sábado, 2 de abril de 2011

MaDame DivaDame: Elizabeth Taylor

MaDame DivaDame:
Uma homenagem para as Divas do Cinema




"Tudo me deixa nervosa, exceto fazer filmes."


O que torna uma atriz uma autêntica diva? Somente a beleza física, o glamour do sucesso, o status de estrela do Cinema? Não. É preciso ter a nobreza de coração de uma dama, evidenciar o raro talento de dar vida a cada personagem sem precisar unicamente da beleza exterior, revelar uma personalidade desbravadora à frente do seu tempo capaz de impressionar e inspirar genuinamente tantas pessoas e, principalmente, ter uma vida atribulada por um redemoinho de intensas emoções que a aproximam do sofrimento, da solidão, da paixão de qualquer ser humano. Divas são o paradoxo mais lógico que existe: elas são tão próximas ao que sentimos e, ao mesmo tempo, são distantes ao que não vivemos no ordinário cotidiano, o glamour. Divas são estrelas alcançáveis e inalcançavéis no brilhante céu da Sétima Arte e, aqui no blog, essa constelação chama-se MaDame DivaDame, um post especial criado para homenagear mensalmente as verdadeiras Divas do Cinema.




"Eu sempre admiti que fui ditada por paixões"


Elizabeth Taylor é um dos raros ícones do Cinema que é a expressão máxima do que é ser Diva. Vidas como as dela tocam nossas almas e corações, faz com que compreendamos porque há mulheres que merecem o status de Eternas Musas do Cinema, que fazem toda a diferença no mundo das Artes, que não têm medo de ser o que são, dentro e fora dos bastidores. Não foi somente a sua aparição na tela grande interpretando passionais Mulheres como em Cleópatra, Quem tem medo de Virgínia Woolf, Gata em Teto de Zinco Quente, Disque Butterfield 8, entre outros, que transformou Elizabeth Taylor em uma atriz diferenciada, mas foi também o quanto ela estava aberta a viver o seu próprio amanhã: amar intensamente, inspirar e mobilizar mudanças, lutar contra os preconceitos e doenças, abraçar amigos em grandes causas e difíceis momentos como o foi com Rock Hudson, Montgomery Clift e Michael Jackson, etc. Com legado cinematográfico inesquecível, Elizabeth Taylor foi a mulher das paixões, do romance à passionalidade, ela foi magnífica. Nos deixou mulheres belas e apaixonadas como a Angela de Um lugar ao sol, a Maggie de Gata em teto de Zinco Quente, a Glória de Disque Butterfield 8, assim como mulheres em crise com os maridos como a Martha de Quem tem medo de Virgínia Woolf e a Leonora de O pecado de todos nós.




"Eu tenho um corpo de mulher e emoções de criança"


Elizabeth Taylor é admirável e demonstrou a força de ser mulher e de ser uma autêntica Diva, um status que nunca foi só de glamour, mas um status que requer motivação, resiliência, superação e que exige um comportamento carismático e provocativo. Ela interpretou a icônica e estonteante Cleópatra e viu o fiasco de bilheteria de uma produção cheia da ostentação do Monumentalismo épico no Cinema. Sofreu com problemas cardíacos, permaneceu em uma cadeira de rodas nos últimos anos de vida, casou-se 8 vezes e morreu solteira, perdeu o grande amor de sua vida, o ator britânico Richard Burton, relação na qual Elizabeth teve que lidar com o grave alcoolismo do marido, provou que era mais que um rostinho e corpinho bonitos, militou em campanhas filantrópicas contra o HIV, respeitou a homossexualidade, teve seus altos e baixos com o álcool e as drogas e, como toda a estrela Hollywoodiana que sobrevive à idade, ela vivenciou o seu processo natural de envelhecimento que lhe trouxe rugas e peso mas que jamais lhe tiraria o belo sorriso e os sublimes olhos cor de violeta.



"Amei o Richard até o dia em que morreu".


Imagine as tantas situações com as quais Elizabeth Taylor teve que lidar, demonstrando a verdade de que, ser uma diva Hollywoodiana, é também um fardo obscuro, na contra-mão das plumas e diamantes do glamour.Por outro lado, ser Diva é inspirar, superar-se, deixar uma mensagem universal através da Arte. Elizabeth nos inspirou. Ela nos disse: "Sou uma sobrevivente - um exemplo vivo de que as pessoas podem continuar e sobreviver". Mesmo com o seu recente falecimento, Elizabeth Taylor sobrevive 'em morte', a sobrevivência que reforça que ela é uma lenda viva, uma eterna memória, que nem mesmo a morte pode vencer.



Confira belíssimo vídeo de Elizabeth Taylor,
ao lado do seu grande amor, Richard Burton.



3 comentários:

  1. Nossa madame, excelente post. Uma homenagem singela para uma grande atriz!

    ResponderExcluir
  2. Lindíssima homenagem, querida. Liz deixou uma herança para apaixonados por cinema, não só beleza, mas também com relação a versatilidade que ela tinha, visto em "Gata em Teto de Zinco Quente" (meu favorito dela) e "Quem Tem Medo de Virgínia Woolf".

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir
  3. "Divas são o paradoxo mais lógico que existe: elas são tão próximas ao que sentimos e, ao mesmo tempo, são distantes ao que não vivemos no ordinário cotidiano, o glamour."
    Que homenagem linda, essa! Na medida em que essa grande pessoa, grande atriz, grande personalidade merecia. Emocionante.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière