segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Mostra SP 2010: O Ultraje (Outrage / Autoreiji) - 2010


Se você gosta de filmes de gângsteres elegantes e brutais, O Ultraje do mestre Takeshi Kitano é a máfia japonesa em ação. O cineasta traz a maldade da tradicional Yakuza às telas com extrema violência e humor negro em um roteiro que só pecou porque perdeu a chance de elaborar melhor os conflitos entre as famílias mafiosas que competem por territórios de tráfico de drogas, prostituição e jogos ilegais. O início embroma bastante o desenvolvimento da narrativa por motivos bem ingênuos, os Yakuzas começam a brigar e gritar uns com os outros pelo motivo mais elementar possível, é impossível não rir como a maldade é banalizada ao extremo como se fossem crianças malvadas brigando por um doce. Dedos são decepados, rostos são transfigurados e haja sonoplastia de porradas em brigas que nunca tiram a elegância dos terninhos. No desfecho, fica evidente que Kitano ressaltou o grupo de extermínio que uma organização mafiosa como a Yakuza representa, na qual as peças humanas vão caindo uma a uma pela ganância e traição alheias. O grande prêmio de entretenimento ao público é um longa metragem muito mais comédia negra do que um drama. Os japoneses mafiosos berram uns com os outros e matam desenfreadamente como um circo dos horrores. O sarcasmo é o triunfo do filme, muito bem apoiado pelo bom gosto da câmera de Kitano.






Os personagens não são desenvolvidos. O elenco é estruturado para compor como se dá o funcionamento e as relações frágeis da máfia japonesa, assim como as manobras por resultados do negócio sujo. Elas funcionam como se fosse uma empresa com relações hierárquicas bem marcadas, influência política, promoções de posições e puxadas de tapete. Há a figura do Sr Presidente a quem todos devem o respeito. O Sr. Presidente tem um secretário. Abaixo estão os clãs inimigos dos Ikemoto-Gumi (Jun Kunimura) e dos Maruse (Renji Ishibashi)
que alimentam o ódio fervoroso e brigam pelo controle do submundo japonês, porém mantém a aparente diplomacia até um certo ponto quando a carnificina entra em ação. Otomo (Takeshi Kitano) é o yakuza que trabalha para o seu irmão de máfia Ikemoto, faz o trabalho sujo e, de trabalho a trabalho, vai ganhando poder. E, sempre há uma polícia corrupta e bem paga pela máfia. Como toda ação e reação, basta um conflito na Yakuza para começar o jogo de xadrez até o cheque-mate, aqui, não tão inteligente por conta da falta de elaboração de um texto melhor, um roteiro mais conflitivo e com desenvolvimento de personagens. Porém após refletir bem sobre o longa, há uma explicação para entender o enfoque de Kitano neste roteiro: para que elaborar uma grande trama se as relações nesta máfia são superficiais e facilmente corruptíveis e traíras? Não há lealdade, o que há é muita hipocrisia, vingança e mortes. Os mafiosos não valem nada uns para os outros, por isso que o apelo sarcástico e violento na narrativa é muito funcional. As relações estão desprovidas de humanidade, abater o homem é modus operandis para Yakuza. As cenas que colocam a ética no chão, a deslealdade comprada por uma fake promoção ganha uma dimensão até mesmo coletiva. A máfia pode estar em qualquer contexto social, não só na Yakuza.






Mesmo em meio à violência extrema, de forma fascinante, Kitano dirige o seu filme com um olhar claro e sereno, ressaltando que matar na máfia é um trabalho sujo que é projetado na tela de forma limpa, em alguns planos chega a ser poético como o movimento de câmera após a morte de um mafioso por decapitação. A câmera fixa o corpo no chão, o saco negro cobrindo a cabeça e a corda no pesçoço, logo mais adiante, a visão das ondas do mar, o melancólico silêncio de uma morte solitária. Escolhas como as desta sequência fazem a diferença no olhar de O Ultraje, por isso a sua qualidade é mais procedente da direção que do roteiro. Há close-ups muito bem enquadrados, planos contemplativos prolongados pelo silêncio, o refinamento de um elenco impecavelmente bem vestido em seus carros igualmente impecáveis, a bela trilha sonora de Keiichi Suzuki e uma seleção de elenco que retrata belamente o gangster universo japonês com homens elegantes, tradicionais e impiedosos. Kitano trabalha com tenacidade mesmo com o sanguinário argumento. Ele fala através do não verbal, por isso os fãs de Kitano conseguirão compreendê-lo de forma muito mais imediata o porquê ele não fez questão de elaborar grandes tramas.
Para conferir ao longa o crédito que ele merece é necessário atentar-se de que a máfia japonesa é manobrada assim: violência gratuita por homens sem ética que descartam homens sem ética. O homem é descartável aqui e Kitano faz questão de dar fim um a um. O ultraje é evidente, e de forma muito interessante, ele começa na forma como eles se comunicam: bravejam, insultam furiosamente. O poder de destruição do homem recae na própria organização a qual ele faz parte, logo qual a razão dele pertencer a uma organização? Poder e ganância a qualquer custo que inquestionavelmente culmina na sua autodestruição.


Avaliação MaDame Lumière



Título original: Autoreiji
Origem: Japão
Gênero: Ação, Crime, Drama
Duração: 109 min
Diretor(a): Takeshi Kitano
Roteirista(s): Takeshi Kitano
Elenco: Takeshi Kitano, Beat Takeshi, Jun Kunimura, Ryo Kase, Renji Ishibashi, Kippei Shiina, Takashi Tsukamoto, Tetta Sugimoto, Fumiyo Kohinata, Tomokazu Miura, Sôichirô Kitamura, Yukiyo Tanahashi, Eihi Shiina.

3 comentários:

  1. Este filme me ganhou quando li Takeshi Kitano!

    ResponderExcluir
  2. O nome de Kitano em um projeto certamente chama a atenção e seu texto me deixou bem curioso pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Me recordo deste filme ter sido considerado um dos piores exibidos em Cannes este ano. Sua crítica, porém, muita assertivamente desmontou minhas expectativas configuradas na cobertura do festival francês.
    Beijos

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière