segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Mostra SP 2010 : Rosas a Crédito (Roses à Crédit) - 2010

34ª Mostra Internacional de Cinema



O cineasta Israelense Amos Gitai deixou um pouco de lado seus filmes que enfocam as contendas entre árabes e palestinos, oxigena sua arte cinematográfica com um novo argumento sem se afastar de um contexto histórico-político, e nos transporta para uma França Pós-Guerra com seu novo longa-metragem Rosas a Crédito, baseado no romance Roses à Crédit de Elsa Triolet. No país devastado pela Segunda Guerra Mundial, emerge um nova ordem, a capitalista, que adentra as esferas do casamento da bela e vazia Marjoline (Léa Seydoux) e seu pacato marido Daniel (Grégoire Leprince-Ringuet) e o desordena com o efeito corrosivo do consumismo exacerbado. A consumista é Marjoline que trabalha em um salão de beleza, gasta mais do que recebe e tem atitudes descontroladas de comprar à crédito com inúmeras prestações, agindo como uma garota fútil, egoísta e completamente irresponsável. De uma nova máquina de lavar, passando por um colchão a molas, um carro esporte e um apartamento em Paris, Marjoline não tem limites e tem que contar com familiares que a ajudam a cobrir seus gastos desenfreados. Marjoline é a representação de uma França que caminha para o consumismo a qualquer custo, o novo sonho americano que não leva a sonho algum, somente pesadelos que destróem as relações.

Daniel é a contraparte de sua esposa. Apaixonado e de calma personalidade, ele faz tudo o que Marjoline deseja. Não questiona suas ambições, não percebe que sua esposa tem um desequilíbrio psiquiátrico. Ele herda da família uma casa bem antiga e interiorana e as rosas de seu pai. Aspirante à cientista, Daniel começa a realizar experimentos com os cromossomos das rosas, deseja prover à esposa uma vida confortável. Como toda contraparte, Daniel é a representação de uma França contrária à de Marjoline. Ele é a França dos valores familiares, das raízes na terra, do passado. Um casamento entre o passado e o futuro está fadado a sobreviver na nova ordem do Capitalismo nos escombros de uma França em Reconstrução? Saberemos mais adiante... e a talentosa Léa Seydoux dá o tom de toda a projeção com uma excelente atuação bem amparada pelo realismo da câmera de Amos Gitai. Seus close-ups introspectivos, seu comportamento compulsivo consumista, sua insatisfação com tudo que não dá a idéia de progresso, refinamento e riqueza; seu regozijo perante os catálogos de produtos para a casa, sua inconsequente atitude perante as cobranças financeiras, seu completo esvaziamento existencial são traços de uma França que perdeu a sua existência questionadora ao se dobrar aos pés do consumismo. E, no final, percebe-se que este não é um problema da França pós-Guerra, é um problema do mundo, escravo do dinheiro e do desejo desenfreado de ter e, se necessário, dever e dever para ter o que deseja. Mais um exemplo de uma crítica cortante de que a Guerra é um motor para que países devastados contraíam mais dívidas, e a Guerra é o o aqui e o agora. Nós estamos nela.


Amos Gitai realiza uma belo filme, não só pelo argumento atemporal que serve para qualquer homem em qualquer nação, mas pela forma realista que ele coloca o seu olhar, na maneira como ele dirige a película. Aliás, em filmes europeus reflexivos como este, a variável direção faz muita diferença na qualidade da produção, e no caso de Gitai, seu trabalho é fantástico. O início do filme é acompanhado por uma transmissão de rádio com a propaganda da Segunda Guerra, seguido do discurso da Resistência Francesa. Enquanto os créditos iniciais ainda tomam conta da tela, há um trabalho de arte cool que intercala as primeiras imagens e falas do elenco. Logo mais, a atmosfera familiar e bucólica do casamento de Daniel e Marjoline nos leva ao convívio com os protagonistas. Durante toda a projeção, os movimentos da câmera do cineasta são variados porém mantém uma coerência com o cotidiano de um casamento nos quais os detalhes cênicos e os silêncios primordiais substituem as palavras como, por exemplo, perceber como a casa herdada por Daniel está caindo aos pedaços e Marjoline não se dá ao trabalho de limpá-la, pelo contrário, passeia pela casa, senta para limpar o seu escarpim, lava as mãos e retoca o batom. Acompanhamos estes contemplativos momentos que guardam em si a crítica a algo bem maior. Assim, Amos utiliza da realista câmera na mão a bem enquadradas dolly, e há o primor do trabalho fotográfico de Marie-Jose Sanselme que usa bastante o foco para enfatizar de partes do corpo a meros objetos, desfocando o fundo da foto, criando um efeito de sutil e cuidadosa beleza fotográfica, e íntima aproximação conosco. De maneira geral, a câmera de Amos é para Léa Seydoux; em vários momentos, a jovem garota é filmada de uma forma que enfoca sua beleza e total futilidade que nem mesmo a beleza consegue reparar; ela nem lê livros e acha que jogar bridge em um apartamento nos Champs-Elysees após ser convidada pela dona do salão é um formidável evento, mais uma vez Marjoline encarna visualmente o constante vazio que nem os seus novos eletrodomésticos podem preencher. Dentre as ruínas de um pós guerra, ela é o vazio da coletividade do Capitalismo, que continua deixando homens nas ruínas da contemporaneidade.


Avaliação MaDame Lumière




Título Original: Roses à Crédit
Origem: França
Gênero(s): Drama
Duração: 113 min
Diretor(a): Amos Gitai
Roteirista(s): Amos Gitai, Marie-Jose Sanselme
Elenco: Léa Seydoux, Grégoire Leprince, Pierre Arditti, Valeria Bruni-Tedeschi, Arielle Dombasle

2 comentários:

  1. Parece ser bom! Eu veria pela Léa.

    ResponderExcluir
  2. Não conheço muito bem o cinema do Amos Gitai, mas este filme aí parece ser bem interessante.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière