quarta-feira, 21 de abril de 2010

MaDame loves: 10 Inesquecíveis Filmes de Dança

MaDame Loves :
10 filmes preferidos com 1 tema escolhido
por MaDame Lumière




Tema: Dança

Se há uma categoria de filmes que eu amo são os que giram em torno da dança, e eles não precisam ter roteiro e elenco tão surpreendentes como a habilidade dos dançarinos porque a dança, por si só, já é um personagem e é a alma do filme. Muito da minha adoração por esse tipo de filme é porque eu sempre gostei de dançar, a ponto de já ter frequentado as aulas de variadas danças, apresentar-me em festas e teatros, e adorar sair para dançar. Como eu amo tudo isso! Danço até na sala de casa e no chuveiro! O meu sentimento pela dança, a qual considero ser mais do que um entretenimento, é uma eterna história de amor e ela é uma das minhas paixões assim como o Cinema, por isso quando vejo um filme com dança, é uma bailante emoção, é como estar dançando no filme, mesmo que o enredo não seja fascinante como os passos da Dança.
Dançar me faz feliz, me faz conhecer a mim mesma, me faz estar em uma outra esfera de contentamento, me faz expressar quem sou e o que quero ser, naquele momento ou para sempre, a dança sempre será uma parte do meu eu.





E,a partir de agora, minha seleção especial do MaDame loves com 10 inesquecíveis filmes de dança. Embora não tenha sido fácil selecioná-los dentre tantos outros, empenhei-me em variar os tipos de dança (pois sou apaixonada por todos os filmes de Dança de Carlos Saura, o qual monopolizaria esse especial), e optei também por deixar os filmes musicais para um outro MaDame loves, essa seleção expressa o saudosismo dos momentos da Dança, pois cada um desses filmes fez parte de uma época da minha vida, inspirou meus movimentos amadores porém de imensa dedicação a amar esta vibrante Arte, a amar o movimento do meu corpo, simplesmente feliz.


Flamenco/ Flamenco (1995)
Direção de Carlos Saura




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

Carlos Saura é o diretor mestre em filmar a alma flamenca e tal sensibilidade e talento permeia toda a sua filmografia. Com muito bom gosto e intimidade com a dança, ele sabe como conduzir a câmera, entende muito bem de fotografia para extrair o melhor enfoque de cada coreografia e, tal beleza, é acompanhada do drama da paixão dos amantes, por isso o diretor tem em seu background obras adaptadas como Carmen de Bizet e Salomé de Oscar Wilde. Em seus filmes os movimentos da dança substituem as palavras e ainda conseguem expressar muito mais do sentimento humano, em especial, o amor e a dor. Em Flamenco, considerado a sua obra cinematográfica mais brilhante pelos apaixonados por flamenco, tamanha a magnitude do elenco, Carlos Saura consegue unir os nomes eternos dessa dança, entre bailarinos(as) e cantores(as), tais como as esplêndidas guitarristas de Manolo Sanlúcar, Paco Lucía e Tomatito, a profunda voz dos legendários Enrique Morente e Lole y Manuel e os aclamados bailarinos como Maria Pagés, Farruquito, Manuela Carrasco e Joaquín Cortes, entre tantos outros brilhantes artistas. Definitivamente, um clássico filme antológico sobre o Flamenco.



Tango/Tango (1998)
Direção de Carlos Saura




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

Uma obra magnífica sobre o Tango e sua performática passionalidade através do baile, enfocada a partir de um triângulo amoroso e seus intensos sentimentos de paixão, amor, ciúmes e desconfiança que são expressos não somente pela bem coreografada e vívida dança, mas pelos olhares, pelos gestos e pelos embates dramáticos através dos diálogos passionais dos amantes. Em Tango, como nas outras obras de dança de Carlos Saura, a Dança é parte do drama dos amantes, e é como um recurso para contar essa história à audiência que, fascinada, é movida a ser uma testemunha da relação, além disso, há uma variedade de performances, de bastidores a palcos evocando a beleza e a tradição do Tango. Com a presença do trio Miguel Ángel Solá, Cecilia Narova e Mía Maestro, que garantem ao espectador uma das performances de Tango mais belas da história do cinema, Tango conta com uma seletiva e fantástica trilha sonora com clássicos como Tango del Atardecer e La Cumparsita. Muito Tango para lembrar do icônico e sublime Astor Piazzolla e, para eternalizar o Tango em latinos corações.



Vem dançar comigo/ Strictly Ballroom (1992)
Direção de Baz Lhurmann





Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

O primeiro filme dirigido pelo australiano Baz Luhrmann, diretor que se consagraria com o maravilhoso musical Moulin Rouge é um daqueles filmes que fizeram parte da adolescência e pré-adolescência de uma boa parte das pessoas que nasceram na década de 70 e começo da 80 e que se apaixonaram pela dança de salão do casal Fran e Scott Hastings (os atores Paul Mercurio e Tara Morice) quem encantaram tantos espectadores ao som da inesquecível canção "Love is in the air", com a grande cena final e seu híbrido estilo "gipsy ballroom" e com a persistência e a superação deles através da dança. O fato do casal ser pobre e desprovido de melhores oportunidades confirma que a dança e a auto-estima que ela traz consigo ajuda a superar o presente doloroso. Vem dançar comigo é um clássico em filmes de dança e ressalta uma característica do cinema de Baz Luhrmann: a emoção e o romantismo das histórias de amor. Ele o fez com Moulin Rouge, com Romeo + Juliet e com Austrália, por isso os casais que Baz une no cinema se perpetuam em nossos cinematográficos sonhos de amor.


Carmen/ Carmen (1983)
Direção de Carlos Saura





Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?


Em Carmen, baseado na ópera Carmen de Bizet, a dança, a paixão e a obsessão se únem à tórrida dança flamenca do casal Antonio (o legendário bailarino Antonio Gadés) e Carmen ( a sensualíssima Laura de Sol). Antonio a ama além do sentimento do amor, ele ama a carne, o corpo de Carmen, com uma obsessiva atração que encontra o gozo na dança, por outro lado, Carmen tem uma personalidade selvagem, praticamente indomável, logo essa tensão é expressa na passional relação de ambos. Carlos Saura realiza um primoroso trabalho nos bastidores de uma companhia de dança com uma excelente revisitação da obra e enfocando o brilho máximo de Antonio Gadés, um icône da dança flamenca e a influência do espírito "gitano" na obra flamenca, além disso ressalta, mais uma vez, sua apaixonante habilidade para reinterpretar tragédias de grandes escritores no cinema moderno, através da dança, como ele o fez com Bodas de Sangre de Federico García Llorca, considerado o escritor dos Flamencos.



Dirty Dancing - Ritmo Quente/ Dirty Dancing (1987)
Direção de Emile Ardolino






Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

Dirty Dancing é essencial na filmografia de qualquer pessoa que aprecia o cinema dançante, descontraído e sem grandes pretensões, capaz de entregar uma linda e envolvente história de amor com direito a lindos passos de dança e uma sensualidade ímpar. Esse clássico longa-metragem dos anos 80 com excelente trilha sonora, além de ter sido eternalizado com a marcante presença do casal Frances "Baby" Houseman e Johnny Castle, interpretados por Jennifer Grey e Patrick Swayze e seu intenso amor de verão ao som de Time of my life e She's like the wind, tem uma dinâmica preciosa para ilustrar os amores passageiros e (im)possíveis que não costumam sempre "subir a serra",mas são fascinantes e sensuais o suficiente para fazer a gente perder a cabeça e o coração durante uma cálida temporada. O saudoso Patrick Swayze virou símbolo sexual de uma geração de jovens que queriam estar no lugar de Jennifer Grey (eu sou uma delas, e sempre desejei um professor como ele). Dirty Dancing se tornou a perfeita e idealista love story de um jovem homem pobre e de uma garota em melhor condição social, uma paixão irresistível, um amor de Cinema que sempre será possível nos atemporais corações românticos.


FlashDance/ FlashDance (1983)
Direção de Adrian Lyne





Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?


Flashdance - em ritmo de embalo é também um clássico dançante dos anos 80, marcante para as garotas que começaram a fazer jazz na época e um filme inesquecível para quem viveu o ápice da juventude nessa década (inclusive parte de minha adolescência com direito a performances no colégio e disco vinil da trilha sonora na minha coleção(risos)). Na época, a maioria das garotas queriam ter a habilidade dançante e o corpo torneado de Jennifer Beals. É um filme com roteiro bem simples, porém com cenas marcantes encenadas por Alex Owens (Jennifer Beals ) com os hits memoráveis What a feeling, Maniac e Lady Lady Lady, inclusive cenas bem sensuais e provocativas que já antecipavam a estética very sexy de Adrian Lyne ao dirigir seus filmes. A propósito, Adrian Lyne, que tem no currículos filmes como Atração Fatal, Nove Semanas e 1/2 de Amor, Lolita e Infidelidade, entrega aqui um filme bem mais "inocente", mas que já ensinava as garotas jovens a serem sensuais, com dança ou sem dança. O que torna Flashdance tão especial é que fala sobre os sonhos de uma jovem garota desprovida de uma vida financeira e familiar mais estruturada, o que faz um contraponto com a vida das meninas da elite que faziam o supervalorizado ballet. Alex realizava um trabalho braçal de dia e dançava na noite, então o espectador vibra com sua conquista, afinal, nem tudo que a vida tem de bom aparece como um flash.



Salsa/ Salsa (2000)
Direção de Joyce Buñuel




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?


O filme francês Salsa, dirigido por Joyce Buñuel que tem uma larga experiência na TV não tem qualquer relação com o filme Salsa - Ritmo Quente que é estrelado pelo ex-menudo Robby Rosa. O Salsa francês é muito mais visceral e realista em termos de dança, tem uma passion story e um foco interessante com relação ao drama do personagem Rémi (Vincent LeCoeur) e sua paixão pela salsa cubana. Ele é Francês e estuda música clássica mas decide se dedicar ao que realmente é apaixonado: a salsa. Trazendo sua escolha para o plano real, de fato, não é fácil abandonar o formalismo da música clássica cujos estudos, normalmente, são incentivados por uma família que deseja que o(a) filho(a) termine esses estudos, então desejar tocar salsa em um clube cubano é uma decisão ainda mais emotiva, passional. O que torna o filme interessante é a sensualidade e visceralidade da salsa que liberta os desejos do próprio coração. É como uma droga libertina e muito bem-vinda, que toma conta do corpo no meio do salão, vibrando a latinidade de pessoas que só desejam bailar a noite toda, além de ressaltar que temos que realizar escolhas apaixonadas. Um dos raros filmes com a salsa, nua e crua, deliciosamente sensual


Uma lição de Tango/ The Tango Lesson (1997)
Direção de Sally Potter




Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

Uma lição de tango de Sally Potter é puro Tango, relatando momentos verídicos de Sally Potter frequentando as aulas de Tango com o ilustre bailarino Pablo Verón durante uma viagem à Paris. A presença de Pablo Verón embeleza ainda mais o filme pois ele é simplesmente perfeito, uma lenda em termos de técnica e elegância na dança. O filme se baseia em tango bastante realista, de bastidores nos quais o espectador aprecia a arte do Tango que está além da própria Arte e que depende de artistas que a fazem, ou seja, o amor, a dedicação, a disciplina, a criatividade, etc tão intrísecos a quem dança são ressaltados através de uma aluna (no caso Sally) que está aprendendo a dançar em seu próprio trabalho, então a diretora constrói o seu processo criativo Dança-Cinema através da metalinguagem entre ambos. Um enfoque brilhante para Milongueiro nenhum colocar defeito!


Os Embalos de Sábado à noite/ Saturday Night Fever (1977)
Direção de John Badham





Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?

Esse clássico dos anos 70 tem sua força na sua influência dançante em toda uma geração. John Travolta incorporou o estilo e o desejo pelos tempos de Grease e dos embalos de sábado à noite com charme e boa forma física, brindando o Cinema com inesquecíveis movimentos ao som de Bee Gees. Até hoje, ouvir Staying Alive e lembrar de Tony Manero dá vontade de incorporar o "Saturday Night Fever" e arrasar na pista de dança até o dia raiar. Os pontos altos dos filmes são que, além da dança inspiracional que até hoje é adotada como um traço comportamental dos amantes dos anos 70, John Travolta realiza o papel de um homem que age exatamente como grande parte das pessoas que saem para dançar. Tem um trabalho chato a semana toda e não vê a hora de chegar o fim de semana para soltar o corpo e esquecer o pesadelo dos dias utéis. Continuar vivo? Só se for com uma pista de dança.


Se ela dança, eu danço/ Step up (1977)
Direção de John Badham





Por que eu amo este filme e você deveria assistí-lo?


Se ela dança, eu danço pode parecer um filme medíocre para quem odeia hip hop e filmes desse tipo, porém o que o torna uma boa opção de filme de dança é observar que a dança e a música já salvaram muitos delinquentes juvenis das ruas, Tyler Gage, interpretado por Channing Tatum é um deles e, mundo afora, há vários exemplos como esse, principalmente, no Brasil. Boa parte dos talentos artísticos são como dádivas que podem ser aperfeiçoadas, contato que as pessoas tenham oportunidades de fazer isso, e também, tenham vontade de mudar suas vidas para algo mais positivo, que lhes provê um futuro melhor. Se ela dança, eu danço está relacionado a escolhas e mudanças através da dança e, embora o filme 2 tenha sido um fiasco, o primeiro da franquia tem uma empolgante trilha sonora e ótimas coreografias que misturam passos de hip hop com jazz e ballet, embalados por uma história de amor que é construída simultaneamente com uma coreografia para a grande apresentação final. Previsível, porém inspiracional, afinal, ninguém quer dançar na vida se dançar significa "se dar mal".



Você gosta de dançar? Já aprendeu a dançar algum ritmo?
Conta para a MaDame.


Até o próximo MaDame Loves
com mais filmes temáticos que a MaDame ama.

4 comentários:

  1. Ótimas escolhas madame. Como sempre. Dirty Dancing fala direto ao meu coração tb. Revejo aquela cena final milhares de vezes, sempre maravilhado. Dança comigo, remake do filme japonês estrelado por Richard Gere e Jennifer Lopez, entraria no lugar desse Se ela dança eu danço. Na minha lista, claro. Mas a sua está perfeita.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Reinaldo,

    Obrigada! E estamos em sintonia porque eu nã pus o Dança Comigo? mas eu já o iria revisar pelas questões que expus na resenha dele. Gosto tanto de dança que alguns ficaram de fora mesmo, rs!

    Beijo e até o próximo MaDame loves.

    ResponderExcluir
  3. Sintonia puríssima! rsrs Estou impressionado.
    Bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière