sexta-feira, 25 de junho de 2010

Cartas para Julieta (Letters to Juliet) - 2010




Cartas para Julieta é mais um filme estrelado pela hype blondie girl do momento: Amanda Seyfried; porém desta vez, ela não é o principal atrativo desta comédia romântica ambientada em sublimes e bem fotografadas paisagens de Verona. O romance conta com a presença ilustre de Vanessa Redgrave que dá elegância, beleza, talento, peso e luz a um longa-metragem que poderia ser mais uma história de amor com início, meio e fim previsíveis. Com a Senhora Redgrave em busca de um antigo amor e uma cenografia iluminada, quase solar em uma Itália inspiradora, Cartas para Julieta se torna uma comédia romântica agradabilíssima a qual revisita uma das personagens mais clássicas do romantismo literário e cinematográfico Julieta Capuleto, a heroína Veronense de William Shakespeare. A película ainda conta com um formoso elenco com Gael García Bernal, Christopher Egan e Franco Nero e tem a direção de um cineasta com prévia experiência em comédias, Gary Winick (de De Repente 30 e Noivas em Guerra) e José Rivera, um roteirista que já escreveu textos com imagens 'on the road' e trabalhou com Bernal em Diários de Motocicleta. Juntamente com o brilho extra de Redgrave, a carismática presença de Seyfried, o roteiro gracioso sobre a força do Poder do Amor, a cativante e empolgante trilha sonora e belas paisagens de uma viagem pela Itália englobam as virtudes principais deste filme.






No enredo, Sophie (Amanda Seyfried) é uma jovem americana 'checadora de fatos' do mercado editorial e sonha em ser reconhecida como escritora, porém ainda não teve a chance para realizar tal desejo. Noiva de um 'fanático por culinária' chef de cozinha, Victor (Gael García Bernal), eles viajam para Verona para desfrutar uma pré lua de mel. Ao chegarem lá, Victor só se interessa em conhecer fornecedores de vinhos, alimentos e participar de atividades relacionadas à sua paixão por gastronomia. Sendo uma noiva bem tolerante, Sophie decide fazer passeios turísticos sozinha e, em um de seus passeios, encontra o muro da Casa da Julieta no qual apaixonadas do mundo inteiro visitam-o para escrever cartas e pedir conselhos à Julieta Shakespeariana. As cartas são respondidas pelas Secretárias de Julieta, um grupo de italianas as quais Sophie conhece. Em uma das ajudas prestadas às secretárias, Sophie encontra no muro uma carta antiga, escrita há 50 anos atrás na qual Claire Whyman(Vanessa Redgrave) fala de seu antigo amor por Lorenzo (Franco Nero). Sophie responde a carta e, Claire decide visitar Verona com seu neto, o jovem Charlie (Christopher Egan). Começa a jornada de busca por Lorenzo, na qual Claire, Charlie e Sophie se aproximam como amigos, embarcam em uma viagem pela Itália e têm suas vidas mudadas em nome do Amor.





Cartas para Julieta é uma comédia romântica na qual há duas histórias de amor paralelas, uma antiga entre Claire e Lorenzo e uma que renasce entre Charlie e Sophie. O que interessa aqui é aferir como as duas histórias de amor se complementam na qual os mais jovens se conhecem e se apaixonam a partir de um amor de outra época que nem o tempo destruiu, por isso elas se fundem e tornam o romance mais interessante, como se a audiência torcesse duplamente pelo sucesso do amor; porém há os percalços naturais desta jornada: Claire encontrará Lorenzo em quais condições? Estará ele casado? Estará ele morto? Estará ele distante da Itália? Lorenzo perdoará Claire?... Por outro lado, Charlie declarará seu amor a Sophie? Sophie ficará ao lado de Victor? Charlie e Sophie fugirão um do outro assim como Claire abandonou Lorenzo no passado? À medida que surgem algumas cenas esclarecedoras, há um ponto de intersecção entre estas histórias que é uma grande lição amorosa: ' Não deixe para trás o amor que tem que ser vivido porque talvez um dia você encontre este amor e seja feliz com ele, mas é bem provável que o destino seja mal com você e você não o encontre mais. Tudo pode acontecer, mas não deixe de acreditar no poder do Amor'. Embora o filme reforce este poder, a esperança neste sentimento grandioso que nem o efeito cronológico abate, este longa-metragem é sobre escolhas amorosas que nascem a partir do coração e que precisam de um pouco de razão para não deixar o amor se perder no tempo; em Cartas para Julieta, o amor é a prioridade, mesmo que seja para pedir perdão por um passado que tinha que acontecer e não pôde ser mudado, afinal tudo tem um propósito nesta vida.






Inspirado no livro 'Letters to Juliet: Celebrating Shakespeare's Greatest Heroine, the Magical City of Verona, and the Power of Love', a película tem a previsibilidade dos desfechos das comédias românticas, porém não deve ser criticada por seguir a cartilha do gênero. O componente da heroína Julieta é bem encarnado por Sophie porque foi a partir dela e de seu otimismo que Claire foi em busca do amor, teve suas 'preces' respondidas por Julieta. Em momento algum Sophie deixou de acreditar no reencontro de Claire e Lorenzo e contribuiu muito para que a jornada em busca do amor não se findasse a toa, por isso ela se torna um cupido Shakespeariano, uma Santa Capuleto para qual 'o amor não teme o tempo(1)'. E Sophie tem o seu Romeu, que não é Victor, o típico egoísta que não dá atenção à noiva a dispensando em uma lua de mel. Sophie tem Charlie que, no início do filme, faz jus ao "antes de te amar, eu te odiei", mas depois cede aos encantos da bela loira. Christopher Egan que ainda tem uma interpretação imatura e não teve a chance de diferenciados papéis, garante alguns bons momentos de riso à platéia com um humor britânico que parece imitar o de Hugh Grant, Amanda Seyfried encarna a delicada e gentil mocinha que foi abandonada pela mãe e acredita no romance, Franco Nero é o côroa bonitão que aparece como um italiano príncipe galopante em um belo cavalo, Gael García Bernal faz a ponta do simpático noivo que só pensa no próprio umbigo, então as atuações são medianas. Cabe a uma estrela de máxima grandeza, Vanessa Redgrave, o brilho maior. O primor do elenco é a veterana que brinda a audiência com seu magnífico poder de cena, um poder que ela exerce somente com a sua natural sofisticação e seus brilhantes olhos azuis que, a propósito, combinam muito bem com uma ensolarada Itália e com o céu azul da Dolce Vita que só o Amor pode trazer.


Avaliação MaDame Lumière


De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor

Se quando encontra obstáculos se altera,

Ou se vacila ao mínimo temor.

Amor é um marco eterno, dominante,

Que encara a tempestade com bravura;

É astro que norteia a vela errante,

Cujo valor se ignora, lá na altura.

Amor não teme o tempo, muito embora

Seu alfange não poupe a mocidade;

Amor não se transforma de hora em hora,

Antes se afirma para a eternidade.

Se isso é falso, e que é falso alguém provou,

Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou

(Shakespeare)1


Caro leitor,
você sabia que Franco Nero e Vanessa Redgrave se
conheceram na década de 60 e tiveram um filho juntos?
O diretor Carlo Gabriel Nero.
Será que o affair na vida real está de volta?
Eles já tiveram recaídas em alguns anos atrás.
Eles formam um lindo casal!
Torço pela felicidade de Redgrave porque ela já perdeu a filha, Natasha Richardson, a falecida atriz e esposa de Liam Neesom e também perdeu 2 irmãos , vítimas de câncer, os atores Lynn Redgrave e Corin Redgrave. Vê-la performando bem em Cartas para Julieta demonstra que ela é uma mulher maravilhosa, que tem superado estas perdas.

MaDame Lumière deseja muito amor à vida de Vanessa Redgrave.



Título original: Letters to Juliet
Origem: EUA
Gênero: Comédia Romântica, Romance, Comédia
Duração: 105 min
Diretor(a): Gary Winick
Roteirista: Jose Rivera, Tim Sullivan
Elenco: Amanda Seyfried, Marcia DeBonis, Gael García Bernal, Giordano Formenti, Paolo Arvedi, Dario Conti, Daniel Baldock, Ivana Lotito, Luisa Ranieri, Marina Massironi, Lidia Biondi, Milena Vukotic, Luisa De Santis, Christopher Egan, Vanessa Redgrave

2 comentários:

  1. Copiando aqui a resposta que dei a um cinéfilo. Por que acho que Vanessa Redgrave, uma estrela do primeiro escalão esta em uma comedinha romântica?

    ******
    Resposta: Penso que Vanessa Redgrave só aceitou este convite porque o filme tem um certo bom gosto, sabia? Vc vai notar pela fotografia, pelas locações Veronenses... realmente o visual é diferenciado.

    Outra suposta explicação para tê-la aqui é porque é uma Senhora bem madura, e há um amor maduro de mais de 50 anos aqui. Quem mais poderia fazê-lo com o clima requintado da Italia?

    Eu não consigo pensar em ninguém mais que não seja ela, Streep as quais penso serem mais ligadas à comédia e/ou romance, cuja elegância e carisma se encaixam bem no ambiente mais "europeu" desta comédia.

    Diane Keaton? Hmm... talvez, mas a acho muito mais propícia a uma comédia em solo americano, como as que ela já atuou.

    Helen Mirren? Talvez, mas acho que ela combina bem melhor com dramas. A cara dela tem um expressão bem mais pesada.


    Achei a escolha de Redgrave muito certeira. Ela combina bem com este clima italiano e romântico e, ao lado do seu ex-love, ficou bem melhor. Ela é uma senhora ultraelegante, belíssima e cria um processo de identificação com a audiência mais "idosa" que valoriza o amor. Na sala onde vi a exibição tinha várias senhorinhas que ficavam cochichando e dando risadinhas,rs!

    abs!

    MaDame

    ResponderExcluir
  2. Fiquei com muita vontade de conferir este filme, estou precisando ver um romance leve, rs
    Gosto muito da Seyfried, Bernal e claro da Redgrave, essa atriz é um dos motivos pelo meu interesse ao filme.
    Enfim, ótimo post Madame!
    Abs.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière