terça-feira, 10 de julho de 2012

Rapidinhas da MaDame: Pronta para Amar (A Little bit of heaven) - 2011


Rapidinhas no MaDame:
Porque o que importa é o prazer da Cinefilia




Sobre a história: Marley Corbett (Kate Hudson) é uma jovem, bonita e divertida publicitária que curte sua liberdade sexual e é avessa a compromissos amorosos. Quando descobre que tem uma doença fatal, conhece o Dr. Julian Goldstein (Gael García Bernal) e inicia tratamento médico, tendo uma mudança de vida.


Opinião Geral sobre o filme:  A história é uma comédia romântica com um elemento muito dramático: o câncer em uma mulher cheia de alegria e energia para viver. Marley é uma mulher desapegada de relacionamentos amorosos e tem uma relação tensa com os pais, porém tem um grupo de amigos que cumpre o papel de família. A partir da descoberta de sua doença, ela  nos leva a tratar o tema com leveza, porém  ligeiramente comovidos com o fato dela ser tão jovem e somente descobrir o verdadeiro amor em um momento tão delicado e vulnerável de sua vida, na qual não há esperança de cura.  A ideia geral de Pronta para amar é que o paraíso afetivo pode acontecer quando já não temos tempo de desfrutá-lo e temos que continuar a viver até que nos falte o ar, ainda que viver seja aceitar a doença e a morte. De fato, o filme tem razão e deve ser valorizado sob essa perspectiva. Marley só aprende a amar  um homem e perdoar aos pais quando a doença não tem reversão. Talvez se ela não tivesse a doença, ela continuaria vivendo a vida adoidado, sem qualquer apego a um homem ou à família. Nunca é sabido quando partiremos e, é bem provável que, no leito de morte, questões que não tinham nenhum valor começam a tê-lo. O longa não é tão ruim e nos faz refletir que a vida é curta e que devemos lidar de uma forma mais leve com a morte, mas o roteiro e a direção são bem deficientes e abre espaço para questionamentos: Essa história é verossímil? Verdadeiramente, há um fundo de faz de conta nela. Até Deus surge, na figura de Whoopi Goldberg, para conceder os 3 últimos desejos à paciente, mas a inverossimilhança não está nisso, está na falta de um roteiro verdadeiramente humanizado. Muitas das falhas do filme é que ele não é tão convincente: a maneira racional e passiva como Marley reage à doença, a forma como o romance entre ela e Julian se desenvolve são exemplos de que a doença é uma pseudoprotagonista que não exerce o seu papel principal. Há até momentos que é questionável se existe amor no casal pois parece um romance ensaiado e com data de validade. Só é possível ver o humanismo da questão com personagens como a amiga grávida Renèe (Rosemarie DeWitt) e a mãe de Marley (Kathy Bates) que garantem algumas cenas marcantes. Os demais inclinam muito à um estado de negação total, que é incompatível com a gravidade de uma doença como o câncer. Sinceramente? Deveria haver mais verdade humana nesse roteiro. Embora trate de um tema sensível, Pronta para amar perde na própria sensibilidade do tema. Ela tem câncer como quem tem uma gripe e nisto reside o risco do filme tratar o tema somente como o "encare a própria morte e, enquanto estiver respirando, viva o amor  e aceite a doença".

O prazer: Kate Hudson é muito carismática para esse tipo de gênero. Seu sorriso ilumina a tela e a gente acaba perdoando sua mediana e repetitiva atuação em comédias românticas. A participação de Kathy Bates como Beverly, sua mãe e de Whoopi Goldberg  como Deus são bem vindas na telinha.

O desprazer: Roteiro e direção não ajudam na qualidade do filme e, a atuação de Gael Garcia Bernal é precária, transmitindo a sensação de que ele não se sentiu bem nesse tipo de filme. Apesar de sua bela presença ser um colírio, ele merece fazer longas melhores e mais aderentes ao seu talento.


Por que vale a rapidinha? Faz a gente encarar a ideia de morte e de doença de uma forma mais otimista e redentora.

Rendimento: 
Ficha técnica no Imdb

5 comentários:

  1. Tenho o filme aqui, mas nunca me sentei para assistir. Parece apenas mais um daqueles romances enlatados que são lançados aos montes anualmente. Mas talvez eu esteja errado.

    http://avozdocinefilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O filme realmente tem muitas falhas... É fraco e não é sensível como deveria. Esquecível até dizer chega!

    ResponderExcluir
  3. Eu já imaginava que o filme não seria muito bom, só pelo fato de Kate Hudson não fazer um bom filme desde Quase Famosos.

    Visite também:
    http://peliculacriativa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. De uma certa forma, a trama desse filme é muito injusta. A personagem principal está no auge da vida quando é confrontada com a doença. Como eu sou uma boba para esse tipo de filme, acabei me emocionando muito com a história, mas a verdade é que o longa é mesmo muito irregular.

    ResponderExcluir
  5. Achei este filme um horror. Fiquei até irritado na época. Concordo: a personagem trata tudo com muita racionalidade. O roteiro não consegue equilibrar o humor e o drama e acaba se perdendo. E o final, supostamente edificante, só causa vergonha alheia.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière