terça-feira, 28 de outubro de 2014

Mostra 2014: Queen and Country (2014)





Queen & Country é  a sequência de Esperança e Glória (1987), ambos de John Boorman. No novo filme, Bill Roham  (Callum Turner) e seu amigo Percy HapGood (Caleb Landry Jones) ingressam no exército no florescer de suas juventudes e em uma época na qual os soldados estão sendo preparados e convocados para a Guerra da Coréia. Esse novo cenário histórico e a rigidez imposta pelo exército entram em choque com o despertar dos desejos e esperanças e as possibilidades de ter uma vida mais próxima à família e ao amor.


Por trás das formalidades do exército, Bill e Percy representam a lealdade e a amizade e também a imaturidade e a ingenuidade dos jovens recém recrutados para um treinamento de guerra. O propósito do filme não é explorar o lado denso, obscuro e visivelmente pesado da guerra mas trabalhar nas entrelinhas e ser mais bem sucedido em criar uma narrativa bem humorada com toques de dramédia, trabalhando  com subtemas que envolvem a juventude dos soldados e como ela é interrompida com as obrigações de guerra. O público poderá observar questões como  amores e experiências sexuais, desilusões e rejeições amorosas, impulsividade e pequenos delitos, não aceitação de regras rígidas e   de  comportamentos arrogantes de chefes, entre outros.  No roteiro, as situações se alternam entre o drama e a comédia, chegando a ter momentos de ridicularização como o roubo de um objeto que trará consequências diretas e indiretas para os dois jovens. 


Mesmo que seja um filme masculino com boas aparições de David Thewlis, Richard Grant, Bryan O'Byrne e  David Hayman, que atuam em personagens patriarcais ou de poder  e autoridade, um dos aspectos de destaque é observar que as mulheres do longa têm uma função narrativa muito válida em momentos dramáticos, compõem tipos de mulheres bem diferentes que giram em torno dos jovens, entrelaçam a eles os papeis que elas têm ou terão em suas vidas e suavizam mais o filme com esse toque feminino . A começar pela bela e trágica Ophelia (Tamsin Egerton) por quem Bill se apaixona. Depois temos Dawn (Vanessa Kirby), a  irmã de Bill, espontânea e de espírito livre e Grace, a mãe de Bill (Sinéad Cusack) que tem um segredo no passado e Sophie, a enfermeira divertida e liberal (Aimee F Edwards). Todas elas representam essas mulheres de verdade e cada uma se relaciona com o amor de uma forma assim como com a desilusão e a esperança.


Queen and country é um filme tradicionalmente britânico com um ótima direção de arte e fotografia, além de um humor sarcástico. O roteiro é arriscado pois não é integralmente dramático e ainda assim sugere o drama dos jovens. É um filme bem feito mas que não tem uma narrativa envolvente; salvo os aspectos técnicos mencionados e o bom elenco, com destaque para Caleb Landry Jones, é preciso desvendá-lo, tirar proveito do que for mais válido na experiência com ele e, se for possível, ver ou rever Esperança e Glória. No geral, dá para perceber (ou no mínimo imaginar) que por trás de cada riso e de cada ato de autoritarismo, há um fundo de tragédia particular em jovens e veteranos de uma Guerra.





Ficha técnica do filme ImDB Queen e Country

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière