quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Mostra 2014 : As maravilhas ( LE MERAVIGLIE / The Wonders ) - 2014







Vencedor do Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes, As maravilhas é o segundo longa de ficção de Alice Rohrwacher em uma colaboração com produtores da Itália, Suiça e  Alemanha e resgata a tradição das famílias de fazendeiros locais da Itália e a cultura Etrusca. A narrativa tem uma mistura de fábula com realismo e apresenta a história de uma família de apicultores  que convive com a forma tradicional  do estilo de vida local x as novas possibilidades de vivenciar as experiências mais  contemporâneas como ganhar um prêmio em um programa de TV, realizar uma viagem e aproveitar chances de ganhar dinheiro mais fácil. É uma família peculiar com características disfuncionais, composta pelo rígido pai de origem alemã ( Sam Louwyck), a mãe Angélica (Alba Rohrwacher), a filha primogênita Gelsomina  (Maria Alexandra Lungu), a filha do meio Marinella (Agnese Graziani), duas filhas menores e a tia Cocò (Sabine Timoteo). 


O longa expõe os esforços da família para trabalhar e sobreviver com a produção de mel e é muito realista na maneira como foi dirigido. É como pegar a câmera, tornar o roteiro o menos planejado possível e observar a rigidez do pai ao colocar todas as filhas para trabalhar, principalmente Gelsomina que é a cabeça da casa apesar da pouca idade. Ela é a representação da jovem que não teve a infância desejada. Ela continua trabalhando na adolescência em um esforço arriscado e duro como o de trabalhar no meio de abelhas e ser picada a qualquer momento. Com a ótima atuação de Louwyck, seu pai é um homem trabalhador para o qual o trabalho é a prioridade número 1. Ele confia integralmente em Gesolmina o que evidencia o peso da responsabilidade imposto sob ela. Ele também tem dificuldades de comunicação adequada com os filhos, tanto que em uma das cenas mais interessantes e na qual ele tem uma exposição midiática, fica evidente seu próprio drama pessoal de ser um homem das antigas, não acostumado à nova postura exigida pelo mundo contemporâneo.   





O contraponto entre  Gesolmina que desperta em si o desejo de realizar suas próprias vontades  e o seu tradicional pai  aprofunda um pouco mais a história e a dramaturgia dos personagens. Consequentemente, esse filme é muito bonito na proposta da jovem protagonista. Ela é como uma heroína juvenil que precisa ter um sonho, tentar realizá-lo e voltar as origens. O longa revela como ela é uma garota comum e mais tímida, mas capaz de liderar o negócio da família e ser confiável. Em  muitas cenas, ela é solicitada como uma pessoa que decide e com a qual o pai se importa. A inclusão de um prêmio de TV chamado "País das maravilhas" traz mais dinamismo à narrativa e tira Gesolmina de sua zona de conforto. É possível sonhar ao ver os cabelos de fada e beleza da apresentadora Milly (Monica Belucci). É possível sonhar ao arriscar-se em uma premiação que pode tirá-la dali. É possível sonhar ao  ver uma chance de ganhar um dinheiro adicional e melhorar o negócio da família. 



Apesar de que há uma atmosfera triste, quase trágica em seu dia a dia pois revela a sua juventude solitária sob as rédeas de muito trabalho e responsabilidades,  Gesolmina é uma protagonista que reacende o sonho e as metáforas emblemáticas em cena como, por exemplo,  a sua relação com as abelhas capazes de dar-lhe o sustento, de picá-la e de caminhar em seu rosto como uma poesia visual. Assim, o filme nos apresenta essa fábula interiorana com seus momentos líricos e realistas, com uma jovem que tem nome nascido no Cinema Italiano da saudosa Giulietta Masiva. As cenas são possibilidades de entrar no mundo de Gesolmina e se perguntar : será que existe um país das maravilhas? Onde estão nossas verdadeiras maravilhas?





Ficha técnica do filme ImDB As Maravilhas




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière