quarta-feira, 28 de abril de 2010

Cine Família : Assista "A Sogra" com sua Sogra





Hoje é o dia da sogra e farei o possível para sensibilizar noras e genros (e também os companheiros(as) deles) que se identificarem com esse post nesse dia especial, afinal, sogra também é mãe e, não importa se você ama ou não a sua sogra, pelo menos, respeite-a; se você hoje está do lado do seu(sua) bom(a) ou mau(má) marido(esposa), amando-o ou não, sua sogra carregou o bebê 9 meses e criou esse ser que você escolheu como sua outra cara metade, ela não tem culpa dos seus problemas matrimoniais e nem qualquer relação com eles, então o conselho serve para ambos os lados. Se ela é uma mulher difícil, seja tolerante e influencie-a para uma boa relação, mas não seja falso(a), seja íntegro(a), honesto(a) e reconstrua o relacionamento familiar com ela com dignidade. Não há pior coisa do que ver o "circo pegando fogo dentro de casa" e, acredite, no final, é a família que coloca o nariz de palhaço.






Todo mundo tende a falar que é a sogra que é uma cobra. Falam que é ela a raiz do mal por trás do rostinho de uma senhora manipuladora, que ainda trata a(o) filhinho como um(a) bebê. Será? Eu já penso que isso é bem relativo. Nem sempre a cobra é a sogra, acreditem! Há casos e casos de família e circunstâncias que a sogra pode estar certa ou errada, até os filhos das sogras tendem a alimentar o ódio entre sogras, genros e noras, enfim, ninguém é santo, o pecado mora ao lado, a crucificação vem para todos. O mais importante é que ela é uma mãe como você é (ou será) um pai ou uma mãe, e ninguém merece as consequências das contendas, inclusive seus filhos(ou futuros filhos). O mesmo exemplo vale para a sogra. Se você não suporta seu genro(sua nora), faça um esforço para visualizar essa pessoa como um(a) filho(a) e chegue à uma harmonia com diálogo, pelo menos, tente e ofereça a chance de mostrar ao outro que você está disposta à uma verdadeira conciliação. Grande parte dos problemas com relacionamento persistem por causa da falta de capacidade de perdoar e construir um novo relacionamento virando a página de vez.





Depois de fazer as pazes, é chegada a hora de vocês rirem juntos(as). Coloque o DVD de A Sogra (Monster's in Law, 2005) , comédia dirigida por Robert Luketic (de A Verdade Nua e Crua) que é um ótimo passatempo para dar risada como vocês se odiavam no passado e evoluíram para uma relação pacífica. No longa, Janet Fonda (em excelente atuação) é Viola Fields, a sogra rica e surtada que começa a perseguir, Charlie (Jennifer Lopez), a nova e humilde namorada de seu filho Kevin (o belo Michael Vartan). Os motivos? Além do clássico ciúmes e espírito super protetor de Viola, o preconceito social é bem marcado no filme porque Viola adora humilhar Charlie, até o dia que Charlie decide aplicar a lei Nabucodonosor na sua sogra maluca, dando-lhe algumas lições básicas e bem vingativas. O filme é bastante agradável e alguns padrões comportamentais se repetem como a velha história do "se você me trata mal, eu vou te tratar mal também" e "o filho da sogra no meio da confusão sem ter uma atitude muito conciliatória, afinal, optar pela mãe ou optar pelo amor de sua vida é uma tarefa difícil, mas um pouco de energia diplomática é melhor bem vinda". Mesmo que Viola tenha atitudes de uma mulher desequilibrada, o lado bom é que Kevin não trata mal a mãe dele a ponto de abandoná-la em definitivo, o que naturalmente é um bom exemplo para filhos que tomam partido de esposas e maridos e deixam a mãe "na lama", descartando-a facilmente. Como podem ver, A Sogra é um divertido aprendizado para a harmonia familiar. Se você precisa de um cinematográfico e santo remédio para esse tipo de relação, assista a "A Sogra" com sua sogra, e aproveite e chame todo mundo que sofre com a situação parar rir da tragédia que, finalmente, se converte em pura alegria.


Avaliação MaDame Lumière



Título original: Monster's in Law
Origem: EUA
Gênero: Comédia
Duração:101 min
Diretor(a): Robert Luketic
Roteirista(s): Anya Kochoff
Elenco: Jennifer Lopez, Jane Fonda, Michael Vartan, Wanda Sykes, Adam Scott, Monet Mazur, Annie Parisse, Will Arnett, Elaine Stritch, Stephen Dunham, Randee Heller, Mark Moses, Tomiko Fraser, Rochelle Flexer, Wayne Nickel

2 comentários:

  1. Muito boa a iniciativa madame. E o filme é muito legal mesmo. Gosto dessas divas, Jennifer e Jane.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto desse filme, sempre o assisto por causa da atuação de J. Fonda.
    bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière