terça-feira, 12 de outubro de 2010

MaDame Loves Dia das Crianças: Dia 12 com 12 Filmaços Imperdíveis


O Especial Dia das Crianças do Blog de Cinema MaDame Lumière celebra o quanto uma criança é capaz de vivenciar e superar as provações da vida como se fosse adulto, e o quanto a sua presença e suas atitudes fazem a diferença e valorizam os filmes selecionados, logo esta top list é para nós, adultos, tal que valorizemos as crianças que existem em nós. Ainda que haja inocência e encanto no olhar da criança no Cinema, também há a faceta de sua maturidade que nos ensina muito sobre a vida e abre o campo de nossa visão de mundo, com nossas emoções, sonhos e dramas. Esta seleção de 12 filmaços tem o intuito de celebrar o quanto essas crianças são talentosas, dignificam o Cinema e marcaram a nossa memória cinematográfica com pura emoção.

Transforme a criança que está em você em uma película que nunca será esquecida!
A nossa infância é um clássico!

Feliz Dia das Crianças!
Au Revoir,
MaDame Lumière




12º Max Records como Max
Onde Vivem os Monstros (Where the wild things are) - 2009
Direção: Spike Jonze

Max é um garoto solitário que vive no seu próprio mundo fantasioso como boa parte das crianças. Um dia briga com a mãe e foge para um lugar distante habitado por monstros. A partir dessa experiência lúdica, Max mostra o mundo real tão intríseco à vida adulta como a solidão, o abandono, a raiva, a frustração, mas também emocionantes momentos de amor, amizade, liberdade e alegria. Primorosamente melancólico!




11º Henry Thomas como Elliott
E.T. - O Extraterrestre (E.T. The Extra-Terrestrial) - 1982
Direção: Steven Spielberg

No inesquecível clássico Sci Fi de Steven Spielberg, Elliott é o grande amigo do adorável E.T. A leal amizade e amor do garoto pelo extraterrestre é de provocar uma enxurrada de lágrimas, assim como seu empenho e energia em protegê-lo e o uso de sua inteligência para elaborar um plano que ajude E.T. a voltar ao seu planeta. Eternamente tocante!





10º Sebastian Rice-Edwards como Bill Rowan
Esperança e Glória (Hope and Glory) - 1987
Direção: John Boorman


Bill Rowan é um garoto que tem a ingênua doçura do olhar imaginativo de uma criança. Em plena Londres destroçada pelos horrores da Guerra, Bill leva uma vida como se nada estivesse acontecendo, com as brincadeiras cotidianas de uma infância que continua, mesmo em um cenário deplorável de destruição. O olhar de Bill projeta esperança ao mundo, mas não esconde os desdobramentos dilacerantes da guerra. Um achado imperdível!





9º Judy Garland como Dorothy
O Mágico de Oz (The Wizard of Oz) - 1939
Direção: Victor Flemming


Dorothy é a diva de adultos, adolescentes e criança nesse formidável clássico de Flemming, com o privilégio de uma jornada a um mundo mágico de enriquecedoras descobertas. Além de simpática e inteligente, Dorothy evoca a imagem de que toda a experiência lúdica é necessária para testar a razão e emoção do homem, além de valorizar o aconchego do lar, de estar em casa com nossas famílias. Um clássico de realista magia!






8º Franco Interlenghi como Pasquale Maggi
e Rinaldo Smordoni como Giuseppe Filipucci
Vítimas da Tormenta (Sciuscià) - 1946
Direção: Vittorio De Sica


O cineasta Vittorio de Sica sabe emocionar ao dirigir uma criança. Nesta obra prima anterior ao primoroso Ladrões de Bicicleta,Pasquale e Giuseppe são dois garotos pobres e engraxantes de sapatos. Desprovidos de uma vida minimamente próspera, furtam e são presos em um reformatório, sofrendo dos males de uma infância abandonada. Comovente!




7º Toni Collette como Mary Daisy Dinkle
Mary e Max - Uma Amizade Diferente (Mary and Max) - 2009
Direção: Adam Elliot


Mary é uma daquelas crianças com sabedoria adulta (ou será uma criança com a sabedoria de criança que os adultos não tem?). Sofrendo de dramas da vida moderna como a solidão, o preconceito, a obesidade, o abandono e a perda, ela tem que lidar com uma mãe alcóolatra e a falta de amor. Apesar disso, ela tem uma bela amizade com um senhor de meia-idade e demonstra a bela alma que tem. Capaz de fazer rir e chorar ao mesmo tempo!




6º Giorgio Cantarini como Giousé Orefice
A Vida é Bela (La Vita è Bella) - 1997
Direção: Roberto Benigni


Giousé é filho do creativo e otimista Guido Orefice que, em pleno campo de concentração Nazista, protege Giousé e constrói um mundo lúdico para não expor o garoto aos horrores da guerra. A beleza da participação de Giousé é que ele simboliza uma infância que todo o pai gostaria de proteger, além do primoroso impacto de sua presença visual e emotiva em cena. Magnificamente belo!






5º Ivana Baquero como Ofelia
O Labirinto de Fauno (El Laberinto de Fauno) - 2006
Direção: Guillermo del Toro


Nesta fantástica produção Espanhola baseada no realismo fantástico, as fronteiras entre a ficção e não ficção se reúnen na fugaz viagem de Ofélia a um mundo mágico onde ela encontra a pertubadora figura de um Fauno que a prova em um revelador jogo na qual ela é uma princesa. Ofélia vive uma difícil jornada lidando com um padrastro rude, do Exército ditador de Franco e uma mãe grávida e tratada de forma submissa. A jornada a este mundo mágico mescla a enriquecedora experiência das esferas pessoais e históricas deste período. Surpreendentemente Fantástico!






4º Jack Coogan como O Garoto
O Garoto (The Kid) - 1921
Direção: Charles Chaplin


Uma das duplas mais carismáticas e memoráveis da História do Cinema é o garoto Jack Coogan e o vagabundo interpretado por Charles Chaplin em O Garoto. Além da forte presença visual em cena de Coogan, a vida do garoto já é tocante desde o início pois é sobre o abandono de uma mãe que não pode criar o seu filho, porém o amor familiar é construído quando um sem teto dá a paternidade, amor e alegria a esse garoto e juntos provam que amar verdadeiramente alguém independe das mais difíceis faltas da vida. Belíssimo!





3º Salvatore Cascio como Totó
Cinema Paradiso (Cinema Paradiso) - 1988
Direção: Giuseppe Tornatore


A esperteza e alegria da infância de Totó dentro do Cinema Paradiso e sua amizade com o velho falecido Alfredo (Phillipe Noiret) é inesquecível. Nem é preciso ver Salvatore Cascio em toda a projeção porque o seu sorriso e sua contagiante presença em cena transforma Cinema Paradiso em uma das melhores metalinguagens do Cinema, uma paixão que começou na infância de muitos cinéfilos! Sublime!





2º Jean-Pierre Léaud como Antoine Donel
Os incompreendidos (Les quatre cents coups) - 1959
Direção: François Truffaut

Jean-Pierre Léaud não era tão criança nesse filme, porém como um garoto muito jovem rejeitado pelos pais, Antoine Donel é o símbolo de uma infância e adolescência rejeitadas e que traz os traiçoeiros desdobramentos comportamentais / psicológicos da rejeição e da solidão. Sua atuação é formidável, dilacerante de emoções diversas. Nessa tocante história, o jovem é desprezado pelos pais, confronta a autoridade da escola e dá início à sua vida criminal. Fabulosamente Cine Truffaut para os incompreendidos da vida!






1º Enzo Staiola
como Bruno Ricci
Ladrões de Bicicleta (Ladri di Biciclette) - 1948
Direção: Vittorio de Sica

O clássico de Vittorio de Sica e o garoto Enzo Staiola emplacam este primeiro lugar, não só pela proposta simples de um roteiro maravilhoso, mas pelo primor estético e emotivo desta história baseada no pós guerra de uma Italia destroçada pela Segunda Guerra Mundial, desprovida do básico para a população pobre, e principalmente, pelo fato do garoto Bruno Ricci seguir em busca da bicicleta que roubaram de seu pai. Uma bicicleta que simboliza a esperança de ter e manter um emprego que lhes traga melhores condições de vida. É incrivelvemente sensível o argumento deste clássico, assim como o empenho de um filho em ajudar o pai, nem mesmo se dando conta do amadurecimento precoce de sua infância. Quantos Brunos Ricci não viveram a infância como mereciam, assolados em uma vida pobre e sem oportunidades? Um filme magnífico!





Cinéfilos, união faz a força e o futuro!



6 comentários:

  1. Ah, Madame ÓTIMA lista!
    Preciso ver "Onde vivem os monstros", "ET"( Sim, ainda não vi ET), "Mari & Max" e claro "Os Incompreendidos" ...
    Dos que a madame citou, e que eu vi, fico com a Ofélia de "O Labirinto do fauno", adoro demais este filme, acho incrível e belo, sem contar na determinação da personagem, aprecio bastante!

    Feliz dia das Crianças!
    Abs.

    ResponderExcluir
  2. Linda lista, MaDame!!!! vi vários filmes queridos nela, como "Cinema Paradiso", "Ladrão de Bicicleta", "E.T. - O Extraterrestre".

    ResponderExcluir
  3. Mais uma lista maravilhosa! Adoro seus comentários sobre os filmes e suas dicas. Parabéns! bj grande

    ResponderExcluir
  4. Ótima lista amiguinha!

    Como diria Frederik Zooler em Bastardos: "A perseguição em The Kid é soberba". Rs!

    Bjs..
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  5. Ótimas indicações. Já assisti quase todos da lista, mas as cenas do garotinho de Cinema Paradiso são ótimas, perfeitas para o dia das crianças.

    Meu blog de cinema: http://www.peliculacriativa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Estava preparando uma lista semelhante para colocar no blog no dia 12, mas acabei não me organizando - fica pro ano que vem rs. Mas olha, talvez tenha sido até bom porque as crianças do seu Top 12, MaDame, iriam dar uma bela surra na minha seleção rsrs.

    Ótima lista, mais uma vez. Itália em peso na lista o/


    Bjus.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière