sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Mostra 2015: O torneio ( Le Tournoi, 2015), de Élodie Namer

MaDame te mostra a Mostra internacional de Cinema 
Uma seleção especial de filmes na semana mais cinéfila de São Paulo
Acompanhe!








Por Cristiane Costa




Depois de Xeque-mate (Jouese) da cineasta Caroline Bottaro trazer o universo do xadrez através da personagem interpretada pela veterana atriz Sandrine Bonnaire, chegou a hora do Cinema Francês lançar a nova diretora Élodie Namer que, em seu primeiro longa metragem, aborda um torneio de xadrez em Budapeste e a crise existencial do campeão francês Cal Fournier (Michelangelo Passanti) ao encontrar um brilhante competidor bem mais jovem que ele. Cal atravessa um período de altos e baixos durante o torneio e questiona se suas estratégias e talento são realmente tão bons para mantê-lo na liderança do esporte.






O longa tem frescor fotográfico, um elenco de jogadores em  contínuo desenvolvimento no esporte e uma abordagem interessante ao enfocar um universo refinado, inteligente e misterioso com personagens jovens. Nota-se que, existe uma obsessão na vitória a qualquer custo mesmo que, para isso, os jogadores tenham que ensaiar e memorizar jogadas, seguir as recomendações do seu "coach"  mesmo em discordância com elas, respirar xadrez 24 horas por dia. Dessa forma, a história apresenta um conflito central da pressão imposta pelo próprio esporte e como Cal, apesar de seu espírito competitivo e talento, chegou a um ponto do torneio no qual se sente desequilibrado ao encontrar um concorrente inesperado. Embora ainda cru na atuação, Passanti tem uma ótima fotogenia, jovem bonito e com vigor para novos trabalhos. Ele realiza um boa inteprretação pois esse é seu primeiro longa metragem. 







Para uma estreia, a direção de Namer é esforçada, embora seja repetitiva em algumas escolhas da decupagem porque o roteiro em si não previu grandes tomadas. O ambiente é claustrofóbico e, apenas em determinada sequência, o longa se liberta das quatro paredes em um dos melhores momentos. No geral, tudo está relacionado ao xadrez, então as cenas enfocam a introspecção de Cal, sua interação com a namorada e jogadora Lou (Lou de Laâge) e seus demais amigos, sua insegurança em possíveis derrotas e falhas, o enclausuramento do hotel. A diretora se esforça em realizar enquadramentos que valorizam os aspectos de concentração, estratégia e competitividade do xadrez como planos detalhe e close ups, mas também abusa do plongée para o público ver o tabuleiro e as jogadas, logo os elementos em cena são explorados dentro do possível. Essa recorrência de determinados enquadramentos acabam preenchendo os vazios deixados por falta de melhores diálogos. 






O longa dividiu opiniões da crítica especializada Francesa. Publicações como Le Parisien o elogiaram, outros como Le Monde e Liberación não apreciaram a obra. Mesmo que não seja um filme apaixonante e que conquista de imediato, é bem intencionado na proposta porque traz à reflexão como o ser humano é programado para ganhar e, nem sempre, sabe por que quer ganhar. Não busca autoconhecimento. Para  tornar a situação pior, a pressão imposta nos jovens e para o sucesso é intensa.  São pessoas que acabam incorporando estratégicas, táticas e ações sem olhar para dentro de si mesmas. 





Ficha técnica do filme ImdB O torneio





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière