quinta-feira, 22 de julho de 2010

Batman - O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight) - 2008


"Achou que poderíamos ser homens decentes num tempo indecente?
Mas se enganou... o mundo é cruel"



Christopher Nolan, um dos jovens diretores mais promissores é um visionário da Sétima Arte. Um cineasta sofisticado, reflexivo e em crescente evolução com seu pensamento inovador conseguiu criar um clássico moderno com o lançamento de Batman - O Cavaleiro das Trevas, um fenômeno de bilheteria, aclamado pela crítica e pelo público, indicado a 8 Óscares, e cujo valor está além de dar continuidade à franquia Batman, o aclamado super herói da DC Comics. Nolan elevou a qualidade desta franquia a tal ponto que The Dark Knight tem luz própria reinando sozinho com seu brilho estelar. O cineasta recria um filme que é tão embutido de excelência técnica, argumentativa, e de reflexão sócio-filosófica que o expectador atento é projetado a vivenciar em sua experiência cinematográfica dilemas pertubadores sobre a existência humana em um mundo corruptível, amoral e desprovido de heróis. Com um roteiro muito bem estruturado e sinergizado nos pilares de ação, suspense, drama e policial, um elenco espetacular, uma montagem precisa, dinamicamente bem recortada e uma edição de som que cresce com a trama, Batman - O Cavaleiro das Trevas é um primor do cinema contemporâneo, que deixou de ser um simples filme de herói em quadrinhos e um blockbuster rentável, e tornou-se um objeto de estudo social provocativo, tão realista que a provocação será abordada aqui. É recomendável que assista o filme antes de proceder nesta leitura, para entendimento e porque alguns detalhes não serão ocultados.





"Ou você morre um herói ou vive o bastante para se tornar um vilão"



O filme retrata a tenebrosa e obscura Gothan City que recebe a visita do insano inimigo do Batman, o Coringa, The Joker (em uma interpretação icônica do ator Heath Ledger, morto em 2008 e ganhador do Oscar Melhor ator coadjuvante por esta formidável performance). Coringa está disposto a desmascarar o Batman. Essa é sua obsessão, além de pertubar a ordem vigente, corromper os homens, anarquizar a cidade e tomar o poder. Gothan City deve ser encarado como uma cidade de todos nós. Ela é uma analogia contemporânea da sociedade, e continua sendo Gothan City, a cidade dos criminosos, da máfia e dos corruptos que têm como calcanhar de Aquiles o herói mascarado Batman (Christian Bale) ainda oculto na figura do bilionário Bruce Wayne, cada vez mais bem vestido, mais galante, mais refinado e mais bem assistido por suas sofisticadas armas letais e pela sua parceira relação com Tenente James Gordon (Gary Oldman), com seu assessor 'técnico e executivo' Lucius Fox (Morgan Freeman) e seu leal mordomo Alfred Pennyworth (Michael Cane). Porém, Batman é o arquétipo do herói misterioso, de vida dupla e seu papel é questionado. Temos que ter heróis mascarados que fazem justiça com as próprias mãos e escondem a sua identidade? Não deveria o Batman ter um sucessor dentre os cidadãos ? A sociedade precisa de heróis comuns que mostrem suas caras, que representem o povo, que possam lutar perante a lei dos homens. Eis que surge uma aposta: Harvey Dent (Aaron Eckhart), o 'Cavaleiro Branco de Gothan City', promotor público, um homen íntegro e audaz que já evidencia não temer os bandidos e lutar por justiça. Ele é a esperança do novo herói social. Ao lado de Harvey Dent está sua namorada Rachel Dawes (Maggie Gyllenhaal), o ex-affair de Bruce Wayne que atua como assistente de promotoria. Perceba que, propositalmente, o promotor já tem uma autoridade dentro da película, como um homem da lei, capaz até mesmo de desarmar uma testemunha em plena audiência, um homem que demonstra uma agressividade natural, destemido a colocar sua vida em risco e entrar em um plano perigoso para prender o Coringa e uma quantidade grande de criminosos que dariam de tudo para metralhá-lo. Não há como negar que somente um homem com tal perfil poderia ser potencialmente um sucessor do Batman.




"Eu acredito que o que não nos mata só nos deixa mais estranhos"



Discorrer sobre este longa-metragem magnífico renderia páginas e páginas de análise de cenas, comportamentos, atuações, citações, etc, porém a repercussão da obra como um elemento atemporal de reflexão sobre a sociedade está centrada e é dinamizada por 2 elementos: a escolha do homem e sua suscetibilidade à corrupção. Para dar ação a tais elementos,de forma genial, Coringa é o agente provocador e tem um papel tão essencial que chega a ser mais importante que o de Batman. Na figura de um psicopata, cicatrizado pela violência doméstica e pela rejeição, ele é o homem que não tem vínculo com valores advindos das instituições bases como a Família e o Estado. Ele não tem regras, não tem planos, não tem vínculos afetivos com esta sociedade, logo ele pode manipulá-la e influenciá-la à destruição sem nenhum pingo de culpa. Ele é o agente do caos, o anarquista que detona o explosivo da corrupção e da vingança. No início do filme, rouba um banco e o dinheiro da máfia, depois negocia com a máfia que teme o Batman e quer vê-lo morto. Coringa aciona sua visão espirituosa para o mal e move as peças do jogo como um líder manipulador, e isso não é gratuito no filme, ele precisa estar ali para que o filme tenha o desfecho que tem, um final surpreendente que coloca a gente com os pés firmados no chão, céticos ou não, otimistas ou não.




"É preciso ter um ás na manga"


O Coringa gosta do Batman porque a vida do The Joker é uma piada. Ele se diverte com sua psicopatia e precisa do Batman para se entreter, então o desejo de que o Batman tire a máscara é um tipo de capricho e também o fim que justifica os meios de uma manobra corruptiva. Ao colocar em evidência um 'freak' com sabedoria, o roteiro inverte o foco de quem provocará e ditará ações de clímax: o vilão ganha destaque. Coringa provoca a polícia, a máfia, a cidade, o herói e, através de um ação mortal, ele coloca a responsabilidade da escolha do herói nas costas do Batman. Quem será salvo, Harvey Dent ou Rachel Dawes? A escolha de um homem (Batman) trouxe consequências que culminam em ódio, revolta e vingança personificados em um homem que era bom (Harvey Dent) e que teria um futuro socialmente desejável: trabalho justo e reconhecido, esposa apaixonada e uma sociedade protegida . O Cavaleiro Branco de Gothan City se corrompeu e o Coringa provou que o homem é suscetível à corrupção, mesmo que o vilão não tenha conseguido corromper e matar cidadãos civis na sua cartada normal dada por outra situação de 'escolha do homem' entre os passageiros de uma embarcação. Infelizmente na cartada final, ele jogou a carta mestra que mata o jogo: "É preciso um ás na manga" e a esperança de vitória da sociedade definhou. O que é brilhante na questão da escolha é porque o mundo funciona exatamente desta forma: tudo é uma questão de escolhas que levam ao próximo passo, e apesar de não ser factível prever o futuro, o homem ainda pode ter uma melhor sorte do que a de Harvey Dent e escolher o que quer ser, escolher o caminho do bem.




"Por que fui só eu o único a perder tudo?"


O herói já corrompido e incorporando o vilão 2 Caras braveja "Por que fui só eu o único a perder tudo?" . Enquanto repete, joga a moeda do cara e coroa à frente do policial Gordon já retomando o princípio da escolha do homem que, aqui, está lançado à sorte que leva à compaixão ou a destruição. Harvey Dent prova que quem é bom e faz bem não se conforma com a crueldade do mundo, e pode se dar muito mal; por outro lado ele já havia citado a profecia do desfecho, para ele e para Batman, durante um jantar com Bruce Wayne: "Ou você morre herói ou vive o suficiente para se tornar um vilão". Então por que ser bom? Vale a pena ser assim? O destino de heróis é a morte e a solidão? Será que o Coringa é tão vilão quanto parece ou ele deu um "empurrãozinho" para que reflitamos sobre nossa louca condição humana? Perguntas como esta são contundentes como a obra porque movem o expectador a uma angustiante reflexão. Este é o mundo que vivemos? Onde estará a nossa esperança? Onde estarão os nossos heróis?




O
mais triste é ver que há vários Harveys Dent corrompidos na sociedade contemporânea, deformados em suas caras, seja por uma espontânea ação própria e desvio de personalidade, seja por uma manipulação de outros, seja pela decepção com o mundo e o cansaço de lutar do lado do bem entregues à dilaceração pela dor, etc. Estes pegam o caminho mais fácil ou o do infortúnio: o da corrupção; e olham somente para seus egos inflados que prejudicam os outros e não priorizam o bem coletivo. Há outros homens loucos e espertos, que não amam ninguém, amorais e somente usam pessoas para alimentar suas psicopatias, como é o caso de Coringa. Já outros são como Batmen, são os heróis solitários e perseguidos; por isso, o emblemático desfecho pode ser reconfortante para uns e deprimente para outros, porque ele oculta a verdade por uma mera questão de esperança e de comodidade, ou melhor dizer, é um desfecho tão perturbador quanto o filme porque revela ao expectador que a 'verdade não basta', nem sempre os heróis disponíveis serão os que precisamos; o que leva a pensar que a sociedade corruptível não está preparada para seus heróis de verdade e talvez não os tenha em um nível de excelência 'heróica', mas ainda assim ela não pode perder a esperança, mesmo que esta seja alimentada por uma 'mentira do bem' que pode estar no discurso de um político ou num novo plano de desenvolvimento econômico que, mais adiante, poderão ser bem sucedidos (ou não). Definitivamente, um final espetacular, dúbio e muito incômodo porque é possível concordar com a decisão de Batman e de Joe Gordon que, nas melhores intenções precisavam não decepcionar a sociedade, não estampar nos jornais o ÁS vitorioso do Coringa. Certamente, veicular tal verdade traria um descontentamento em massa, a desilusão no lugar da esperança, logo, o desfecho que enobrece Harvey Dent como o herói é a de um mártir, exatamente para que a fé seja renovada, acrescida deste "tapa na cara" na vil existência desta sociedade manchada pela corrupção. Um dilema difícil que deixa os pensamentos da audiência em 'Trevas", na urgência de ter a luz que aclara os questionamentos, que ilumina o novo amanhã.



Avaliação MaDame Lumière




Título original: The Dark Knight
Origem: EUA
Gênero: Ação, Drama
Duração: 152 min
Diretor(a): Christopher Nolan
Roteirista(s): Jonathan Nolan, Christopher Nolan, David S. Goyer, Bob Kane
Elenco: Christian Bale, Heath Ledger, Aaron Eckhart, Michael Caine, Maggie Gyllenhaal, Gary Oldman, Morgan Freeman, Monique Curnen, Ron Dean, Cillian Murphy, Chin Han, Nestor Carbonell, Eric Roberts, Ritchie Coster, Anthony Michael Hall

11 comentários:

  1. Madame,

    Só assisti ao filme 1 vez e foi no cinema. É difícil analisar tudo isso em uma única assistida. E antes de mais nada, PARABÉNS, sua crítica tá magnífica. Sai do cinema na época com algumas dúvidas na cabeça. Enaganamse aqueles que torcem o nariz e dizem "ahh, mais um filme de super-herói". Esses não sabem o quanto perdem e o quanto são cabeça oca. Ainda que fosse um filme de super-herói e apenas, poxa... é CINEMA, não é? Vale ser sorvido, interpretado, enfim... por isso gosto tanto disso.

    Além da fotografia que eu gostei muito [acho que mais do que o Begins], os atores... Heath será imortalizado como o Coringa. O Vilão que roubou a capa do Batman no próprio filme, e com razão.

    Obrigado por poder ficar aqui lendo seu ponto de vista.

    Ahh, e obrigado pelas visitas ao meu blog, e aos papos no Twitter.

    Bjo =]

    ResponderExcluir
  2. Exatamente, você traduziu a angústia com a qual sai do cinema, será que o mundo e a humanidade estão tão corrompidos assim? Eu reluto em acreditar que não temos mais jeito. Por mais que vejamos muitos Harveys Dent por aí, acho que sempre há uma luz no fim do túnel. Mas, como filme, Cavaleiro das Trevas é fantástico.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto Madame, concordo em geral com seu ponto de vista. Gosto muito do filme em questão, que faz à cima de tudo um retrato da sociedade atual, que é bem corruptível! XD

    ResponderExcluir
  4. ótima análise Madame, muito boa!
    Eu partularmente preferi não ler os dois últimos parágrafos, pois ainda não vi o filme inteiro, rs
    Então resolvi seuir o seu conselho no começo do post, rs
    Mas uma ótima abordagem.
    Não tem jeito, este filme doi do Coringa foi do Ledger, e ele mereceu, sua atuação esteve ótima! xD

    ResponderExcluir
  5. Digamos que seja um filme tão completo, tão senhor de seu tempo que incite a profundas reflexões e variadas leituras tanto dos personagens quanto das ações intercabeadas.
    Sua leitura, como os companheiros de comentários atestam, é soberba e, nesse sentido, pontual.
    Resumo meu comentário, pq como bem mencionaste há como se alongar por páginas e páginas quando o assunto é The dark knight, a uma cena. Se este filme pudesse ser reduzido a uma cena, seria aquela do interrogatório. Poucas vezes vi um filme (até mesmo Bergman) abarcar principios filosóficos e sociológicos com aquela veemência.

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Madame Dietrich!

    Finalmente! Este presente, a melhor escrita sobre 'Caveleiro Das Trevas' que já li. Simplesmente magnífica!

    Você refletiu e compartilhou com a gente a questão mais importante da fita: 'A Sociedade'.

    De fato, este BATMAN não deve nada aos filmes anteriores (mesmo ao Begins do Nolan). A minha admiração pela trama (maravilhosamente bem escrita e com uma ótima premissa) foi a extensão do Coringa neste filme: 'Harvey Duas Caras', já que a publicidade do filme ficou envolto do Coringa e do Batman, o personagem vivido pelo ótimo Aaron Eckhart, aqui foi o ás da Manga dos produtores também, rs!

    A história é tão verossímel que é impossível ficar na tangente infantil dos HQ´s. O Homem Morcego criado por Bob Kane, com aquele visual colorido dos anos 60 tem a melhor roupagem com Christopher Nolan (teve também de certa forma com Tim Burton [ignoro a do Joel Schumacher]), e 'Cavaleiro Das Trevas' é um clássico por "N" motivos infinitos. Tudo ACERTA neste filme!

    Quanto ao Coringa em questão, foi uma das melhores construções de personagens que apareceu nos últimos anos. Oscar póstumo à Ledger merecidamente. Sua morte foi uma tragédia,infelizmente, e embora alguns dizem que o motivo do sucesso dele e do filme foi sua morte. Besteira! Cinema é registro, e o que está feito, está feito!
    Introduzir a anarquia (tem até um efeito sonoro e trilha musical pra isso) foi um achado inteligente dos roteiristas com Nolan. Certamente fica o perigo de alguns jovens agirem da forma insana do Coringa,seguiundo sua filosofia (o mesmo problema que teve Laranja Mecânica com os Drugues), suas frases feitas, brilhantes e seu humor corrosivo. O Coringa é uma espécie de antiherói, mas porque tinha que ser cachorro louco? Rs!

    Gostei disso: "cujo valor está além de dar continuidade à franquia Batman". E foi a melhor decisão que a Warner e a DC comics tomaram ao deixar Nolan criar.

    Parabéns mesmo por esta reflexão Madame! Bati um papo lendo o seu texto.

    Bjs,
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  7. Falando sério, a única coisa genial deste filme é a performance do Heath Ledger. No resto, acho "The Dark Knight" muito superestimado.

    ResponderExcluir
  8. MaDame, excelente análise. Faço coro ao comentário acima do Rodrigo, melhor crítica que já li de um dos melhores filmes dos últimos anos. Nasce um clássico! Christopher Nolan realmente é um visionário, diretor sensacional e que tem um brilhante futuro na Sétima Arte. Como tu disse, "O Cavaleiro das Trevas" transcende a barreira de ser apenas mais um filme de superherói, uma mera adaptaçao de HQ, mas um filme que possui luz própria, caminha sozinho e será dificilmente esquecido pelos cinéfilos (eu ouvi "Sin City"?) e pra quem teve o prazer de conferir esse resultado no cinema - eu foram 3 vezes rs.

    Eu nem vou entrar no mérito de Heath Ledger, acho que nem precisa. Faltam até elogios para qualificar seu trabalho. Enfim, e a sintonia do elenco, a criação da atmosfera, as questões fiosóficas levantadas... é um grande exemplar.

    Parabéns pelo texto,
    aplaudo em pé.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Ótima análise, de fato!

    É impressionante como um filme de um herói fantasiado de morcego pode proporcionar várias discussões acerca da índole humana.

    Aquela cena dos dois barcos é fantástica.

    A HQ "A Piada Mortal" mostra como surgiu o personagem Coringa e também uma teoria que ele quer comprovar: basta um dia de muito sofrimento injusto para transformar um homem num vilão.

    A ideia é parecida.

    Quero rever o filme após ler essa sua análise, que confesso é uma das melhores coisas que li sobre o filme até o momento.

    ResponderExcluir
  10. Christian Bale best actor in The Dark Knight
    Very good post about The Dark Knight Thanks
    I have some movies with Christian Bale - I'm Not There and 3:10 to Yuma best actor )
    Does anyone agree with me?

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière