domingo, 7 de novembro de 2010

Mostra SP 2010: Querido Muro de Berlim (Liebe Mauer) - 2009



Em tempos de comédias românticas pasteurizadas e produzidas como em uma pastelaria sem quaisquer deliciosos recheios e sabores em seus roteiros, Querido Muro de Berlim é amor à primeira vista, como dizem os alemães, 'Liebe am Ersten Anblick'. Um filme adorável a partir da idéia de agregar ao romance o contexto histórico da Alemanha dividida entre a socialista RDA e a capitalista RFA, em uma dolorosa época sufocada pela Guerra Fria. Através do inusitado encontro entre uma jovem da Alemanha Ocidental, Franzi (Felicitas Woll) e de Sascha (Maxim Mehmet), um guarda da Alemanha Oriental, vigilante no Muro de Berlim, o longa transmite a mensagem que não há limites para o Amor. Ele está acima de barreiras físicas, e há de vencer. Franzi e Sascha enfrentam as diversas situações de resistência imposta pelo Sistema. Desde serem proibidos de se encontrarem a serem perseguidos e pressionados por organizações como CIA e Stasi (o Serviço Secreto da Alemanhã Oriental, que zela pela Segurança da República), o filme não morre no comodismo de declarações de amor e amorosidades cotidianas, desta forma, integrando ao roteiro um toque de suspense do que acontecerá ao apaixonado casal.






Dirigida e roteirizada por Peter Timm, a comédia é bem cativante e inteligente da forma como romance e História são abordados, o que é uma raridade dentre comédias teen que são facilmente esquecíveis. Chega a ser poeticamente fofa. A começar pelo momento no qual se apaixonam como aquele barulho de sino que acelera o coração e mantém os olhares fixos um no outro. Sascha toma uma atitude de vida ou morte para ajudar Franzi, um ação que o aproxima e demonstra que ele é único, um gentleman. É como um primeiro amor adolescente, o terno e sem limitações, no qual ela, estando do lado Ocidental e morando próximo ao Muro, chega a mostrar mensagens românticas escritas em um papel enquanto ele está de guarda. Sonhos de amor como 'Ich will mit dir tanzen' (eu quero dançar com você!) são inspiradores e coloridos próximos a um muro cinza e uma vida em preto e branco. Tal exemplo foge do convencional da situação histórica amarga, dá espaço ao lúdico ainda que o filme seja bem realista a partir das características desta fase histórica que são incluídas no roteiro e da cenografia utilizada.
O que difere de uma simples comédia romântica é a sutileza da inclusão destes elementos históricos, ou seja, eles na pesam na história mas mostram referências claras da História. Eles fazem tanto a diferença na qualidade da comédia que, para compreendê-los, é recomendado estar contextualizado sobre este período. Alguns exemplos são as diferenças de preços entre produtos vendidos na RDA e RFA, o desespero, a fuga e o risco de morte de cidadãos da RDA que queriam escapar do aprisionamento do Leste, repressão, chantagem, acusação e desconfiança dos sistemas de espionagem, e principalmente na República Democrática, a burocracia no trânsito de alemães ocidentais nas zonas fronteiriças do Muro, o nacionalismo exacerbado e geracional dos militantes da RDA, os dilemas dos jovens que, durante 28 anos de existência do Muro de Berlim, aprenderam a ter mentalidades diferentes, etc.





De maneira geral, o roteiro prioriza muito mais o contexto da Alemanha Oriental, que é a prisão em si e onde está a problemática para a continuidade deste amor
.Sascha é o mais amargurado pela situação. Ele tem uma função militar, ditada por regras autoritárias. Ele está exposto a um sistema que o chantageia e que pode levá-lo à prisão ou à morte. Ele não pode visitar Franzi no Lado Ocidental. Ele tem um pai tradicional que defende os valores da RDA. Ele personifica a pobreza dos cidadãos da RDA pois até para sair com a namorada precisa de um jeans emprestado. Ele não tem orgulho de exibir a farda. Ele é colocado entre a cruz, a espada e o coração. Por estas razões, pelo amor juvenil que move os protagonistas , pelo carisma e química de Felicitas Woll e Maxim Mehmet, e pela agradabilidade de um romance que une Alemanhas diferentes é que o Muro de Berlim tem sua função totalmente invertida para algo positivo, ambiguamente algo querido, que os une e que os separa, mas que ainda é a razão que não os pode separar. Através dele, Franzi e Sascha se conhecem, se apaixonam, lutam pelo amor e permanecem juntos.

Assista ao vídeo Música Neue Ufer, tema do filme - cantora Nadja Bienge






Avaliação MaDame Lumière


Título Original: Liebe Mauer
Origem: Alemanha
Gênero(s): Comédia Romântica, Romance
Duração: 103 min
Diretor(a):
Peter Timm
Roteirista(s):
Peter Timm
Elenco:
Felicitas Woll,Maxim Mehmet, Anna Fischer,Thomas Thieme,Kral Kranzkowski, etc.

Um comentário:

  1. não gosto muito de comédias românticas, acho que por ver demais tudo que Adam Sandler, Jim Carrey e afins fazerem esse gênero repetidamente, mas esse parece ser interessante, não pelo cunho do amor com humor, mas por esse tema ser tratado num contexto histórico marcante. já coloquei na minha lista de próximos. (:

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière