terça-feira, 9 de março de 2010

Confissão MaDame pós Oscar 2010

Nem eles salvaram a festa!


Começarei minha confissão pós Oscar confessando que foi um sacríficio assistir o Oscar deste domingo. Sabe aquela sensação de ter esperado por algo que nunca muda o script? A festa perdeu todo o glamour sem nem mesmo ter se esforçado para ser glamourosa e, mais uma vez, a rede aberta através da Rede Globo de Televisão priorizou Big Brother Brasil e Fantástico e atrasou totalmente a celebração, ou seja, a prioridade do Oscar não existe para quem teve o direito de exibí-lo em cadeia nacional e não sabe valorizar a festa mais tradicional do Cinema mundial. Big Brother Brasil tem todo dia. Fantástico todo domingo. E a festa do Oscar? Pois é, sem comentários a acrescentar nesse campo e, prioridades da mídia à parte, digo que o Oscar foi uma celebração fria, sem emoção e, apesar das formalidades da Academia, o Cinema como Arte merece mais vida em uma premiação que tem um significado simbólico de todo um esforço profissional de vários talentos para fazer o Cinema algo bem mais significativo do que seu poder capitalista e publicista.

Salvo o depoimento genuinamente humilde de Jeff Bridges após ser premiado por Coração Louco, o testemunho de Oprah Winfrey para Gabourey Sidibe de Preciosa, a vitória de Kathryn Bigelow de Guerra ao Terror e de Juan José Campanella de O Segredo dos seus olhos, não sobrou mais nada a me emocionar, inclusive algumas injustiças na premiação: melhor roteiro original para Guerra ao Terror deixando o perfeito Bastardos Inglórios para trás e a vitória do roteiro adaptado de Preciosa contra o de Amor Sem Escalas que, infelizmente, não abocanhou nenhum prêmio. Pobre Reitman! Mas não tem problema, Reitman é parte do futuro brilhante que ele já está trazendo ao Cinema. Já na premiação de melhor atriz principal, embora goste de Sandra Bullock, vê-la ganhando a estatueta enquanto lembrava de sua performance mediana em Um Sonho Possível só me fez refletir que se este é o padrão de qualidade em performance para um Oscar, a Academia tem que rever seus conceitos de votação. Tarantino também foi o artista supremo mais desvalorizado desta premiação, o que só reforça o ponto crítico da questão: um talento como Tarantino com estética cinematográfica perfeita em Bastardos Inglórios merecia ouvir somente a declaração de gratidão de Christoph Waltz ao ganhar o prêmio de melhor ator coadjuvante ? Não, ele merecia muito mais. Só posso dizer que acho lamentável que a festa tenha sido pró-forma e ainda conseguiu a audiência de mais de 41 milhões de espectadores sem zelar pela qualidade da festa. Definitivamente, O Oscar agradou um pouco de cada filme e vários públicos para ficar bem na fita.
Fita totalmente dispensável!

4 comentários:

  1. Um defabafo que encontra eco em quem gosta, e entende, de cinema madame. Assino embaixo de tudo que disse.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Madame!

    "o Cinema como Arte merece mais vida em uma premiação que tem um significado simbólico de todo um esforço profissional de vários talentos para fazer o Cinema algo bem mais significativo do que seu poder capitalista e publicista".

    Aqui eu acho que você sintetizou perfeitamente a minha concepção sobre o Oscar deste ano. LAmentável neste ponto. E foi chato, hein! Maior que "Avatar" rs.


    ABS!

    ResponderExcluir
  3. Lamentável Baster ter levado apenas um Oscar... pelo menos Avatar não ganhou melhor filme, seria um tanto injusto, ao meu ver.

    E concordo, Preciosa ganhar roteiro adaptado no lugar de Amor sem Escalas é sacanagem.

    ResponderExcluir
  4. Oi Reinaldo, obrigada pelo comentário. Temos que ecoar a verdade do espírito crítico e apaixonado para zelar pela qualidade da sétima Arte na blogosfera do cinema. bjs

    Oi Elton: Saudades de ir no seu blog. Em breve o visitarei, queridão. Sobre o comentário, obrigada por reconhecer minha frase. Realmente esta é minha síntese sobre a celebração e não fiquei surpresa com a postura deles, afinal o Oscar está distante de ter um apelo apaixonante e inspirador, o que é uma pena. bjs

    Oi Brunão: A grande perda que o Oscar teve foi não reconhecer Quentin Tarantino como ele merece.Baster ter ganhado só 1 Oscar é uma vergonha não para Tarantino, mas para a Academia mesmo. bjs

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière