sexta-feira, 6 de julho de 2012

Confiar (Trust) - 2010

Quando a confiança é necessária e é quebrada.






Confiar é o longa dirigido  por David Schwimmer, popular ator que fez sucesso com o seriado Friends. Com grandes atores no elenco como Clive Owen e Catherine Keener e a jovem e promissora Liana Liberato, o filme retrata a história de uma adolescente que é vítima de abuso sexual ao conhecer um homem mais velho pela internet. Muito mais do que um tema moderno frente à degradante realidade dos crimes sexuais e do crescimento da pedofilia na internet, Confiar torna-se um filme muito pessoal do diretor, com um olhar muito sensível ao drama de uma adolescente traída e violada em sua intimidade sexual, pois David é ativista da Rape Foundation, uma instituição que presta suporte a crianças abusadas sexualmente e a seus familiares.







No roteiro, a estrutura é previsível porém eficaz para analisar a aproximação do criminoso sexual de uma jovem solitária. Ele coloca o expectador na realidade de como uma adolescente, carente e ingênua, é enganada por um homem adulto pervertido. A adolescente Annie (Liana Liberato) tem problemas de autoestima e uma necessidade de se afirmar  como uma garota colegial desejável e aceita pelo grupo de colegas. O personagem dela segue aquele estereótipo cinematográfico da menina mais caseira, de poucos amigos, que nunca namorou nenhum dos colegas atléticos do colégio e é considerada estranha pela garota mais popular da escola. A partir dessa linha de desenvolvimento, o personagem de Liana é coerente com o que acontece na realidade. Ela é inexperiente mas, como toda mulher jovem, quer ser apreciada. Ela inicia chats  na internet com o desconhecido Charlie, pouco a pouco se envolve platonicamente e afetivamente com ele, confia nele, perdoa-o, deseja-o com papos íntimos e encontra-se com ele. Liana a interpreta muito bem,  com veracidade e emoção, em um misto de desejar essa independência como mulher mas vulnerável como qualquer adolescente.






Charlie (Chris Henry Coffey), o criminoso sexual, é bem caracterizado a partir de uma aparência comum e patética, uma voz mansa e manipuladora, mais um Zé ninguém que oculta um psicopata. Através das falas nos chats e de como ele a aborda e a leva para o motel, o personagem dele é bem asqueroso, porém de uma forma discreta, exatamente como ocorrem nos noticiários. Tal caracterização dele é um acerto do roteiro porque os pedófilos são cínicos tarados sexuais que ganham a confiança da vítima como se fossem "bonzinhos". Podem ser os homens mais ordinários do cotidiano, como aqueles que ninguém desconfia que são o que são. Embora o desfecho do filme tenha sido abrupto em termos de ritmo da narrativa, ele deixa claro que o criminoso sexual pode ser qualquer um, inclusive um pai de família respeitado pela comunidade.











As atuações de Clive Owen e Catherine Keener são muito boas porque a escolha por eles foi positiva, além do mais há a presença ilustre de Viola Davis como a assistente social que, com sábias e simples perguntas, esmiuça o  quadro de negação da vítima. Clive, com seu estilo truculento e de fisionomia intempestiva quando fica nervoso, exerce bem o papel de pai revoltado, que deseja fazer justiça com as próprias mãos. Catherine é a cereja do bolo no filme, ainda que seu personagem não ganhe um desenvolvimento muito denso, vê-la na tela é sempre um bel prazer. Como uma grandiosa atriz indie, sua participação coadjuvante é centrada, madura e dramática, tudo na medida certa. Ambos ressaltam que os pais tem emoções distintas e contraditórias perante o problema:  podem se desesperar e fazer algo insano, podem se tornar mais protetores, se sentirem culpados ou não saberem o que fazer. De fato, ter um(a) filho(a) vítima de abuso sexual é doloroso e sempre traz muitas questões nevrálgicas: Eu protegi meu filho como deveria? Ele confiou em mim? Por que ele se aproximou de um desconhecido e deu espaço a intimidades? No geral, o filme é bom ao enquadrar algumas cenas que lançam essas questões que levam à reflexão. Infelizmente as questões não são evoluídas em sua profundidade, o que tornaria o filme excepcional com o assunto tão delicado e contemporâneo. 






Por outro lado, não se pode esquecer que Confiar ainda é um filme mais comercial com excelente elenco. Sua intenção não é tornar o drama mais drama e adentrar a psicopatia de um criminoso sexual, esmiuçando a sujeira do abuso de menores. Percebe-se que a película é mais convencional e funcional, com os devidos clichês. Ela expõe o 'processo' de como ocorre na prática quando duas pessoas se conhecem na internet e uma delas é abusada: Uso de planos com as legendas das transcrições de chats, conversas de flerte em celular e telefone, encontro às escuras, mentiras perdoadas, abuso e vergonha, etc. Logo mais, há o envolvimento da polícia, da assistente social, do bullying na escola etc. 












Sem dúvidas, a parte mais interessante do filme é a negação da vítima de abuso sexual. Neste contexto, Annie não acredita que o criminoso é um criminoso, principalmente quando ouve uma troca de confidências e confiança entre eles. Para ela, Charlie a valorizava e a amava. Ela era única. Acreditar nessa mentira só ressalta que ele a enganou com a mais degradante hipocrisia. Também a película acerta ao  não ser tão maniqueísta com o tema, ou seja, Annie deu abertura de sua vida à Charlie e isso pode acontecer com qualquer um, pois as pessoas se iludem e são traídas. Ainda que seja uma jovem imatura, como é comum na internet, ela trocou intimidades até mesmo de fantasias sexuais com um estranho. Há algumas vítimas que acham que são amadas pelos canastrões que as abusaram. É aí que mora o perigo. A narrativa constrói e  desconstrói a negação dela de uma maneira tênue e exemplar, que reflete a realidade de alguns casos pós traumáticos de abuso sexual, no qual a vítima tinha uma relação afetuosa com o criminoso. É mais traumático negar a quebra da confiança do que ser enganada.






Confiar garante uma boa sessão, tratando de forma mais leve um assunto pesado. No desfecho, a lição que fica é solidarizar-se com a dor de Annie, não somente pelo abuso em si, mas porque ela só deseja o que é intríseco ao ser humano: ser aceito, amado e desejado. Querer isso tem consequências boas e ruins. Assim, a bela canção tema, My Declaration, de Tom Baxter resume a personagem de Annie e é comovente, bem inserida na trilha sonora. Verdadeiramente, Annie não queria se esconder. Ela queria superar a sua autoestima e ser mais madura. Depois do ocorrido, muito mais, ela terá que ser forte como tantas crianças e jovens que vivenciaram esse drama. Infelizmente, as pessoas se ferem quando querem crescer. Elas se ferem quando querem Confiar.







Título original: Trust
País/Ano: EUA/ 2010
Diretor : David Schwimmer
Roteirista: Andy Bellin, Robert Festinger
Elenco: Liana Liberato, Clive Owen, Catherine Keener, Viola Davis etc.


4 comentários:

  1. A trama desse filme é das mais interessantes e acho muito curioso que o David Schwimmer, praticamente, depois de "Friends", se dedica bem mais à carreira como diretor. Eu ainda não consegui achar um bom horário pra assistir a este filme, mas espero poder pegá-lo qualquer dia desses no Telecine Premium!

    ResponderExcluir
  2. Não confiei (com o perdão do trocadilho) nesta obra do eterno Ross na posição de diretor. Na época, pouco se ouviu falar e um amigo que assistiu disse ser apenas um filme morno e de caráter moralista. Acho o tema muito delicado e polêmico, se fosse ver, seria por isso. Voltou com tudo em, Madame? Que ótimo! =)

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com raiva da protagonista em diversos momentos, rs Mas realmente é um bom filme e bastante válido sobre o assunto!

    ResponderExcluir
  4. Ainda não assisti o filme, mas neste caso até vejo o lado comercial do filme com bons olhos. O tema precisa ser tratado mais abertamente nos seios familiares e na escola e um filme acaba funcionando como uma abertura para o diálogo. Ainda pretendo assisti-lo, amigos que viram gostaram bastante...

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/07/compramos-um-zoologico.html

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière