quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Mostra 2014 : Retorno a Ítaca ( Return to Ithaca ) - 2014









Um dos melhores filme da Mostra é  Retorno a Ítaca do diretor Laurent Cantet, ganhador da Palma de Ouro em Cannes com Entre os Muros da Escola. O longa é narrado em espanhol e é realizado em Cuba quando um grupo de antigos amigos se reúne após o retorno do exílio de Amadeo (Néstor Jiménez), que viveu 16 anos na Espanha. Com uma narrativa baseada em um longo bate papo que se desenvolve entre a comédia e o drama, a história reacende memórias dolorosas, frustrações e realidades da atual Cuba. O roteiro destaca um excelente texto que mimetiza as experiências nostálgicas e a desilusão da geração Cubana dos anos 60 a 70.



O longa é um precioso achado que entrelaça como as individualidades e a história política e social de Cuba se aproximam e se rechaçam, porém não é um filme político e está longe de levantar bandeiras. Acima de tudo, esse filme é muito pessoal sob a perspectiva de que a desilusão é evidente e os rumos dos amigos foram diferentes. Eles seguiram vivendo com as dores e os amores de estar em Cuba ou estar em um exílio. Apesar das frustrações e das dificuldades, há uma energia que os une nesse encontro e que simboliza a experiência de vivenciar Cuba na qual os laços entre os amigos foram mantidos. Esse approach do filme não o torna um filme pessimista; ainda que as histórias sejam tristes e frustrantes, elas são contadas com uma leveza cômica e também dramática. O roteiro é envolvente e os atores têm o talento de atuar como homens e mulheres comuns, podendo representar qualquer um de sua geração.


O longa é uma bela, comovente e espontânea conversa entre amigos e tem o primor da direção  objetiva de Laurent Cantet que filma em um tempo narrativo muito bem articulado entre as longas tomadas e os cortes, inclusive usando um trabalho excepcional de duas câmeras, uma montagem coesa e um competente bom senso de dirigir atores locais e experientes sem intervir muito na naturalidade das emoções. Outro destaque é a escolha de locação e planos da periferia de Cuba. Mesmo que a narrativa não circule muito no espaço, a escolha ressalta o aspecto de pobreza e decadência do país.






Com relação ao elenco, ele é fantástico. São atores que transitam muito bem entre o drama e a comédia das experiências vividas, com destaque para Isabel Santos que é uma médica frustrada e solitária, que vive distante dos filhos. Em uma das cenas mais sensíveis, ao falar sobre os filhos, fica claro que ela é uma excelente atriz e foi fundamental para dar um toque diferenciado de uma personagem feminina entre amigos homens. Não menos importantes são as atuações masculinas que evidenciam que há uma trabalho de desenvolvimento de personagens muito claro  e crível. Cada um tem um drama que destaca um aspecto da antiga e atual Cuba: Amadeo ( Nestor Jimenez) voltou do exílio, era um escritor e teve que lidar com as escolhas e as perdas, Eddy (Jorge Perugorría, em excelente atuação) é  o sujeito bem vestido, com  Iphone e viajado, tem  um trabalho duvidoso, provavelmente corrupto mas é  o cara divertido, legal, Aldo (Pedro Julio Díaz Ferran) é um engenheiro negro que hoje vive de trabalho clandestino e tem um filho adolescente, Rafa (Fernando Hechevarria) é o pintor ex-alcoólatra que não conseguiu desenvolver mais seus trabalhos. Através deles e de suas particularidades, o longa é um primoroso trabalho em como desenvolver personagens em um roteiro ágil e bem estruturado.



Com todos esses bons predicativos e  roteiro assinado pelo ótimo romancista Leonardo Padura, o longa representa como fazer cinema na maneira mais espontânea e sincera que há: contar histórias verdadeiras sobre pessoas e como essas histórias ficam na memória de quem conta e de quem ouve e vê. Ao acompanhar a conversa entre os amigos, a melhor memória será a de que a vida segue apesar de todas as desilusões.






Ficha técnica do filme  IMDB Retorno a Ítaca

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière