terça-feira, 20 de abril de 2010

Segunda Chance para o Amor (Purple Violets) - 2009



Segunda Chance para o Amor
é mais um "filme DR" (Discussão da Relação) e, como bem nítido no seu título em português, os protagonistas interpretados por Selma Blair, Patrick Wilson, Edward Burns e Debra Messing se dão ao luxo de dar uma segunda chance para seus ex-romances, confirmando que sempre há uma fresta aberta em algumas relações mal resolvidas. Com roteiro e direção de Edward Burns que se empenha para entregar um filme abaixo da média, esse romance se esforça em expor que algumas perdas amorosas nos ensinam a se tornar pessoas melhores, e potencialmente melhor preparadas para dar uma segunda chance para o amor, no caso desse longa-metragem, o perdido lá no passado.






Como em romances de encontros e desencontros, Segunda Chance para o Amor segue aquela previsibilidade do reencontro com um caso amoroso antigo e o que fazer quando isso volta à tona. O escritor Brian Callahan (Patrick Wilson) namorou Patti Petalson (Selma Blair) no período da Universidade e terminaram o relacionamento sem sólidos motivos. Um belo dia, se encontram em um restaurante. No mesmo dia, seu amigo Michael Murphy (Edward Burns), advogado e ex-alcóolatra em tratamento reencontra sua ex-namorada Kate Scott (Debra Messing), que é amiga de Patti e está muito magoada com o ex. Todos acabam sendo afetados por esse reencontro e, no transcorrer do romance, se aproximam e lidam com os fantasmas do passado e as implicações amorosas do presente. Patti, também escritora (que não consegue terminar o romance há anos) e casada com o complicado Chazz Coleman (Donal Logue, que proporciona alguns raros momentos cômicos) tem um casamento de sete anos decadente e, lida com o distanciamento do marido. Brian namorada uma agressiva viciada em drogas e, no plano profissional, atravessa uma crise com os críticos e leitores que rejeitam seu atual livro após o sucesso de seus livros anteriores. Michael ainda tem interesse em Kate e se mostra um novo homem pós-fase libertação do alcoolismo, por outro lado, Kate não consegue perdoá-lo remoendo a dor de uma traição, e muito menos consegue assumir que ainda o ama. Entre diálogos amorosos se misturam as esferas literárias de Patti e Brian, que se empenham em escrever seus romances e redescobrir-se como escritores que escrevem o que desejam.







Segunda Chance para o Amor é mais um romance do que uma comédia romântica. De fato, o filme não tem o carisma e a energia romântica de uma comédia do gênero e os próprios impasses amorosos dos protagonistas não se aprofundam de uma forma nem romântica e muito menos dramática, por isso questões como a separação, o perdão, a paixão, etc. se tornam superficiais e só não se tornam piores porque o filme consegue ter uma linearidade na própria emoção que transmite e uma seriedade na dramatização, evitando banalizar por completo a fita. Embora o romance seja leve na interface com o espectador, as personagens têm personalidades que aborrecem. Brian é confuso demais. Kate é durona demais. Michael é chato demais e, a única que consegue se expor, porém sem tanto carisma para um romance é Selma Blair. Além disso, na tentativa de enfocar a "Segunda Chance para o Amor" de dois casais, o filme perde muito em aprofundar a "segunda chance" de cada casal, situação que poderia ser sanada com a exclusão do casal Kate e Michael da trama o qual, honestamente, não faria falta alguma. Apesar dessas deficiências, o filme merece crédito por três motivos: a ótima trilha sonora com canções incríveis do The Blue Jackets (destaque para a excelente Do you remember), a boa fotografia em alguns enfoques da cidade de Nova York e a abordagem do tema "segunda chance para o amor". Inquestionavelmente, esse último motivo é o melhor do longa-metragem, mesmo com suas debilidades, porque as pessoas têm que se dar uma chance para dar uma chance ao outro e, dar a chance a nós mesmos é como dar a chance à felicidade que, por alguma circunstância do passado ou presente, pôde não ter ocorrido. Agora, nada impede que a felicidade no amor surja de uma forma bem mais madura e conciliatória.



Avaliação MaDame Lumière


Título Original: Purple Violets
Origem: Estados Unidos
Gênero(s): Romance, Comédia Romântica
Duração: 109 min
Diretor(a): Edward Burns
Roteirista(s): Edward Burns
Elenco: Selma Blair, Patrick Wilson,Edward Burns, Debra Messing,Dennis Farina,etc.

4 comentários:

  1. Ainda não vi esse filme. Apesar de sua critica ter relativizado bastante a qualidade do trabalho de Burns como diretor aqui, gosto muito de seus filmes. Sempre agridoces e sempre nessa dicotomia entre a comédia e o romance. Gosto do trabalho dele. O porém é que com esse filme ele pode mesmo estar se repetindo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. e ae madame.... como vc tá?

    pô, acho que é uma boa conferir esse por causa da Selma Blair... :)

    ResponderExcluir
  3. Olá Reinaldo,
    Acho que você vai gostar desse filme. Ele não é ruim, tanto que recebeu 2 estrelas e é uma forma de ver Selma Blair em um papel de uma mulher casada em meio ao turbilhão das escolhas. Com relação ao diretor e ator, até que Edward Burns não é um cara medíocre, afinal ele se preocupou em trazer um filme com ar mais maduro à luz dos relacionamentos.

    Eu assumo que esperava mais do filme ao ver o trailer, na profundidade das relações amorosas, além disso, acho que o filme se arrasta em determinado ponto já que acaba não incluindo grandes dramatizações, enfim, acontece...


    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Bruno,

    Estou bem e na luta diária, rs! Espero que esteja bem!

    Sim, vale a pena conferir pelos motivos que expus, e também por ela. Selma Blair carrega o filme nas costas e gostei de vê-la nesse tipo de papel, mesmo que eu não morra de amores por ela,rs! Acho-a esquisita,rs!


    bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière