel não é ré nem vítima, ela simplesmente tem o sonho do casamento, isso é nobre e lhe possibilita amadurecer como mulher. Imperdível trilha sonora de Abba torna O Casamento de Muriel inesquecível. Confira a opinião completa sobre o filme por MaDame Lumière, clicando aqui


Licença para Casar /License to wed (2007)
Direção de Ken Kwapis




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque Robin Williams no papel do Reverendo Frank, responsável pela preparação de casais para o casamento está imperdivelmente engraçado e não tão "santificado" como esperado em seu ofício; ele é o famoso "mala sem alças" que atormenta os casais antes de seus casamentos, testando-os ao limite e que, certamente, faria qualquer um desistir do casamento antes tarde do que nunca. Apesar de ser insuportavelmente pegajoso, Reverendo Frank testa os casais ao máximo para que eles percebam se realmente foram feitos um para o outro, neste ponto, o Licença para casar é uma comédia interessante pois tanto os noivos Sadie Jones (Mandy Moore) quanto Ben Murphy (John Krasinski, ótimo) descobrem seus defeitos porém também suas qualidades e porque são apaixonados e querem trocar as alianças. Na pior das formas, eles não descobririam isso e nem aprenderiam a valorizar mais um ao outro se não fosse a benção infernal do Reverendo Frank. Na vida real, se houvesse um Reverendo Frank à disposição em cada igreja, tantos casais não se casariam aleatoriamente sem encarar verdadeiramente suas próprias motivações matrimoniais.


A proposta /The Proposal (2009)
Direção de Anne Fletcher



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque Sandra Bullock e Ryan Reynolds estão lindos e incríveis nesta comédia que relata os desdobramentos na vida dos dois após uma louca proposta de casamento realizada pela editora chefe Margarete Tate (Sandra Bullock) a seu assistente Andrew Paxton (Ryan Reynolds). Estão envolvidos em uma deliciosa química cheia de bom humor e grandes relevações rumo à felicidade conjugal. Mais uma vez, amo este filme porque é otimista considerando que o amor pode estar onde menos esperamos e/ou precisa só de um empurrãozinho situacional para que seja despertado. Embora tenha sido uma proposta de casamento sem amor e forçada, Margarete e Andrew aprendem a olhar o outro de forma diferente através de uma viagem na qual conviverão com a família de Andrew. O imperdível é que Margarete se abre para o amor, saindo da vida formal e fria que ela tinha e, felizmente, ganhando um gato com abdômen definido como Ryan Reynolds. A cena final é maravilhosa e obrigatória para qualquer pessoa que ama o romance. Confira a opinião completa sobre o filme por MaDame Lumière, clicando aqui

Penetras Bom de Bico/ Wedding Crashers (2005)
Direção de David Bobkin



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque dar risada com Owen Wilson e Vince Vaughn juntos como dois amigos mulherengos e safados que frequentam festas de casamento e aproveitam que as mulheres solteiras estão carentes para seduzí-las é um luxo cômico. As cenas de casamento na qual eles se divertem pra valer são essenciais. O filme é uma diversão garantida porque o "feitiço vira contra o feiticeiro" em um dos casamentos. John (Owen Wilson) se apaixona pela encantadora Claire (Rachel McAdams) e Jeremy (Vince Vaughn) se apaixona pela ninfomaníaca Gloria (Isla Fisher), acabam se metendo em muita confusão, provando do próprio veneno e ainda são prejudicados quando é revelado à família das moçoilas que eles são dois sacanas sedutores adictos a festinhas de casamento, pondo à prova se eles merecem realmente os corações destas damas e se o que sentem por elas é verdadeiro. Com este enredo, é bacana envolver-se com o longa-metragem de forma descontraída, percebendo que até mesmo os mais mulherengos são capazes de se apaixonar perdidamente e que John e Jeremy aprendem como é estar do outro lado, ou seja, afetivamente envolvidos por mulheres e não as usando como estavam acostumados em seus papéis de garanhões.

Doce Lar / Sweet Home Alabama (2002)
Direção de Andy Tennant



Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?
Porque me faz refletir que nem sempre a pessoa mais bonita e mais bem sucedida, a qual pode nos prover uma escolha segura e uma vida comfortável é a pessoa com a qual devemos nos casar, além de colocar em evidência que o primeiro amor é inesquecível e talvez seja o único e o último de nossas vidas, mesmo com as briguinhas corriqueiras. Melanie Smooter (Reese Witherspoon) é uma estilista emergente que foge do Alabama e se dá bem em Nova York, namorando um rico homem, candidato promissor aos altos degraus da política local (Andrew Hennings interpretado por Patrick Dempsey) com o qual fica noiva. No entanto, nem tudo é perfeito e se descobre que ela ainda é casada com Jake Perry (o gato do Josh Lucas). Ela tem que retornar à cidade natal e encarar o ainda esposo para pedir o divórcio. A beleza romântica desta comédia é que ainda existe sentimento e, Jake Perry pode ser um tanto ignorante e rústico mas nunca a esqueceu, sempre a amou e lutou para estar em melhor posição na vida. O mais lindo da história é que Melanie Smooter não pode negar quem ela é e muito menos fugir de seus sentimentos.



Bom Filme, Viva ao Amor e à Paixão, Boa sorte nos relacionamentos
e românticas saudações cinéfilas da MaDame Lumière.




Filmes não estão em ordem de favoritismo e sim aleatória

16 comentários:

  1. Amei o MaDame Loves!!!!

    Que boa idéia Madame!! Super bacana e bem realizada!!

    Quanto aos filmes, tbm tenho uma queda por comédias românticas!! Odeio admitir, mas a vida é assim neh! Consigo me empolgar com todas, e por mais clichês que sejam sempre torço pra que o casal fique junto no final!!

    Sou um garoto romântico!! hohohho =D

    Beijos Madame!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Eri! Sua opinião sensivelmente cinéfila é importante para mim, além amo ter você me visitando no Madame Lumière.

    Muitos MaDame Loves ahead rsrs...

    Eu amo comédias românticas e tenho uma série de emoções em meio aos clichês, desde risos até lágrimas. É muito hilário me ver assim, mas fico assim com muito orgulho, quer dizer que tenho coração e ele acredita no romance.


    Sou uma garota romântica também!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Madame,

    que lista legal..

    sou mais os filmes do P.G Hogan, principalmente 'O casamento de Muriel' com a ótima Toni Collete.

    Mas, atualmente estou na maratona James Bond, solteiro e feliz! rs!

    Bjokas!

    ResponderExcluir
  4. Rsrs... esta maratona é boa, hein... rsrs! Enjoy it!

    Sabe que normalmente não presto atenção a quem dirige as comédias? Rsrs... engraçado isso pois eu "apago" da minha mente qualquer manobra de seletividade com relação a diretores de comédias românticas porque eu sou muito fanática por estas comedinhas, mesmo que sejam água com açucar. No entanto, também gosto do P. G Hogan e percebi ultimamente que tenho forte inclinação a gostar dos trabalhos de Nancy Meyers (simplesmente complicado e alguém tem que ceder são maravilhosos, ela é uma bem humorada e ótima roteirista) e também gosto da Anne Fletcher.

    Bjs e pensarei em algo bem mais legal para o próximo MaDame Loves.




    Gostei de fazer um post diferente no blog. Foi uma ótima experiência
    Quis fazer algo diferente

    ResponderExcluir
  5. Madame, disse tudo:

    ´´quer dizer que tenho coração e ele acredita no romance´´

    E que bom que você gostou de fazer o Madame Loves, porque eu adorei!! Pode trazer mais... Já virei fã!!

    Tbm amo ter você lá no NSC!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Dos filmes, meus favoritos são "O Casamento do Meu Melhor Amigo", "Quatro Casamentos e um Funeral" e "Vestida Para Casar". Quero muito ver "O Casamento de Muriel".

    ResponderExcluir
  7. Nossa que lista encantadora. E as fundamentações não poderiam ser mais felizes. Adoro todos os filmes que constam da lista.Simplesmente adoro! Mas minha preferência recaí sobre O casamento do meu melhor amigo, Doce lar, Penetras bons de bico e Quatro casamentos e um funeral.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Qi Reinaldo, que encantador comentário também. Deu pra sentir a energia daqui. Também adoro os que falou, principalmente Doce Lar. Já devo ter assistido-o mais de 5 vezes (rs). bjs!

    ResponderExcluir
  9. Oi Vinícius, obrigada pela visita. Também adoro vestida para casar. A cena final é tudo de bom. Adoro estas coisas rs. abs!

    ResponderExcluir
  10. Oi Madame.
    Dos que vc citou adoro A Proposta e gosto muito de Doce Lar.
    Mas diz, aí, qual o seu preferido dos dez? rsrs
    bjoss

    ResponderExcluir
  11. Oi Patty,

    Que pergunta difícil flor... mas vou listar os 3 primeiros que exercem um forte carisma sobre mim.

    1. Doce Lar
    2. A proposta
    3. Quatro casamentos e um funeral

    Sou realmente apaixonada por Doce Lar.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Doce Lar é cute!
    Ah, gostei muito do post...

    bom, os filmes do P.G Hogan são incontestáveis!
    Pra mim: O CASAMENTO DO MEU MELHOR AMIGO é imbatível - absurdo o Rupert Everett sequer ter sido indicado ao Oscar, até por que deveria ter sido laureado!

    Adoro o Casamento de Muriel!

    Não gosto de Mandy Moore, rs...ela é irritante! Só de lembrar de Um amor para recordar? nossa, me dá nos nervos...ela atuando não desce mesmo, é muito forçada!

    Parabéns pela lembrança dos filmes e conceito do post, Madame! beijo

    ResponderExcluir
  13. Nossa, nunca imaginei que Doce Lar era tão adorado. Estou com vontade de assistí-lo de novo! rsrs!

    Cris, adoro também o Casamento do meu melhor amigo e talvez não gostaria tanto se não fosse a presença de Rupert Everett. Ele é tão charmoso que fico fascinada pela atuação dele.

    Também não morro de amores por Mandy Moore. Pra mim ela é indiferente, tanto que gosto da comédia Minha mãe não quer que eu case por causa da Diane Keaton e gosto de Licença para casar por causa do Robin Williams. Rsrs! Como sou má com Mandy!

    Obrigada por gostar do post. Daqui 15 dias tem mais um MaDame Loves. Farei 2x / mês.

    bjs!

    ResponderExcluir
  14. Ei madame, A PROPOSTA é muito bacana e eu só vi graças aos bons comentários em blogs, inclusive no seu.

    Curto bastante O CASAMENTO THE RACHEL tb.

    ResponderExcluir
  15. Oi Bruno, tb tenho uma queda irresistível por a Proposta. Bem, sou suspeita pra falar, acho o Ryan Reynolds um pão, bem doce e açucarado rsrs...

    O casamento de Rachel é drama por isso não entrou na lista, também um ótimo filme. bjs!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière