quinta-feira, 28 de maio de 2015

MaDame Blockbuster : Terremoto: A Falha de San Andreas (San Andreas) - 2015

MaDame Blockbuster:
Cinema Pipoca e no stress





Estreia de 28 de Maio


O filme catástrofe que fará a sua poltrona tremer!






Por Cristiane Costa


A criatividade da Arte Cinematográfica e as suas possibilidades de construir um mundo audiovisual improvável com efeitos visuais destrutivos é uma das forças de filmes - catástrofe. Neles, é possível elaborar uma série de cenas de forte impacto destrutivo e brincar com os absurdos sem, necessariamente, se preocupar com a construção dos personagens e o desenvolvimento científico sobre o tema. É o que ocorre em Terremoto: A Falha de San Andreas, estreia desta quinta-feira, 28 de maio, nos Cinemas Brasileiros. Traz mais uma parceria entre os atores Dwayne Johnson e Carla Gugino , que trabalharam juntos em "A Montanha Enfeitiçada" e "Rápida Vingança". Na história, eles são o casal Ray e Emma. Em recente processo de divórcio, eles se aproximam e tentam salvar a filha Blake (Alexandra Daddario) após um terremoto de magnitude 9 na Califórnia. O diretor Brad Peyton e sua equipe de produção teve à disposição um arsenal de ideias, ferramentas e pessoas, plenamente apoiados pelas vantagens tecnológicas de efeitos visuais e fotografia, para destruir o percurso de Los Angeles a São Francisco após o abalo sísmico provocado pela temida Falha de San Andreas.




Carla Gugino e Dwayne Johnson



Considerado um thriller de ação, espere mais ação do que suspense, mais uma história familiar, de determinação, amor e de esperança do que um thriller investigativo sobre a Falha San Andreas, mais um filme catástrofe com caprichados efeitos visuais do que um roteiro com memoráveis personagens. O longa é um esforçado e despretensioso blockbuster para sua diversão desde o início  e não há nenhum mal nisso a depender de sua expectativa. É como brincar de um game no qual você pode colocar uma cidade em ruínas, ter controle sob a terra, a água, o vento e toda a arquitetura  e não oferecer (quase) nenhuma opção de saída aos sobreviventes. Você poderá chorar quando o heroi sobrevive, mas, também, rir de como o Cinema catástrofe realizado sem ambições explicativas  baseadas em fatos reais é uma hilária fantasia. Aqui, se trata de um blockbuster com um detonador do lado, com a simples menção: "elenco principal, vamos ver se vocês conseguem se salvar e superar esse drama!" E,  a gente torce pelo final otimista após se divertir sem qualquer preocupação,  de preferência, com um saco de pipoca ou chocolate.



 Detalhe do teaser : a importância dos efeitos visuais  para filmes catástrofe





Em uma das cenas iniciais, Ray (Johnson), um piloto de helicóptero de busca e  resgate é testado em sua coragem e especialidade técnica. A construção da sequência estrondosa antecipa a base audiovisual da maioria do filme: uma situação de perigo, o medo da vítima, o imprevisível e voraz efeito destrutivo da natureza, o uso de som vibrante  e seu forte impacto durante a projeção, ou seja, toda a  destruição é enfocada a partir de cenas da queda das cidades e, principalmente, cenas absurdas que provavelmente não sairia ninguém vivo. Em suma, a natureza toma vida e quer destruir o que tiver em pé. Nesse sentido, o viés de engajamento do longa para o público é não fazê-lo se atentar à ciência por trás da Falha San Andreas, tanto que Lawrence, o especialista em falhas, protagonizado pelo ótimo ator Paul Giamatti fica em segundo plano e perde a importância diante do intenso poder audiovisual catastrófico em cena. Suas aparições dramáticas são divertidas porque ele não faz absolutamente nada e seu papel foi neutralizado e definido apenas como complementar. Como Giamatti tem uma veia cômica, em uma das cenas de maior drama para seu personagem, se alguém se lembrar do que ele disse sobre a Falha de San Andreas, provavelmente não levará a explicação à sério. 








 Dwayne Johnson: Um pouco mais de drama nesse papel. 



Também, cabe mencionar que, uma vez escalados bons atores de ação como Dwayne Johnson e Jason Statham, já sabemos que o filme não priorizará desenvolvimento dramatúrgico de personagens, será puramente thriller de ação, comédia de ação ou crime - ação.  Tal escolha é tão clara para o público de Cinema e não tem relação com subestimar o talento de atores como estes, é mais uma questão de alinhamento entre elenco x personagens para um filme comercial com este roteiro. No caso de Dwayne Johnson, ele é eficiente e claro com suas limitações. Ele transmite uma figura protetora e amorosa, um homem boa pinta e sarado em um personagem simples e corajoso, o que é suficiente para agradar fãs de blockbusters de ação. Quando tenta realizar uma cena mais dramática, vê-se claramente que não é sua praia enfatizar a carga emocional da personagem. Nota-se que , por mais que ele e Carla Gugino tentam salvar a filha, em nenhum momento, eles parecem que estão em um terremoto de verdade. Parece até que foram buscar a filha no colégio, logo, como dito anteriormente, esse é um blockbuster com alguns absurdos para entretenimento, absurdos que são divertidos.  Ainda sobre o elenco, a escalação de  Alexandra Daddario ( "Percy Jackson e o Mar de monstros") é boa para o papel de filha e em filmes de ação e aventura. Sua beleza, misto de delicadeza com sensualidade, seus belos e hipnotizantes olhos e em boa forma são atrativos complementares ao seu talento para um filme que normalmente atrai bastante a ala masculina.




Alexandra Daddario


O grande barato é perceber que Brad Peyton dirigiu cenas de avassaladora destruição para que a força da natureza fosse a protagonista e não tivéssemos  muitos olhos para mais nada e ninguém. Sua decisão é muito clara e, como uma faca de dois gumes, pode ser interpretado positiva ou negativamente a depender do tipo de espectador. Considerando que filmes sobre catástrofes são um ótimo tema para testar, com realismo, o quanto o mundo está preparado para situações de risco, certamente discorrer sobre a Falha de San Andreas e roteirizar um thriller de ação mais cerebral teria sido uma escolha convidativa e mais inteligente para uma parte do público.


Terremoto : A Falha de San Andreas não é só colocar no chão os prédios mais caros e construídos com tecnologia de ponta em cidades,  manipular as forças da natureza em cena e apresentar o carismático Dwayne Johnson como um pai corajoso e em processo de redenção. O seu subtexto é relevante como aprendizado para nossa humanidade: o valor da vida e da família e a possibilidade de reconstruir o lar. O roteiro se apoia nessa função simbólica do terremoto e que pode facilmente ser aplicada a outros trágicos ciclos e acontecimentos da vida quando perdemos o chão. Mesmo com um assunto que provoca medo, paralisia e desespero, a nossa vulnerabilidade frente aos desastres naturais, a perda de quem amamos e a falta de total controle para a sobrevivência em situações imprevisíveis, o longa combina diversão explosiva com família e se destaca com um ótimo blockbuster para formatos  Imax 3D e 4 D, garantindo uma experiência mais realista na qual até o som do filme fará sua poltrona tremer.




Ficha técnica do filme ImDB  Terremoto: A Falha de San Andreas


Fotos: Cortesia Warner Bros Pictures. 
Fotos de Carla Gugino,  Dwayne Johnson e Alexandra Daddario.  Crédito imagem: Jasin Boland  Copyright: Warner Bros. Pictures




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière