domingo, 25 de outubro de 2015

Mostra 2015: Armadilha (Trap / Taklub, 2015), de Brillante Mendoza

MaDame te mostra a Mostra internacional de Cinema 
Uma seleção especial de filmes na semana mais cinéfila de São Paulo
Acompanhe!






Por Cristiane Costa



Brillante Mendoza é um dos principais realizadores do Cinema das Filipinas ao lado de cineastas como Lav Diaz, John Torres,  Raya Martin e Khavn de la Cruz. Vencedor como melhor direção no Festival de Cannes em 2009 por Kinatay e conhecido por filmes como Serbis e Lola, Mendoza desponta no cenário cinematográfico mundial com realizações independentes que abordam questões individualistas, sociais, econômicas e políticas de personagens Filipinos ou do próprio país.  Em Armadilha (Taklub), seu mais recente longa, ele dirige uma história baseada em fatos reais relacionada a um desastre natural, o supertufão Haiyan, o constante clima de insegurança após a catástrofe e as terríveis consequências para as famílias da cidade de Tacloban nas Filipinas. O longa foi um dos destaques no Festival de Cannes 2015 e recebeu a menção especial - Prêmio do Júri Ecumênico.





Viver em uma região ameaçada por tufões é definitivamente uma armadilha.   A qualquer momento, pessoas podem ser devoradas pela fúria dos ciclones e não há muita escapatória. Mortes acontecem. A fé é necessária . Assim, uma cidade como esta torna-se uma armadilha bem maior quando a população luta para viver a duras condições econômicas, não pode sair da região e tem que conviver com mortes, perdas e traumas. É  o que acontece nesta história: estamos diante de uma situação real e dilacerante para as comunidades locais. Mendoza conduz sua habilidosa câmera em uma ficção dramática, dolorosamente sensível, com um registro documental bastante realista que enfoca 3 personagens, Bebeth, Larry e Erwin e como tentam sobreviver nesta cidade hostilizada pela ira da natureza. 





A narrativa é contada após o Tufão Haiyan, considerado um dos mais violentos ciclones e que ocorreu na região em 2013. O propósito do argumento não foi criar um filme que registra o momento exato da destruição. O objetivo é maior, mais humano e baseado em fé, superação e sobrevivência. O longa registra o cotidiano através de sutilezas. O que se vê é a memória que permanece, o temor que persegue, a resistência que dá esperança, a longanimidade que sustenta a vida. Com essa abordagem mais humanizada, cabe ao elenco atuar com simplicidade e um comovente trabalho de veracidade. As emoções são delicadas, discretas, contidas, porém a dor é grande.



É o tipo de filme que , a todo o momento, traz à mente e diante dos olhos como existem pessoas pobres no mundo e como elas vivem em condições precárias, muitas vezes agravadas pelas características naturais dos locais onde moram. Mendoza faz uma boa exploração da cidade, enfocando apenas o que é modesto e bastante decadente. Desde a simplicidade das casas e da alimentação, passando pelas ajudas coletivas para recuperação da cidade até as constantes chuvas e ventanias. O clima é de incertezas e pobreza. Uma pobreza que o tufão intensificou.










No ótimo elenco que tem Julio Diaz  e Aaron Rivera, destaque para  Bebeth (Nora Aunor), uma  incrível atriz Filipina que entrega uma atuação madura, verdadeira. Seu personagem é de uma mãe solteira que perdeu dois filhos na tragédia e precisa continuar firme e forte para criar a outra filha. A direção de atores favorece bastante a participação da atriz que eleva a qualidade dramatúrgica e preenche os gaps de roteiro em pontos da narrativa que poderiam ter explorado melhor o drama dos personagens e a relação entre eles. Através de Aunor, o longa consegue convencer porque existe força e generosidade em seu comportamento. Por ser arrimo de uma família e uma mãe que não se deixou vencer pela morte dos filhos, ela é essencial para demonstrar a resiliência.



O desenvolvimento dos papéis masculinos deixou a desejar porque são personagens mais vulneráveis à manutenção da sanidade e autocontrole e poderiam ter tido um melhor texto. O roteiro peca exatamente em não explorar estes relacionamentos, deixa a narrativa mais solta e dependente das atuações individuais de cada um. No caso de Diaz, ele é um homem trabalhador e dedicado à fé, porém com pouco vigor, calejado. Acaba ficando à margem. Rivera representa o jovem esforçado, que valoriza a família e sem boas opções na vida, mas vulnerável à irritabilidade e impulsos violentos, assim, sua participação é pequena e dá um tom triste e precário à juventude da região.  Diferente dos demais, Nora Aunor é o alicerce humano da história e, por causa dela, existe uma força moral para a reconstrução da cidade.




Ficha técnica do filme ImdB Armadilha




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière