quinta-feira, 21 de abril de 2011

Um Filme, uma canção: Prelude, Bernard Herrmann (Intriga Internacional/North by Northwest) - 1959




Intriga Internacional é o clássico Hitchcockiano de maior renome nos Estados Unidos e traz um dos atores mais bonitos e carismáticos da História de Cinema, Cary Grant, o charme e o vigor físicos em pessoa no papel de Roger Thornbill, um executivo que é confudido com um agente do governo e passa a ser caçado. Sua vida é tranformada em uma montanha russa na qual a audiência participa com bastante tensão em um suspense eletrizante, uma trama de perseguição de tirar o fôlego. Mais uma vez e, principalmente nessa película, Hitchcock exerce o seu talento e sadismo apoiado por um excelente roteiro que não deixa a ação e o suspense desandarem em nenhum momento. Além de todos os aspectos positivos no roteiro, direção e elenco, Intriga Internacional conta com uma trilha sonora na medida exata para a película. Composta pelo magnífico Bernard Herrmann, conhecido pela parceria com Hitchcock em outros filmes como Um Corpo que caí e Psicose, Bernard concebeu o genial Prelúdio do filme que transmite bem a monumental tensão e ação do filme, em uma música que mais parece uma ode a Hitchcock e é a força motriz melódica que provoca a emoção: o que acontecerá com Roger? Morrerá ele na próxima sequência? Será pego e torturado? Como escapará dessa? Os acordes intensos e de forte suspense chegam a criar o pavor do que virá a acontecer, é como um abate musical que acompanha Roger Thornbill como o cordeiro a ser sacrificado, é como uma orquestração ritualística que prepara o público para o arrebatador clímax. Prelude de North by Northwest é um primoroso exemplo de que é a canção perfeita composta para o filme Hitchcockiano perfeito.








2 comentários:

  1. Emocionante darling...de encher os tímpanos!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. A música de INTRIGA INTERNACIONAL está entre as minhas contribuições favoritas do compositor com Hitchcock (junto com a de UM CORPO QUE CAI e, claro, PSICOSE). Herrmann, que talvez tenha ficado famoso por seus sons mais estridentes, conseguia, daquela forma que só os gênios conseguem, transmitir com exatidão o que se espera da narrativa -- mesmo com suas composições mais contidas. Como você disse, consegue fazer a pessoa ansiar pelo que vem a seguir. É algo extraordinário.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière