sábado, 23 de abril de 2011

Rio (Rio) - 2011



Fazendo côro à música de Gilberto Gil, O Rio de Janeiro continua lindo, Rio é lindo. A nova animação de Carlos Saldanha que homenageia a Cidade Maravilhosa em sua singular beleza é uma divertida aventura e adorável história de amor entre duas araras azul de especie em extinção, Blu e Jade, respectivamente na voz de Jesse Eisenberg e Anne Hathaway . O longa, atual campeão de Bilheteria no país e que superou o box office de Pânico 4 nos Estados Unidos é muito bem elaborado, um deslumbre de cenários realistas, cores vivas e planos abertos e profundos, com personagens cativantes e uma trilha sonora empolgante com belas canções Telling the World do Taio Cruz e o hit Hot Wings (I wanna party) de Will. I. Am com participação do ator Jamie Foxx. A magnífica visão do Cristo Redentor e da Baía da Guanabara merece o status de emblemática entre as mais lindas imagens da História da Animação.





Blu é uma linda e simpática arara que foi tirada do Brasil, seu habitat natural, após ser capturada por traficantes de aves exóticas e levada ao exterior. Por uma sorte do destino, ao invés de ter maus tratos e ser morto em país estrangeiro, a gaiola de Blu foi encontrada por uma amável garotinha, Linda que prometeu cuidar dele. Ele foi criado como um pássaro doméstico em Minnesota, nos Estados Unidos. Companheiro de Linda (voz de Leslie Mann), Blu e ela desenvolvem uma bonita amizade, com muito amor e afeto. As cenas de sua convivência demonstram que, mesmo estando em um país frio, ele participou dos momentos mais importantes dela e é feliz. Porém, Blu nunca soube exatamente quem era, uma bela ave Brasileira e o último macho de sua especie. Um dia, ao ser avistado por um ornitólogo, especialista em aves, Túlio (voz de Rodrigo Santoro), Blu tem a chance de voltar ao Brasil. Túlio convence Linda a levá-lo ao Rio de Janeiro para encontrar a arara Jade, a última fêmea da especie e, assim, realizarem um acasalamento para evitar a extinção desse pássaro. A partir daí, começa a aventura de Blu em terras tupiniquins; ele conhece novos amigos, apaixona-se por Jade, escapa de contrabandistas, enfrenta um pássaro vilão feioso e decadente, aprende a voar e vira herói.



Rio não escapa aos clichês da visão estrangeira sobre o Rio de Janeiro como o samba, o Carnaval, o futebol, as belezas naturais, etc, no entanto a animação consegue o seu diferencial ao transpor para a tela a perfeição das imagens da cidade com uma Arte Visual tão bem desenhada que os olhos chegam a brilhar. Esse senso estético apurado permite um tour turístico que não se encerra somente na beleza da capital Fluminense, ele cria uma conexão de deslumbramento e de carisma com Rio e que se desdobra para um sentimento de entender melhor a mensagem da película, conectar-se com Blu e Jade e torcer pela felicidade deles. O roteiro relata o processo de aprendizado e transformação vivenciado por Blu, que saí de um ambiente "seguro, o do lar" e encontra um outro ambiente que é o seu verdadeiro lar, o da liberdade verde, azul e amarela. Nessa nova casa, há amor, há amigos, há o Brasil. Ao encontrar Jade, uma arara de forte personalidade, independente e com senso de liberdade, Blu encontra a sua alma gêmea que é muito diferente do que ele é, o seu contraponto; por isso, Rio é uma aventuresca História de Amor e não tem a intenção de entrar em aspectos de reflexão profunda sobre a realidade do Rio.





Quem prematuramente julgar mal o Rio levando em conta somente o argumento de que ele é mais um produto estereotipado, tipo exportação e que alimenta certos preconceitos, está fadado a levar a sério demais o "politicamente correto" e ter uma visão torta da homenagem da Animação ao país, que sim pode ser uma homenagem com o toque americanizado. Por que não? Carlos Saldanha é reconhecido nos Estados Unidos e fez carreira lá. Sergio Mendes compôs uma empolgante trilha sonora que inclue uma pegada do pop americano, é bem provável que isso não seria diferente; o que vale é a capacidade de uma animação se conectar emocionalmente com o público e ter imagens fílmicas de beleza excepcional e esse é o bel prazer de Rio, que ainda que tenha um enredo simplista, encanta com um dos protagonistas mais adoráveis dos últimos tempos, Blu, perfeitamente bem interpretado por Jesse Eisenberg. Além disso, Rio traz outros elementos interessantes no seu desenvolvimento narrativo como o comércio ilegal e contrabando de aves exóticas, a influência dos bandidos sobre os menores, a orfandade de crianças pobres, a extinção de especies da natureza, além de harmonizar a animação como algo não tão 'sério e profundo, mas também não tão superficial, afinal, lembremos que uma animação na contemporaneidade do gênero deve conciliar os interesses de adultos e de crianças e não adentrar somente a uma reflexão complexa como há em animações adultas como Max e Mary.


Avaliação MaDame Lumière











Título original: Rio
Origem: EUA
Gênero: Animação, Aventura
Duração: 100 min
Diretor(a): Carlos Saldanha

Roteirista(s): Don Rhymer, Joshua Sternin, Jeffrey Ventimilia, Sam Harper
Elenco: Jesse Eisenberg, Anne Hathaway, Leslie Mann, Rodrigo Santoro, Will Am I,Jamie Foxx.

2 comentários:

  1. Ain Madame, gosto de animações... mas tenho preguiça de vê-las, hehehe pode isso?! Acho que irei ver "Rio" apenas em DVD mesmo :D

    ResponderExcluir
  2. Alan, eu também deixava as animações em segundo plano, mas descobri com o tempo que é um grande prazer assistí-las, é um momento despojado, um retorno à infância e à criança que há em todos nós.
    bj

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière