quinta-feira, 17 de junho de 2010

Querido John (Dear John) - 2010



O escritor americano Nicholas Sparks, autor do apaixonante best seller Diário de uma Paixão, adaptado para a tela grande em 2004 e reconhecido com uma das histórias de amor mais comoventes do século XXI, retorna à cena cinematográfica após Noites de Tormenta. Desta vez, o novo longa-metragem adaptado é Querido John, drama romântico com os belos Channing Tatum e Amanda Seyfried que atuam, respectivamente, como o soldado John Tyree e a universitária Savannah Curtis, um casal que se apaixona intensamente durante as férias da jovem em uma linda praia, e é separado assim que John parte para missões de Guerra. Com juras de amor que prometem superar a dor da distância e manter a chama da paixão acesa, John e Savannah se comprometem a escrever um ao outro, levando o relacionamento através de cartas por anos e anos, e se reencontram quando possível. Neste elenco, além da beleza, química e carisma do jovem e promissor casal de atores, Querido John destaca a ilustre presença de Richard Jenkins (de O Visitante) que interpreta o pai de John, Senhor Tyree, um autista colecionador de moedas, e Henry Thomas (o saudoso Elliott de E. T o Extraterrestre) no papel de Tim, amigo íntimo de Savannah.






Muito da agradabilidade deste romance é a direção do talentoso sueco Lasse Hallström, um cineasta com um background de excelência profissional em filmes bem superiores como os ótimos Minha vida de cachorro, Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador e Regras da Vida. Ao assistir um filme comercialmente romântico como Querido John sob a direção de Hallström, a primeira certeza é a de que a presença do cineasta e seu bom gosto engrandece a película, preenchendo as lacunas de um roteiro baseado na recorrente e previsível fórmula romântica dramática de Nicholas Sparks. É exatamente isto que acontece. Hallström o dirige de uma forma bem refinada em comparação à estória "água com açucar", evitando ao máximo o sentimentalismo barato de um amor à distância, e agregando mais valor ao longa. Aliás, o diretor já havia valorizado outro filme de roteiro simples o qual, com sua câmera, se tornou bem mais interessante: Sempre ao seu lado, com Richard Gere e o cão Hachicko tem um visual bem contemplativo. Em Querido John, a câmera de Hallström trabalha com planos de imagens que mais parecem, em alguns momentos, paisagens líricas, tamanha a veia poeticamente realista com a qual ele dirige, e somado à sua competente direção, há um primoroso trabalho de fotografia de Terry Stacey que dá vida e ambienta o romance em um interiorano e belo cenário. As imagens de Guerra não chegam a ser brutais, viscerais, mantendo uma estética visual mais compatível com a tranquilidade das cenas na qual os apaixonados estão juntos e/ou com suas famílias na América, e combina bem a contemporaneidade do ambiente bélico o qual está relacionado à época do 11 de Setembro.





Com relação ao enredo sob o prisma do exacerbado romantismo, ele deixa a desejar em comparação a outros romances de Sparks porque parte da premissa que este casal tem um relacionamento à distância, separados por uma guerra, o que implica que o espectador não os verá muito aos beijos e abraços, e muito menos em uma narrativa que prioriza ações deles juntos com uma forte carga emocional. Aqui, o previsível do romance é que haja a imprevisibilidade local e temporal para que eles fiquem definitivamente juntos. Neste ponto, o filme perde um pouco do encanto de ser ver um lindo casal em cena, e já é sofrido por natureza. Afinal, como filmar um romance por cartas? Como conviver com o medo de perder o amado em uma guerra? Prosseguir ou não em um relacionamento à distância? Eis a questão; e este processo é cansativo, deprimente, tende a distanciar os amantes, por isso, em um dado momento, há o natural desencontro do casal, a dúvida é latente, a escrita não substitui o diálogo falado, nem o calor físico de um abraço apaixonado e muito menos o olhar que diz tudo. Mais tarde, há o reencontro e a reviravolta com os reais motivos da separação e, neste aspecto, a razão é nobre e familiar, então existe um senso de humanidade, de renúncia pessoal e de transformação neste romance, que vale a pena ser conferido. Amanda Seyfried faz o trabalho básico de interpretação sem performar tudo de que ela é capaz, e Channing Tatum atua de uma maneira um pouco mais espontânea, mais à vontade, mais madura projetando melhor sua carreira neste filme do que em trabalhos anteriores como Veia de Lutador e Se ela dança eu danço. Ambos combinaram bem, são bonitos fisicamente e tornam a história de amor mais bela, desejável aos olhos e ao coração. No mais, além da fotografia e da direção, a primordial e intríseca virtude em Querido John é a atuação sensível e sempre brilhante de Richard Jenkins como um homem de natureza acanhada, sofrida, preso em seu próprio mundo autista, solitário. Ele é o principal diferencial do elenco em um papel coadjuvante que tem qualidade e louvores de principal, e é com Jenkins que o filme tem o seu momento mais comovente, digno de arrancar lágrimas que merecem ser derramadas.


Avaliação MaDame Lumière



Título original: Dear John
Origem: EUA
Gênero: Romance
Duração: 105 min
Diretor(a): Lasse Hallström
Roteirista: Jamie Linden, baseado no romance Dear John de Nicholas Sparks
Elenco: Jennifer Lopez, Alex O'Loughlin, Michaela Watkins, Eric Christian Olsen, Anthony Anderson, Noureen DeWulf, Melissa McCarthy, Tom Bosley, Maribeth Monroe, Danneel Harris, Robert Klein, Linda Lavin, Carlease Burke, Amy Block, Jennifer Elise Cox

4 comentários:

  1. Parece mesmo interessante, e tem feito sucesso nas bilheterias americanas. Quero conferir logo. Agora, Amanda Seyfried, heim? Tá com tudo e mais um pouco.

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha Madame (como de costume, rs).
    Bem, queria muito ver o filme e em várias vezes fui para o cinema conferir, mas nunca cheguei a entrar na sala pra ver, rs
    Sei lá algo me dizia :"Não vale a pena.."
    Mas quando sair em DVD eu vou ver!
    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Lasse Hallstrom + trama baseada em livro de Nicholas Sparks = filme que quero MUITO conferir. Sou fascinada por filmes românticos e minha única expectativa em relação à "Querido John" é que ele tenha um final feliz, ao contrário dos outros longas baseados em livros do Nicholas Sparks! :)

    ResponderExcluir
  4. E aí Madame... como vão as coisas?

    Sabe, esse é um tipo de filme que não chama muito a minha atenção, mas pelo fato de ter o Jenkisn e como você disse, ele oferecer o momento mais comovente do filme, passei a ter vontade de assistir. Sou fã do cara.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière