segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Novidades no Amor ( The Rebound ) - 2009


Novidades do Amor é a nova comédia romântica com Catherine Zeta-Jones que também tem no currículo um filme deste gênero que me apeteceu bastante que é Sem Reservas (No Reservations) com Aaron Eckhart no qual eles fazem um casal de chefs de cozinha que se apaixonam. Embora não ache Catherine engraçada, confesso que ela tem carisma em cena, incrivelmente tendo um humor totalmente fora do padrão que me soa como um "humor contido, mais sério, mais maduro", por isso costumo gostar dela neste gênero e acho que ela dá um charme à comédia exatamente por ter este perfil diferenciado. Mais uma vez, Novidades do Amor comprova isso.



No enredo, Catherine Zeta-Jones é Sandy, uma mulher de 40 anos que descobre a traição do marido, decide se separar e morar com os filhos em um pequeno apartamento na cidade grande. A partir daí, ela começa a fazer tudo que não fazia há anos: trabalho fora de casa, academia, encontro às cegas e principalmente ser dona do próprio nariz. Neste processo de mudança, ela conhece Aram (Justin Bartha), um jovem de 25 anos que se torna a babá de seus dois filhos. Embora jovem e sem um emprego que reluz aos olhos, Aram é tudo o que uma mulher quer na vida. Além de amar as crianças de Sandy, ele é carinhoso, atencioso, bondoso, amável e vários perfeitos predicativos que parecem surreais à minha triste realidade afetiva (risos). Obviamente, Sandy e Aram acabam se apaixonando e, com isso, Sandy começa a ter a neura clássica de algumas mulheres em idade da loba, ou seja, achar que está velha demais para um cara 15 anos mais novo. Após ter engravidado e sabido que a gravidez foi gerada nas trompas, impossibilitando a continuidade da mesma, Sandy decide romper o relacionamento com Aram. Eles ficam 5 anos distantes um do outro. Ela é promovida. Ele faz uma excursão em vários países do mundo e, para exaltar o romantismo que há no coração de cada cinéfilo, tudo indica que eles ficam juntos neste reencontro.



Gostei do filme por duas razões: A primeira é porque gostei da química do casal, em especial, Aram que, mesmo com a dócil cara de bobinho que tem, ele é bastante fiel e responsável e trata os filhos de Sandy como se ele fosse o pai delas. Isso não tem preço e é muito sexy! A segunda é porque, considerando o que vi no filme (e não só no mundo afora), há mulheres que sofrem tanto no casamento com maridos calhordas como o de Sandy que, quando se separam, a auto-estima delas vai lá para o dedão do pé ou no mais profundo do subterrâneo, logo Sandy acaba por ser um tipo de "diva' para estas mulheres jodidas e até para as que, como eu, acreditam que existem homens como Aram ainda que sejam raros. Sandy acaba vivenciando tudo o que uma mulher na situação dela deseja. Ela é valorizada e amad
a, mesmo tendo 40 anos e dois filhos para criar e praticamente dá a volta por cima, sendo bem sucedida afetivamente e profissionalmente. Não são todos os homens que querem este tipo de responsabilidade de lidar com filhos alheios e com mulher bem melhor posicionada no âmbito profissional com relação a eles.



Por conta deste cenário é que Aram é uma destas espécies Homo Sapiens que trazem novidades para o amor porque o "novo" no homem é exatamente o "tradicional" que a mulher busca. Queremos gentlemen que são leais no amor e, espontaneamente, demonstrem esta dádiva de ser assim, por isso, o final do filme é incrível porque, mesmo após anos e anos distantes, eles se encontram e o sentimento é praticamente o mesmo, além disso, ambos estão exatamente 5 anos mais velhos e a diferença de idade continua a mesma, totalmente se perpetuando assim como o amor que desejamos e que não faz acepção nem de idade, assim como o amor que atravessa o tempo.


Avaliação Madame Lumière


Título Original: Rebound
Origem:
Estados Unidos

Gênero(s):
Comédia Romântica

Duração:
97 min

Diretor(a):
Bart Freundlich

Roteirista(s): Bart Freundlich
Elenco:
Catherine Zeta-Jones, Justin Bartha, Steve Antonucci, Marc Alan Austen, Paul Basile, Robert Bizik, Andrew S. Bradley, Daniel Burress, Megan Byrne, Alana Cadiz, Eliza Callahan, Jordan Carlos, Gary Cherkassky, Andrew Cherry, Jake Cherry

3 comentários:

  1. Porque o "novo" no homem é extamente o "tradicional" que a mulher busca. Falou tudo!
    Estava super ansioso para ver esse filme quando estreou e acabei que não consegui ver. Mas verei.Gostei bastante da critica. Me reanimou a espera por ele.
    Bjs madame!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Reinado pelo seu valioso comentário. Com certeza, você vai curtir, é uma boa opção de entretenimento e faz a gente acreditar no amor que supera a distância e o tempo.

    Beijo da madame!

    ResponderExcluir
  3. Olá MaDame Lumière! Vi parte de minha vida nesse filme! Depois de um casamento fracassado e 3 filhas, me vi na mesma situação! Como Sandy, vivi neuras por ser 18 anos mais velha que ele! E como Aram, ele sabia muito bem o que queria! Hj temos um filho de 6 anos e somos felizes!! Adorei o filme!! Bjs!
    Suzana

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière