segunda-feira, 10 de maio de 2010

MaDame Teen: A garota de rosa shocking (Pretty in Pink) - 1986


MaDame Teen:

Coletânea de filmes dos anos 80
que marcaram minha (pré)adolescência





A garota de rosa shocking, uma produção de John Hughes, diretor e roteirista que marcou muito os anos 80 com filmes com o público adolescente, entre as quais, Curtindo a vida adoidado e Clube dos Cinco, é um filme que deixa minha vida mais pink and blue a cada vez que eu o assisto. Contemplar o apaixonado casal pertencente a classes sociais distintas, Andie Walsh (a eterna diva teen Molly Ringwald) e Blane McDonnagh (Andrew McCarthy) é um deleite para toda adolescente que, alguma vez no colégio, se apaixonou pelo cara mais lindo e inacessível, se sentiu uma garota desprovida de popularidade e dinheiro para frequentar festas bacanas e vestir roupas da moda ou foi a autêntica aluna mais inteligente da classe, dona de uma personalidade à frente do seu tempo. Andie, a heroína que gosta e se veste de cor de rosa é a adolescente americana da década de 80, integrante de uma classe social menos favorecida: pobre, abandonada pela mãe, criada pelo pai desempregado, bolsista em uma escola de ricos e inteligente e sensata o suficiente para lutar pelos seus objetivos, Andie é um icône do conto de fadas adolescente nos anos 80.




Ela se apaixona por Blane e é correspondida em seu amor, no entanto, a resistência do relacionamento na película é bem marcada no roteiro e típico de uma espécie de "estética" do Cinema de John Hughes para o público teen: há uma problemática social nos romances. O amigo rico e arrogante de Blane, Steff (James Spader) não consegue "comprar" Andie que o ignora, logo Steff desqualifica Andie influenciando Blane a não se relacionar com ela e a humilhando sempre que possível. Por outro lado, Blane é o jovem bom com um senso de humildade "social", porém, é o " filhinho de papai influenciado pelo meio em que vive", inseguro e um tanto medroso para encarar a sociedade namorando uma garota pobre. Por outro lado, Duckie (Jon Cryer) é o melhor amigo de Andie e é apaixonado por ela. Divertido, nada estudioso e, aparentemente, seguro de si, ele é o representante fiel do cara pobre que se autovaloriza como uma manobra comportamental para não ficar "por baixo" dos ricos, como forma de escapar à dura realidade. Através dos diálogos tanto entre ricos como entre pobres, fica evidente de que há um processo de exclusão que não é só o do rico que exclui o pobre, mas do pobre que não se sente à vontade para adentrar o universo dos ricos: o baile na casa de Steff, no qual Andie não está à vontade para ir; o diálogo no qual Duckie fala a Andie que Blane é igual aos outros ricaços a alertando de que aquele mundo não pertence a ela; a preocupação de Andie com o baile de formatura e o vestido a usar assim como saber se Blane irá ou não com ela, enfim, há alguns padrões que se repetem em outros filmes dessa categoria, mas o mais importante é o entretenimento leve que revela ter mais conteúdo crítico do que esperado.





Com um figurino cool da cultura pop, desde os blazers dos playboys até a miscelânea criativa dos figurinos feitos por Andie e o estilo punk pop da amiga de Andie, Iona (Annie Potts), A garota de rosa shocking não é somente uma comédia romântica despretensiosa. Ela representa um trabalho antropológico de John Hughes sobre os anseios, medos e dilemas dos adolescentes americanos nos anos 80 que vão desde o amor até a vida acadêmica; jovens que buscam seu lugar no mundo e desejam ser aceitos da forma que são, sem etiquetas sociais que os rotulem. Além da hilária interpretação de Jon Cryer, o adorável e fiel amigo Duckie que toda garota gostaria de ter, em especial, nas piores horas do dia, Molly Ringwald faz uma interpretação excelente da adolescente de origem pobre, mas que tem um senso de responsabilidade e maturidade que a move a não ser humilhada e a seguir suas próprias escolhas, além disso ela se apaixona por um homem rico, não por interesse, mas de coração aberto, disposta a aguentar a imposição da sociedade com o ímpeto que alguns adolescentes têm. As cenas mais finais, que vão da preparação para o baile de formatura até o baile em si exemplificam que ela amadureceu nessa problemática relação amorosa, mas não somente ela. Duckie e Blane evoluiram na forma de pensar e demonstraram em seus comportamentos a reviravolta esperada a qual contribue para afirmar o objetivo social da película de John Hughes, logo A garota de rosa shocking é um filme que não é cor de rosa à toa, é para tornar a vida mais cor de rosa, para celebrar o amor, a amizade, a tolerância e a confiança em nós mesmos e no outro.


5 Cenas mais nostálgicas:
Quando Duckie canta Try a little tenderness para Andie
Quando Andie discute com o pai dela sobre o abandono da mãe e eles choram
Quando Duckie encontra Andie na escadaria no baile de formatura
Quando Blane diz uma boa verdade na cara de Steff no baile de formatura
Quando Blane e Andie se encontram no baile de formatura e se beijam

Sonho de uma adolescente
Amava o sorriso e os olhos claros de Andrey McCarthy,
sonhava em beijá-lo e namorar com ele


Avaliação MaDame Lumière



Título original: Pretty in Pink
Origem: EUA
Gênero: Comédia, Romance, Comédia romântica
Duração: 96 min
Diretor(a): Howard Deutch
Roteirista(s): John Hughes
Elenco: Molly Ringwald, Harry Dean Stanton, Jon Cryer, James Spader, Annie Potts, James Spader, Andrew McCarthy, Jim Haynie, Alexa Kenin, Kate Vernon, Andrew 'Dice' Clay, Emily Longstreth, Margaret Colin, Jamie Anders, Gina Gershon




Vote no Cinema da MaDame Lumière
Votação já está no AR!!!

4 comentários:

  1. To tentando puxar este filme em minha memória. Eu sei que eu vi, mas não me lembro dele. Pode isso ?! rs
    Filmes 80 é um barato !
    UAHSUHAHSUAUSA

    ResponderExcluir
  2. Eu adorava Andrey McCarthy neste filme..tinha um misto de inocencia velada..algo meio sexual já havia nele, ainda que muitos não concordem...

    Vi este filme apenas uma única vez, preciso revê-lo pois é delicioso e nostálgico!

    Pra mim a melhor casadinha de Hughes com Molly Ringwald, sem sombra de dúvida, foi O CLUBE DOS CINCO! e eu espero que ele esteja, incluso, nesta sua seção Madame Teen!

    Mas, é criativa essa Madame, viu? Quando crescer, quero ter um blog que nem o teu! rs

    Beijo

    Ps: já votei 3 vezes no teu blog! dois emails diferentes e pedi a um amigo pra votar em ti, ok?

    ResponderExcluir
  3. Oi Alan,
    Assista esse filme. É uma produção muito simples em termos de roteiro, até pueril, mas é tão gostosa de ver que a gente sente muita saudade dos anos 80.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi meu amoreco,
    Também adorava o Andrew McCarthy. Ele adentrou minhas fantasias teens (e muito) exatamente pelos motivos que você comentaste. Uma cara de bobinho inocente desajeitado com uma pulsão sexy de uma MaDame teen que podería dominá-lo hahaha... AMO!

    Sim, assista-o novamente. Uma delícia de ver, dá uma saudade danada de como era bom assistir os filmes de Hughes. Ah, sim. Molly é diva e Clube dos Cinco está na lista.

    Obrigada, anjo! Sou bastante criativa,até no que não presta,haha!

    Ah, pará de besteirinha, viu? Seu blog é maravilhoso.O Apimentário tem uma força própria, um conteúdo único na blogosfera. Parabéns!

    Beijo

    PS: Vou votar em vc dessa forma também. Good idea!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière