sexta-feira, 4 de junho de 2010

James Cameron e Avatar: Comprometimento Sócio-Ambiental ou propaganda Cameroncêntrica?


Embora seja fã confessa de Avatar, evitei ao máximo falar sobre James Cameron e Avatar além da resenha já escrita, mas foi impossível não trazer ao meu leitor uma reflexão sobre o aclamado diretor e o seu sócio-ambientalista metafórico filme. A intenção do post não é ludibriar este tão querido diretor, mas pensarmos como ele é bem estratégico em rodar um filme como Avatar e se envolver em causas ambientalistas militantes. Ultimamente ele tem feito bastante isso e, muitas vezes o seu comportamento desagrada outros profissioais envolvidos nestas agendas . Pois bem, James Cameron e Avatar insistem em me perseguir e, nas duas últimas semanas, apareceram em dois momentos distintos. No primeiro, estava eu na recepção de uma consultoria prestes a começar uma reunião e vejo, ao meu lado, a revista Bravo de Maio com a seguinte chamada: "James Cameron - Avatar é aqui : Por que artistas como James Cameron defendem causas como as dos índios do Xingu? E qual o efeito prático desse apoio?". Comecei a folhear a revista que citava a vinda de James Cameron ao Brasil na qual ele plantou uma árvore no Parque do Ibirapuera e, depois viajou foi defender os Índios Xingu que estão ameaçados de ver suas terras sofrendo um impacto ambiental devastador com a construção de Belo Monte. Sem muito limites, a militância de James Cameron chegou ao insano ponto de involver até mesmo a Casa Branca e o Presidente Americano Barack Obama em assuntos que realmente só cabem ao governo Brasileiro. Tal comportamento despertou a indignação nacional e lança a seguinte dúvida: Ao visitar o Brasil após o lançamento de Avatar e se envolver de forma tão empenhada em assuntos nacionais além do necessário, James Cameron demonstrou um Comprometimento Sócio-Ambiental ou fez uma propaganda Cameroncêntrica? Para quem já disse uma vez que é o Rei do Mundo e tem o ego que faz jus ao sucesso do seu recente blockbuster, James Cameron pode não ser tão confiável como as pessoas imaginam.





O segundo momento da semana foi quando percebi como James Cameron e Avatar são idolatrados por militantes que compartilham da visão do diretor, chegando ao ponto de eu ouvir deles que Pandora e a Amazônia têm a mesma luta, que tem as mesmas dores e que eles choram por tudo isso. Não sou contra esta opinião porque tenho um senso de justiça bastante anti-mercantilista para alguns temas, porém o que me chama a atenção é como o filme de Cameron é hype dos militantes ambientalistas que tem também um pé nesta busca espiritual através da natureza. Estava eu conversando com um amigo Francês o qual tem muitas semelhanças com o discurso avatariano de Cameron. Ele é muito empenhado na descoberta do seu eu através da Natureza, envolvido nos impactos ambientais das mudanças climáticas e totalmente averso ao capitalismo selvagem do homem, além disso ele gosta de cultos shamânicos como o que aconteceu em Pandora. Basicamente ele é da trupe do Cameron e se emociona com Avatar. Até aí, não há problemas porque eu também sou pró-natureza e pró-bem estar espiritual mas observe o poder de imagem de James Cameron e Avatar sobre os ideais de alguns ambientalistas e espiritualizados na mãe Natureza, normalmente pessoas muito inteligentes e bem esclarecidas que não se apegam a qualquer propaganda publicitária. A questão chave é voltar ao que a Revista Bravo expõe sobre a matéria acima e perceber como Avatar pode ser um filme bem autoral de quem é James Cameron e onde ele quer chegar com sua imagem publicitária. Brilhantemente, a Revista compara as semelhanças entre James Cameron e Jake Sully, Amazônia e Pandora, a defesa das terras dos ìndios Xingus e a defesa da Floresta dos Nav'is. Após ver este pequeno quadro comparativo, fiquei a pensar: Será que James Cameron é genuinamente bem intencionado com os valores ambientalistas ou sua prioridade maior é massagear o seu ego e vender mais ainda sua imagem narcísica ? Uma verdade pode ser dita: Jake Sully pode ser um alter-ego de James Cameron, a sua representação engajadamente militante em Avatar. Não nego que gosto de Titanic e Avatar, duas de suas grandes megaproduções e aprecio o seu perfeccionismo profissional e seu estilo visionário, mas por um momento fiquei a pensar se James Cameron valoriza mais as questões ambientais e humanas em detrimento ao seu sucesso pessoal. Não há problema em valorizar o ego, mas servir-se de grandes causas, nobres ideais para promover a si próprio é um comportamento mesquinho e ofusca a beleza que é Avatar, a beleza que é trabalhar com Cinema em prol de um processo de sensibilização e educação do público.


Para ver o texto da Bravo Online, clique aqui
Caro Leitor, o que você acha?
James Cameron é um honesto idealista

ou um espertalhão diretor marketeiro pessoal?

12 comentários:

  1. Queridos leitores,

    Postei este link na comunidade do Orkut "CINEMA CLASSE A" do meu colega ALAN. Vocês são bem vindos para ir lá e expor sua opinião no tópico "AVATAR". Está rolando um fórum muito legal após este meu link lá porque os cinéfilos orkutianos estão se manifestando... Obrigada a todos por expor suas opiniões" Vou copiar e colar aqui o porque fiz esta provocação.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Palavras de MaDame

    "Na verdade, meu post foi para provocar uma discussão mesmo e não mostrar respostas , mostrar que ele está sendo estratégico sim... eu não acho ruim o Cameron ser estratégico para vender a imagem dele contato que ele realmente seja catalisado por questões ambientalistas de coração entregue e não por hipocrisia... só que ele me deixa muito com a pulga atrás da areia porque já é sabido que ele é o ego puro em pessoa. Além disso condeno o fato de vender AVATAR como bandeira sócio ambiental, acho que é um filme que deve ser admirado como Cinema, primeiramente e, só depois, como um recurso bom que passa uma mensagem de vitória no final, afinal não compensa destruir nossa própria terra, pois destruiremos a nós mesmos.

    De maneira geral, não podemos nos esquecer que
    AVATAR e´um blockbuster e ele combina bem com o momento que estamos vivendo, uma natureza cada vez mais detonada pelas mãos dos homens... Cameron foi esperto, ele uniu causa + din din$$$$ e mais uma vez arrebentou na bilheteria."


    Cameron pode até ser um honesto idealista mas ele é esperto também para promovr sua imagem.

    bjs!

    ResponderExcluir
  3. Palavras de MaDame


    Eu acho que James Cameron também tem uma necessidade de ser herói, seu Narciso colabora para tal façanha. O JACK de Titanic também era um tipo de bom moço, heróico, salvando por amor. E ele gritou: "EU SOU O REI DO MUNDO", não?

    O Jake Sully combina muito bem com James Cameron, só que é mais bonito, é claro! rs... Como bem colocado pela Bravo, realmente ele quer salvar a Floresta, né? Até culto shamânico Cameron teve coragem de colocar na boa, como fazem os grandes líderes nativistas de comunidades indígenas. Honestamente? Ele está vendendo a imagem heróico do cara da mãe natureza. Esta semana ele já participou de uma reunião sobre derramamento do óleo. Avatar à parte, Cameron está fazendo o pós-trabalho do filme, se promovendo e alinhando a isso sua "responsabilidade social".

    E como sustentabilidade, ecologia, responsabilidae sócio-ambiental é a bola da vez, ele pode ser uma referência ainda maior. Será isso um preparo para AVATAR 2?(se é que existe um Avatar 2)...


    bjs!

    ResponderExcluir
  4. palavras de MaDame

    Então, não há que negar que ele é PHD em marketing pessoal. Ele pode até pegar uma idéia preconcebida e fazê-la do seu jeito, como algumas pessoas compararam a idéia colonista de Avatar com Pocahontas (rs), mas temos que assumir que ele sabe se promover e ele arranca muita grana, galera. Quem paga a conta é a gente!


    Titanic e Avatar me pegam pela questão do romance e pelo idealismo, não por outras questões. Sabe como é mulher, né? rsrs... no mais, acho que Cameron sabe fazer filme pra vender, ele consegue projetar uma imagem de muito sucesso mesmo que o filme deixe a desejar.

    ResponderExcluir
  5. É um belo questionamento, MaDame. Vai saber quais as intenções que se passam debaixo daquela penugem branca de Cameron! xD

    acredito que ele use essa imagem de salvador ambientalista como autopromoção de si mesmo, mas não exclusivamente. Parece ser um cara bem intencionado, compromissado mesmo com as questões ambientalistas etc. Uma coisa leva à outra, nesse caso. Só o tempo (e a mídia) dirá se a relação Cameron X meio ambiente não passa de automerchan ou realmente é algo a ser levado a sério.


    abs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Elton,

    Obrigada pela sua contribuição.

    Você pensa exatamente como eu. Eu acho que ele une estes dois lados: o comercial e o idealista e, claro, apara as arestas. Espero que ele consiga resultados concretos em sua militância e consiga desvincular estas comparações avatarianas.

    Abs!

    ResponderExcluir
  7. Acho interessante um cara de peso como ele estar por trás das questões ambientalistas. Não me importo muito se ele quer apenas se promover com isso, mas acredito que não a intenção dele.

    Sei que o assunto não é o filme em si, mas recentemente assisti ao filme em DVD e a experiêcia foi frustrante. Será que só funciona no IMAX ou que estava num dia ruim?

    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Ótima discussão, Madame! Olha, ser ambientalista está na moda em Hollywood. São vários astros, estrelas que querem contribuir com a causa, falando sobre um ideal de vida menos danoso ao meio-ambiente. Eu acho que "Avatar" tem muito desse ideal, mas até onde isso é sincero da parte do James Cameron, sinceramente, não sei!

    ResponderExcluir
  9. Que ele é esperto e ambicioso não há dúvida, mas vejo "Avatar" como arte - puro e simplesmente.

    ResponderExcluir
  10. Oi Bruno,
    Concordo contigo. Acho que as celebridades têm que ser realmente menos "inúteis" e usarem suas figuras públicas em favor de nobres causas, contanto, é claro que seja de corpo e alma. Não há pior coisa do que fazer "média" na mídia, não é mesmo? Soa muito fake. Eu acho que James Cameron aproveita os dois momentos e ele não está errado nisso. Ele tem que promover a imagem dele, só que de boa intenção "o inferno tá cheio, né" hahaha... Espero que ele esteja sendo verdadeiro.

    Pois é , queridão, assisti Avatar em DVD e a experiência é 2 D mesmo, mas como eu já tinha provado das duas dimensões, então não fiquei tão frustada. Eu ouvi um boato de que o 3 D em "TV" só virá quando houver uma parceria entre James Cameron e uma marca de eletrônicos. Só Deus sabe o que o coroa tá tramando, só sei que o filme perde muito de sua magia, mas continua agradável porque eu gosto do romance e do visual geral independente do 3D, como já falei antes.

    bjs!

    ResponderExcluir
  11. Obrigada Kamila. Exatamente, ser ambientalista é fashion, adotar crianças estrangeiras de país pobres também... então tudo isso é muito bem vindo contanto que seja genuíno.

    Eu também nao desvinculo a imagem idealista de Avatar. Acho que Cameron sabia o que estava fazendo, só não me lembro se ele já era tão "militante" antes de Avatar. Esta é a questão!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Wally, Falou tudo! Se eu tivesse no lugar dele também seria ambiciosa, mas usaria meu sucesso para conseguir conquistas nas causas ambientais e sociais.

    Imagine o poder alavancador de um AVATAR 2 se ele continuar esta militância? haha...

    bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière