domingo, 2 de maio de 2010

Literatura do Cinema: O Primo Basílio de Eça de Queiroz em Primo Basílio de Daniel Filho (2007)



Uma das obras clássicas da Literatura com temática adúltera foi adaptada para o Cinema Brasileiro em 2007, com a filmagem de O Primo Basílio do escritor português Eça de Queiroz, dirigido pelo experiente Daniel Filho e um elenco global que une Débora Falabella, Fábio Asssunção, Reynando Giannecchini e Glória Pires. Ao lado de Madame Bovary, romance Francês de Gustave Flaubert e Dom Casmurro, clássico da Literatura Brasileira de Machado de Assis, Primo Basílio forma o triângulo amoroso da Literatura que enfoca, comparativamente, o adultério nas três obras. Esse romance Português teve bastante influência de Madame Bovary, na incorporação de certos valores sem que se perdesse, da parte influenciada, a autenticidade. Ambos os romances têm como heroínas duas mulheres jovens e casadas, respectivamente Emma e Luísa, que se aventuram em relações de adultério e, ambas, têm uma personalidade frágil que encontra ressonância no caratér frágil da burguesa da época.






Nesse longa-metragem, Luísa (Débora Falabella) é a típica mulher romântica, sonhadora e vulnerável, parte da pequena burguesia vislumbrada para a qual qualquer acontecimento notável a tiraria do tédio.
Enquanto o seu dedicado e apaixonado marido Jorge (Reynaldo Giannecchini), engenheiro, está ocupado com a construção da capital Federal, Brasília, Luísa é uma desocupada. Certo dia, ela encontra o seu atraente e galanteador primo Basílio (Fábio Assunção) e eles se envolvem sexualmente reavivendo os flertes do passado, com direito a cenas calientes típicas de novela global, promessas de fugirem juntos para Paris e encontros em quartos baratos. Só que nenhum adultério é perfeito. Luísa é uma mulher ingênua e "cabeça de vento" que costuma maltratar a empregada Juliana (Glória Pires, em formidável e assustadora atuação) que descobre a traição de Luísa e começa a chantageá-la a contar tudo para Jorge e entrega-lhe a incumbência de realizar os pesados afazeres domésticos. Juliana é uma personagem-chave para denunciar não só a traição e a fragilidade de Luísa mas também a situação decadente de mulheres como ela, meros empregados sem qualquer perspectiva social. Para entender melhor o filme como legado de uma crítica literária social, é necessário ler o livro e compreender porquê Daniel Filho elaborou uma adaptação brasileira que mais parece um folhetim com cara de minissérie global, porém bem dirigido e com um elenco que cumpre o seu papel, com destaque para a melhor atuação do longa, Glória Pires, desconfigurada como a asquerosa e vingativa empregada.






De maneira geral, a vantagem de assistir essa adaptação brasileira é refletir sobre o fundamento da obra literária, em especial nas atitudes de Luísa e Juliana e, como, enfim, elas significaram a pobre mentalidade da sociedade portuguesa na qual o escritor focaliza a ruína de classe e financeira.
No livro O Primo Basílio, Luiza (escrito com z mesmo) vive na capital lisboeta, que é comparada em relação ao romance Flaubert, como equivalente à província francesa. Esta seria uma das influências de Madame Bovary e a incorporação do contexto, neste caso, significaria uma influência que recebida, é transformada por Eça com originalidade. A província é o reino do pequeno burguês no romance de Flaubert. Eça centra o romance na capital Lisboa, como que denunciando a estreiteza do mundo lusitano e o acanhamento da burguesia portuguesa. Eça ataca não somente a classe ao qual Luísa pertence, mas o atraso de Portugal, que está sendo comparado a uma província francesa e não a capital Paris. No enredo, Luiza também pensa em conhecer Paris, que cumpre o papel de metrópole em detrimento a Portugal. O próprio acanhamento do romance é um reflexo do acanhamento do ambiente que ele se passa, na capital de Portugal, país que tem posição periférica dentro da Europa, sem progresso, limitado, por isso o romance tem suas limitações. Luiza encontrará no adultério uma aventura. Ela não tem projetos, é “vazia”. Ter uma heroína como essa em O Primo Basílio, acanha mais ainda o romance, já que ela é representante da burguesia lusitana.





Eça retrata a decadência da instituição do casamento através do adultério. No enredo, vemos personagens desprovidas de virtudes, com sentimentos mesquinhos e fúteis, pensamentos lascivos e promíscuos: Basílio, o malicioso e vulgar janota, que está mais interessado em ter relações com a prima, como mais uma aventura; Luiza, ociosa e romântica, que vê na ausência do marido, a oportunidade de também se aventurar, de ter algo que fazer; Juliana, empregada chantagista, revoltada e frustrada, vê na chantagem a patroa a oportunidade de mudar de vida, Jorge, o marido ridicularizado e fiel mesmo traído, etc. Esses elementos comportamentais são fielmente mantidos na adaptação de Daniel Filho em um contexto Brasil e mais moderno. Além disso, nessa metalinguagem, há outros personagens secundários que completam o quadro social lisboeta: a beata de Dona Felicidade, o intelectualismo vazio de Conselheiro Acácio, etc.),
personagens planos, frágeis psicologicamente e integrantes de uma sociedade atrasada em um mundo profundamente transformado pela Revolução Industrial, o escritor apresenta uma visão pessimista da sociedade portuguesa, a fragilidade da condição humana com suas doenças e vícios. Definitivamente, uma excelente obra, muitas vezes e, infelizmente, subestimada.






Saudações Cinéfilas e Literárias de MaDame Lumière

Até o próximo Literatura no Cinema!

7 comentários:

  1. Até hoje não vi o filme, e fiquei com vontade de assistir, parece bom. já o livro falam que é incrível e etc...
    Acho que vou pegar o livro ! rs
    Abs.

    ResponderExcluir
  2. Este filme, para mim, é a pior investida do Daniel Filho no cinema. Uma obra totalmente equivocada. Adoro a Débora Falabella, mas ela está horrível neste filme, numa performance péssima. Digo o mesmo do Fábio Assunção e do Gianecchini, que é um ator muito fraco, no geral. Somente a Gloria Pires que se salvou, na minha opinião. A performance dela é, de longe, a melhor coisa desse filme.

    ResponderExcluir
  3. Oi Alan: Vale mais a pena ler o livro. Essa adaptação é mediana (tipo 2 estrelas)e vale somente ser conferida pela atuação de Glória Pires e, claro, analisar comportamentos que refletem a obra. bj

    ResponderExcluir
  4. Oi Kamila: Concordo que não é o melhor trabalho dele, mas não posso aferir se é o pior. Acho que é um trabalho regular porque o elenco foi mediano, com exceção de Glória Pires e a obra poderia ter sido aprofundada baseado na crítica do livro. O que acabou se tornando foi um dramalhão adúltero, com uma abordagem mais televisiva do que cinematográfica. Nao acho que a Débora Falabella foi tão ruim penso que ela foi dramática e vazia(o que ficou mais evidente no declínio dela após a descoberta da traição pelo marido) por isso ela combinou com Luísa. Com relação aos atores, tenho que concordar que, tirando a beleza deles, eles não foram profundos, mas também com esse roteiro fica difícil ser desafiado. bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida! Como vai?

    O livro é ótimo (tive que ler novamente ano passado por causa do vestibular), mas o filme senti a impressão de assistir a uma novela da Globo, mas convertido para cinema. Mas valeu pela Glória Pires.

    Beijos, querida amiga! ;)

    ResponderExcluir
  6. E quem disse que novelas são ruins, pessoal?
    Vamos deixar o exagero de lado, afinal na Rede Globo existiram ótimas adaptações literárias, minisséries bem feitas e novelas bem concebidas e marcantes...

    Não vou ficar de pseudo intelectualismo - gosto de ver novelas e não acho que isso condene minha inteligência, afinal há entretenimento bom sim e algumas novelas tem talentosas tramas e desempenhos de bons atores.

    Não achei este filme ruim, obviamente é inferior ao marco da literatura, mas eu gostei. O resultado é significativo e o elenco nem comprometeu, é claro que Glória Pires está soberba...o problema, ao meu ver, é que a direção de Daniel Filho é sempre corretinha, redondinha demais e limitada...ele nunca ousa demais e isso peca, às vezes.

    Se fosse outro diretor, por exemplo, o filme seria mais além...

    Mas, no geral, é satisfatório...

    Gostei do seu texto, Madame

    Aproveitando o embalo do cinema nacional: peço que leia com carinho meu último post de um belo filme nacional..."sonhos e desejos"...e, outro pedido: se puder, veja ele por esses dias (pode ser? sério! rs) e escreve aqui sobre ele.

    Quando o revi, lembrei de ti! rs

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Dietrich,

    esse filme é um folhetim mesmo.

    Barraco de novela. Mas é ótimo.Redondinho, bem dirigido e atuado.

    Não tinha Reynaldo Giannecchini suficiente para a Debora Falabella? Ela precisava de um Fábio Assunção? Este cast além de global, é de uma estética maravilhosa. Todos lindos! Exceto a feiosa da Glória Pires, que é linda em outras coisas. Como mostra sempre em ser uma excelente atriz.

    Uma pena são os estigmas das novelas. Esse é o maior erro da Globo Filmes e do Daniel Filho. Eles ainda não sabem produzir hollywood ou algo parecido estilo Fernando Meirelles e Walter Salles.

    Primo Basílio ainda nao teve uma versão definitiva.

    Ótimo texto.

    Bjokas minha Dietrich!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière