segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Cine Família: O Menino e o Mundo (The Boy and the World) - 2013



O campo da Animação é um terreno fértil para o desenvolvimento do setor audiovisual Brasileiro, potencial para viabilizar projetos na Economia criativa e, principalmente, está evoluindo no país e trazendo bons resultados, entre os quais destacam-se este ano Até que a Sbórnia nos separe  dirigido por Otton Guerra e Ennio Torresan e o maravilhoso  O menino e o Mundo, sob a direção de Alê Abreu. Com belíssima trilha sonora de Gustavo Kurlat e Ruben Feffer e a contagiante canção Aos Olhos de uma criança com o rapper Emicida,  a animação teve boa recepção pela crítica e público e no exterior conquistou premiações nos festivais de Annecy, Mill Valley, Shangai etc. No Brasil, foi destaque na 37ª Mostra  Internacional de Cinema de São Paulo e ganhou o prêmio da juventude.









O Menino e o Mundo é uma animação diferente daquelas convencionais e muito comerciais que priorizam o uso intenso de recursos tecnológicos para fazer a diferença na Tela Grande e na bilheteria. Nele, o trabalho é de uma delicadeza ímpar. É como abrir um livro infantil, pegar recortes, giz de cera e lápis de cor e desfrutá-lo com os olhos de uma criança e muita imaginação, participando ativamente daquelas belas ilustrações que se movem e constroem a narrativa com um esplêndido efeito lúdico e uma  estimulante jornada de descoberta. É uma animação que, mesmo que de forma surreal, traz à experiência cinematográfica o desejo de participar da história do garoto que, saudoso do pai, saí da sua vila, entra em contato com um fantástico mundo contemporâneo e se confronta com questões como solidão, tristeza, pobreza, desemprego, industrialização, progresso etc. Através de um roteiro incrível, fruto de uma competência artística para uma cativante ilustração e uma capacidade de se comunicar com a plateia com sutilezas que não precisam de uma língua compreensível e grande aparato tecnológico, O Menino e o Mundo é um dos melhores filmes Nacionais de 2014 e uma evidência clara de que a animação é um universo audiovisual diferenciado a ser explorado no mercado Brasileiro. 






Impregnada de criatividade e sensibilidade, essa animação era originalmente um documentário chamado Canto Latino, o que explica muito de sua energia de explorar o mundo com cores, língua e som exóticos. Em partes da narrativa, fica mais evidente a riqueza da trilha sonora e sua fusão de sons que valorizam a nossa própria latinidade. Igualmente enriquecedor é como o menino se aventura em um universo que está tão próximo de nós: desde subir um morro  e conhecer uma comunidade até ver a beleza colorida da natureza e as músicas de uma festa de rua, passando pelo abandono de um idoso doente que não pode mais trabalhar e um jovem que olha uma vitrine e não tem dinheiro, a animação proporciona a visão de muitas coisas cotidianas e coopera para educar o olhar do público.  Alê Abreu também consegue absorver ao máximo a modernidade do mundo industrial comandada por empreendedores e empresários e, de uma maneira muito versátil e articulada, entrega  uma animação que contempla variadas facetas do progresso e do desemparo social sem deixar de lado imagens marcantes da natureza bucólica e em família, da magia da descoberta do mundo e do amadurecimento, da inevitável melancolia e tristeza.





Entre tantas virtudes, há uma especial na história desse menino  desenhado com traços simples e poderosamente carismático:  a narrativa é construída com técnicas de desenho com giz de cera, lápis de cor, pinturas e colagens. É um trabalho de papel, de lápis na mão com alma e coração. É tão extraordinário na sua simplicidade artesanal que consegue ser inovador para o Cinema Nacional. A cada plano, Alê Abreu faz lembrar do livro exercícios de crianças de Manoel de Barros, uma fascinante obra literária infanto-juvenil também ilustrada artesanalmente: ali está um mundo de despropósitos aos olhos de uma criança, afinal o menino sai para procurar o pai e encontra outras realidades. Esse longa é um mundo mágico que também mostra a realidade do mundo adulto e seus propósitos sociais e econômicos. Com maestria, o diretor demonstra total carinho no processo criativo e uma linda entrega de sua arte cinematográfica em cada detalhe colorido que encanta como a palheta de cores de uma mandala , em cada emoção do menino como se fosse a criança que ainda somos. E, de repente, a emoção que tanto surpreende chega à Tela com gestos que une diferentes gerações e ali está o menino a conhecer um idoso e um jovem pobre como companhias, depois a olhar para o vagão de um trem e pensar que uma daquelas figuras tão parecidas era o seu pai e assim, com sensibilidade, arte e sabedoria, O Menino e o Mundo nos conquista com um mundo fantástico de que une o familiar e o explorar o (des)conhecido, a alegria e a tristeza, o sonho e a realidade.





Ficha técnica do filme ImDB O menino e o mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière