domingo, 31 de outubro de 2010

Mostra SP 2010: Machete (Machete) - 2010

"They just fucked with the wrong Mexican"


Pauleira ultraviolenta, hilária diversão, eletrizante ação do começo ao fim e a ascensão de um super herói latinoamericano definem bem o porquê Machete, o longa-metragem de Robert Rodriguez e Ethan Maniquis é um filmaço engraçado e que não se afasta de sérias questões sócio-políticas polêmcias como a imigração ilegal de mexicanos e o conflito com a polícia norte-americana, os interesses gananciosos e antieticos de políticos e narcotraficantes e a intolerância étnica com imigrantes latinoamericanos. Assim, os roteiristas realizam um filme muito bem recortado e completo que entretem e agrega massa crítica à audiência, usando recursos que combinam com o estilo Robert Rodriguez de ser, como bom amigo de sangue de Quentin Tarantino, ele abusa da violência, do humor e da sensualidade, e toda esta mistura é bombástica.






Machete (Danny Trejo) é um ex-agente federal mexicano ultraviolento que é traído pela organização corrupta a qual pertence. Tendo desavenças com o chefão do tráfico de drogas Torrez (Steven Seagal), Machete se torna seu inimigo número 1, e como todo super herói, Machete tem perdas terríveis que o tornam um homem paralelo na sociedade, sem país, sem família. Ele é contratado por Michael Booth (Jeff Fahey) para matar um senador inescrupuloso John McLaughlin (Robert De Niro) o qual defende a proibição total da imigração de mexicanos e extermínio de qualquer um deles que cruzar a fronteira dos Estados Unidos. Machete acaba sendo traído de novo e será perseguido pelos bad guys da história, incluindo o matador chefe de polícia da fronteira, Von Jackson (Don Johnson). Porém, Machete não está sozinho, ele é apoiado pela "Rede" que é uma organização clandestina de defesa dos mexicanos, liderados pela revolucionária She (Michelle Rodriguez). Além de Rodriguez, complementam o time de beldades a policial da imigração, Sartana Rivera (Jessica Alba) e a filha drogada e safada de Michael, April Booth (Lindsay Lohan).






Machete é um filme de ação muito bem construído no roteiro e direção, com uma trilha sonora tensa e arrebatadora e uma montagem concisa que dá uma velocidade fantástica à ação. O filme é envolvente para quem aprecia o gênero e apreende a atenção com tensão. A forma como o humor é mesclado à violência arranca risadas nervosas e a teia que tece o suspense com o entretenimento e a crítica à ganância é genial. Há cenas imperdíveis como a do intestino, a do tiroteio em uma paróquia ao som de Ave Maria, a de um assassinato como a crucificação de Cristo, a do explosivo confronto final, a de uma morte em uma cerca elétrica, a de um ménage a trois e, pasmem, Lindsey Lohan vestida de freira. De fato, os diretores brincam com o sério sem deixar de passar uma mensagem séria. O texto é bem articulado para rir e refletir sobre o contexto. Basta observar, por exemplo, as propagandas políticas de
John McLaughlin que são uma caricatura sarcástica de como ele é um sacana intolerante e hipócrita. A forma como a propaganda é feita parece um comercial de sabão em pó no qual ele quer varrer e lavar o chão dos Estados Unidos expulsando por completo os imigrantes mexicanos. Robert de Niro, mais uma vez, é brilhante e provê um timing cômico que o põe no trono dos políticos palhaços. Jessica Alba e Michelle Rodriguez, queridinhas do diretor são mulheres bonitas e de atitude e, como as mulheres de Tarantino, mostram o poder feminino capaz de sangrar canalhas.






Danny Trejo é um heroi que combina coragem, humildade, objetividade, seriedade, cavalheirismo e violência. Mesmo com sua brutal feiúra e sua sanguinária habilidade de matar, suas atitudes o torna um protagonista bonito e divertido e ele foge totalmente do convencional de super herois engravatadinhos e bonitinhos que existem, ainda assim, isso não o deixa menor, pelo contrário, Machete era o melhor agente federal na ação. Ele é um ogro musculoso e cheio de tatoos e pega as moças gostosas do filme, o que o torna ainda mais viril e deixa mítica incógnita: O que será que o Machete tem de bom? Por que ele se chama Machete? Melhor não responder ... E, o mais engraçado é que ele não se esforça nem um pouco, fica na dele e se torna irresistível. Com Machete, Robert Rodriguez cria um super heroi latino americano como uma nova ordem mundial, a solução para as injustiças sociais que assolam a região e este é mais um grande diferencial do filme. Machete é um homem do povo e os corruptos tem que saber que é melhor não mexer com ele e nem com o povo. Machete voltará e matará de novo!






Avaliação MaDame Lumière





Título original: Machete
Origem: USA
Gênero: Ação
Duração: 105 min
Diretor(a): Robert Rodriguez , Ethan Maniquis
Roteirista(s): Robert Rodriguez, Alvaro Rodriguez
Elenco:
Danny Trejo, Robert de Niro, Michelle Rodriguez, Jessica Alba, Don Johnson, Steve Seagal, Jeff Fahey.

2 comentários:

  1. Estou doooooido pra ver este filme, gostei bastante de "sin City" e "Planeta terror", expectativas altas com este filme ;)

    ResponderExcluir
  2. Que crítica bem humorada! Melhor nem comentar o pq de se chamar Machete... rsrs. Boa sacada. No espírito do filme não é mesmo?!rsrs
    Adoro o cinema trash kirtsh do Robert Rodrigues e sei que vou curtir essa nova adição.
    Beijos

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière