sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Lucía de B - 2013





Lucia de B é um filme holandês de Paula van der Oest e é baseado em uma história verídica sobre a enfermeira Lucia de Berk, que foi acusada de matar bebês e pessoas idosas e permaneceu quase 7 anos na prisão. O processo jurídico de seu caso perdurou por anos, com idas e voltas entre apelações e envolvimento da Suprema Corte, além da histeria coletiva da mídia e os irreparáveis traumas emocionais para ela e sua família.


Esse filme é um thriller psicológico que, devido à ingenuidade de como o roteiro foi escrito, tinha de tudo para ser bem superior ao resultado final e articular melhor o drama pessoal com as tomadas em tribunal. Mesmo com essa lacuna, tem o seu valor exatamente pelo benefício da dúvida e o senso de justiça: Ela é inocente ou culpada? É fácil  identificar a resposta logo no início do roteiro, mas somos incentivados a acompanhar a sua história e como há interesses individuais, empresariais e midiáticos em criar certos monstros que, na verdade, tem o direito de provar que são inocentes. Como a boa atriz Ariane Schluter carrega um semblante pesado e uma atuação de uma mulher deprimida e isolada, a caracterização de Lucia de Berk incentiva o público a achá-la esquisita, uma bruxa má. 


As provas da acusação não são tão claras, nem desenvolvidas em profundidade e indicam que, ou o roteirista não conseguiu explorar melhor o plot do julgamento ou era a intenção expô-las superficialmente para evidenciar a fragilidade dos equívocos legais em um processo. Nesse aspecto das tomadas em tribunal, falta tensão e mais argumentação e, portanto,  talvez o filme poderia ter trabalhado melhor essa representação na mise en scene. Outro aspecto é que  personagens coadjuvantes como Sally Harmsen, que interpreta a assistente da advogada de acusação, replicam a fragilidade de seus próprios argumentos e o comportamento arrogante de alguns profissionais do sistema jurídico. Ela e sua chefe Ernestine (Annet Malherbe)  são advogadas vaidosas que querem somente ganhar. Em uma das reviravoltas, fica evidente que é preciso olhar mais atentamente todos os aspectos legais. Dada a sua importância na história, Sally é um atriz muito júnior em cena e poderia ter sido melhor dirigida.


O diferencial de Lucia de B é o de "não julgar o livro só pela capa". Abra o livro e leia algumas páginas, tome as devidas referências, escute diferentes pontos de vistas e analise - o melhor.  É um filme que faz o público pensar sobre as vulnerabilidades do sistema jurídico criminal e quantos condenados são injustamente julgados.  É um tema bastante contundente em uma história que emociona pelo seu trágico impacto na vida de Lucia de Berk. 







Ficha técnica do filme ImDB Lucia de B

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière