segunda-feira, 15 de novembro de 2010

MaDame Series Opina: Seriado The Walking Dead - 1x01 - Days Gone Bye ( 1ª Temporada - 2010)

MaDame Series Opina: O momento fora de série sobre Seriados de TV





Observem a solidão pós-apocalíptica do pôster de The Walking Dead, a nova série produzida por Frank Darabont, baseada no HQ homônimo de Zumbis de Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard, recém-estreada na AMC, com exibição pela Fox no Brasil. Sua beleza fotográfica está totalmente relacionada à estética de The Walking Dead: visceral na qual o silêncio de um mundo acabado, a tensão pela sobrevivência, o horror de zumbis fétidos e a emoção pela busca de uma família transforma o principal protagonista, o xerife Rick Grimes (Andrew Lincoln) em um andarilho entre os mortos vivos errantes. Após acordar em um hospital, Rick se vê em um mundo tomado por zumbis famintos por carne humana. Sem entender o que se passa ao seu redor, como acordar de um coma em uma inadequada realidade, ele dá início à sua jornada em busca de sua esposa Lori (Sarah Wayne Callies) e Carl (Chandler Riggs). Em seus primeiros 30 minutos de duração, o piloto demostra claramente que séries como esta têm uma direção e roteiro de qualidades excepcionais, capazes de derrubar longas-metragem que mais parecem mortos vivos do Cinema.








O roteiro de The Walking Dead não é nada ingênuo, pelo contrário, ele é muito bem elaborado a partir de como os planos cênicos realistas se misturam à visceralidade zumbilesca e a carga emocional que move os humanos sobreviventes. Tudo ali foi pensado com um propósito a ser desenvolvido em episódios posteriores. Rick tem um amigo policial Shane (Jon Bernthal) com o qual troca confidências sobre o casamento. Rick tem uma esposa com a qual discute antes de ser hospitalizado. Rick participa de uma cena dramática ao encontrar uma garota Zumbi. A partir destes elementos relacionados ao xerife, já é possível compreender o porquê ele é o líder da série e tem uma ação protagonista que promete colocá-lo no clímax dos principais dilemas. Neste formidável piloto, os Zumbis entram pela porta da frente como todo piloto deveria ser. Com uma maquiagem fantástica, não é o horror visual em si que desperta ambíguas sensações entre o terror e o riso, mas por trás dos Zumbis, há um sentimento de comiseração que nos atinge em cheio. Eles são mortos vivos que tinham vivacidade. Eles tinham uma família. Eram pais, filhos, mães, irmãos. O roteiro não deixa isso de lado, e entrega em algumas cenas o apelo emocional de Zumbis que simplesmente foram fatalizados pelo azar de se tornarem quem são. Em duas imperdíveis cenas, com Morgan Jones (Lennie James) enfrentando o passado familiar que ele deve deixar para trás, e com as palavras de Rick a um Zumbi que se arrasta pelo chão, fica claro que, emocionalmente, The Walking Dead é uma produção Zombie diferenciada, e com um elenco talentoso e bem preparado. São cenas de clímax dramático para arrebentar o nosso coração como se fosse a cabeça de um pobre Zumbi.









Mesmo que The Walking Dead esteja dando seus primeiros passos, o seu diferencial é o competente trabalho de câmera, o olhar directivo que conduz muito bem os planos em detalhes, seja nos longos silêncios, seja nos in(tensos) momentos de suspense, e que é bem apoiado pela fotografia e a cenografia. Considerando o tempo de duração de um episódio (no máximo uma hora), a produção é harmônica e amarra todas as arestas com um roteiro conciso e eficaz. Somos impulsionados a adentrar este aprisionante mundo pós-apocalíptico que não oferece nenhuma escapatória, e ele se torna uma realidade para nós. Ninguém precisa gostar de Zumbis para reconhecer e aplaudir o cuidadoso trabalho de filmagem da série. Fantásticos enquadramentos da câmera com câmeras altas e baixas e close-ups marcantes que, qualquer bom cinéfilo deve conferir, mesmo que não seja um maníaco por séries.


Avaliação MaDame Lumière




Dirigido por Frank Darabont. Com Andrew Lincoln, Jon Bernthal, Sarah Wayne Callies, Laurie Holden. Roteiro de Frank Darabont. Baseado na HQ The Walking Dead de Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard.

Um comentário:

  1. Esse primeiro episódio dirigido pelo Frank Darabont é espetacular! Tenho certeza que ele levará o Emmy de direção por este aqui.
    Perfeitas e pontuais as observações acerca da estética, da técnica e da qualidade de The walkind dead madame. Entretanto, sou obrigado a admitir um receio: Acho que a segunda temporada, recentemente confirmada pelo AMC, não manterá o mesmo nível. Vale lembrar que The walkind dead foi concebida como uma minissérie de 6 episódios. Dilatá-la pode não ser uma boa idéia. O que aconteceu com Roma é um bom exemplo disso...

    Beijos

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière