segunda-feira, 2 de agosto de 2010

MaDame Teen: O Feitiço de Áquila (LadyHawke) - 1985

MaDame Teen:
Coletânea de filmes dos anos 80
que marcaram minha (pré)adolescência






O clã Mankiewicz de roteiristas sempre fez bonito na história do Cinema. Herman J. Mankiewicz e Joseph L. Mankiewicz deixaram suas marcas, respectivamente, em perfeitos roteiros como o de Cidadão Kane e A Malvada e puseram em evidência este sobrenome emblemático que preza pela objetividade e concisão dos textos cinematográficos. Neste final de semana, lamentavelmente o Cinema perdeu mais um ótimo roteirista desta família: Tom Mankiewicz, de Superman e 007 - Live and Let Die, morre aos 68 anos vítima de câncer, e o MaDame Teen faz uma honrosa homenagem a ele por ter feito parte da equipe de roteiristas de um filme inesquecível: O Feitiço de Áquila, uma bela e fantasiosa história de amor entre o capitão Etienne Navarre (Rutger Hauer) e a nobre Isabeau d'Anjou (Michelle Pfeiffer), com direção de Richard Donner.






Em plena Idade Média, Navarre e Isabeau são impedidos de viver seu romance após receberem a maldição do pertubado Bispo de Áquila (John Wood), enciumado e apaixonado por Isabeau. De dia, ela é um falcão e Navarre é um humano, de noite, ela assume a forma humana e ele se transforma em um negro lobo, desta forma, não podem tocar seus corpos humanos e trocar juras e sentimentos amorosos, destinados à tristeza da separação e à incompletude da relação. Para ajudar o casal no último fio de esperança e colocar mais ação e humor aos desdobramentos do enredo, entra na história o jovem ladrão Rato (Matthew Broderick) que foge da masmorra de Áquila, feito que é inédito na história da prisão. Navarre deseja vingar-se do Bispo, para isso, precisa entrar em Áquila, o Rato é peça-chave como um 'facilitador'. Adepto a mentiras e falsas promesas a Deus, Rato tem a oportunidade de redenção porque, ao encontrar Navarre em seu caminho, se deixa envolver pela amizade do capitão e pela beleza de Isabeau; ao descobrir sobre a maldição, é sensibilizado por esta intensa história de amor que nem uma fatalidade pode sucumbir.





O Feitiço de Átila é um história de amor medieval belíssima, um clássico nos corações fincados na nostalgia dos anos 80; daqueles que quanto mais vimos e revimos, mais é o desejo de imortalizar o amor e a esperança de amar; daqueles que nos fazem lembrar que não há mal que possa impedir a concretização daquilo que é para ser, o destino de encontrar aquela alma gêmea e dizer a ela: Eu te amo, agora estamos juntos! Ao iniciar a película, a imagem incadescente do sol no horizonte é tão saudosa que chega a doer saber que Navarre e Isabeau quase conseguem se tocar a cada nascente; tanto que uma das cenas mais trágico-românticas vistas no Cinema desta época é a tentativa deles se contemplarem em suas formas humanas, firmar seus olhos um no outro e sentir os corações baterem forte, o desejo pelos corpos nascer com o calor do sol. Uma imagem tão lírica e embelezada pelo olhar celeste ( e doloroso) de Michelle Pfeiffer que faz Rato chorar, e não há como impedir as lágrimas de lavar a alma, fazê-la vibrar com um novo sentimento de fé, a de que aquele amor resistirá a todas as impossibilidades e vencerá todas as forças das trevas; simplesmente porque dói vê-los tão juntos e, ao mesmo tempo, tão separados.






Muito da beleza e da qualidade da película advém de que ela abarca o romance, a fantasia, a aventura, a ação e o humor de uma forma bem fluída em todo o roteiro que nem parece que tem 2 horas de duração. Com uma temática de fantasia na qual os apaixonados não podem tocar o objeto do amor e do desejo, O Feitiço de Áquila encanta a partir da própria dor da não-realização amorosa, ou seja, é antes de tudo, uma tragédia dos enamorados sobre a qual eles não têm uma ação imediata e decisória, sendo assim precisam contar com um milagre. Além disso, o longa-metragem integra papéis sociais bem estereotipados para a Idade Média e o romance de cavalaria (a bela e apaixonada mulher, o guerreiro e corajoso capitão, o bom e divertido ladrãozinho, o corrompido clero, etc), e ainda faz uma crítica à hipocrisia da igreja que 'pactua com as forças demoníacas por meros caprichos e mágoas individualistas'.






Ao invés de exercitar suas virtudes espirituais e humanistas, aliás, virtudes das quais ele é desprovido, O Bispo de Áquila cedeu às suas paixões terrenas, e não satisfeito com o desprezo de sua amada e o amor dela por Navarre, ainda rogou-lhes uma praga. A forma de "amar" do Bispo não é amor, é posse; porque se amasse Isabeau verdadeiramente daria pelo menos o crédito de deseja-lhe a felicidade. Já, como uma inversão do anti-herói que se torna herói, do vicioso que se torna virtuoso, Rato é o ladrãozinho que tem um grande coração e é carismático o suficiente para dar o tom cômico ao filme. Ele fez sua boa ação e representa um exemplo de que as virtudes são muito mais do que intenções, pre(conceitos) e papéis da sociedade. Demais valores como perdão, bondade, amizade, gratidão são provenientes da relação de Navarre e Isabeau com o padre Imperius (Leo McKern) que, antes da maldição, havia traído o casal, e que agora tem a chance de ajudá-los e ter a 'remissão' de seus pecados. Com um desfecho emocionante, O Feitiço de Áquila faz pensar no amor como Coríntios 13: "tudo espera, tudo tolera, seja o que vier"





Avaliação MaDame Lumière



Título Original: LadyHawke
Origem: EUA
Gênero(s): Romance, Aventura, Fantasia
Duração: 121 min
Diretor(a): Richard Donner
Roteirista(s): Edward Khmara, Michael Thomas, Tom Mankiewicz, David Peoples
Elenco: Matthew Broderick, Rutger Hauer, Michelle Pfeiffer, Leo McKern, John Wood, Ken Hutchison, Alfred Molina, Giancarlo Prete, Loris Loddi, Alessandro Serra, Charles Borromel, Massimo Sarchielli, Nicolina Papetti, Russell Kase, Don Hudson

4 comentários:

  1. Estava lembrando desse filme por esses dias, pois meu noivo vai trabalhar dois meses no horário noturno. Brinquei que seríamos que nem O Feitiço de Áquila. hehe.

    É lindo, o filme, o amor dos dois, a transformação do personagem de Matthew Broderick. Bela lembrança e belo texto.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Linda homenagem e resumo do trabalho do Tom Mankiewicz Madame! Eu tenho predilação por 007 Live and Let Die (primeiro BOND com Roger Moore e o mais exótico). E parece que ele fez o mesmo com este lindo filme. Eu tenho alguns flashs dele por causa do Matthew Broderick, na época que o diretor Donner fazia belos filmes sessões da tarde ( Os Goonies e tal). Preciso rever direito e me recordar imageticamente falando.
    Já faz tempo que não ouço ou leio sobre Feitiço de Áquila. Adorei a premissa e pelo visto o trabalho com o diretor, depois de Superman,valeu o retorno da parceria.

    Também gosto do ator Leo McKern (de A profecia e A Lagoa Azul)é bom saber que ele esta no filme, rs!

    Um exímio roteirista que agora Rest In Peace!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Apesar de este ser um filme que cansa de passar na TV, nunca consegui assistí-lo. Acredita???

    ResponderExcluir
  4. Assistia muito na Sessão da Tarde, quando era pequena. Adorava! rsrs.

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière