domingo, 29 de agosto de 2010

Par Perfeito (Killers) - 2010




Par Perfeito
é mais uma comédia de ação da safra de últimos longas-metragem do gênero como Caçador de Recompensa, Encontro Explosivo e Uma Noite fora de série, filmes que divertem ligeiramente ao enfocar casais apaixonados em turbulentas enrascadas movidas a adrenalíticas perseguições, um clima de romance com brigas com DR - discussão de relação. Estrelado pelos belos, carismáticos e experientes em comédias Ashton Kutcher e Katherine Heigl e com direção de Robert Luketic que já havia trabalhado com Heigl em A Verdade Nua e Crua, Par Perfeito enfoca o início de relacionamento entre Jen Kornfeldt (Heigl) e Spencer Aimes (Kutcher) ao se conhecerem na inspiradora Nice Francesa e a perigosa jornada de fuga desses 'Killers'. Ela acabara de levar um fora do ex-namorado nerd e viaja com os pais, Mr e Mrs Kornfeldt interpretados por Tom Selleck e Catherine O'Hara. Como um conto de fadas, Jen dá de cara com o Apolínico Spencer, um homem inteligente, educado e boa pinta que a convida para um encontro. Ambos são atraídos um pelo outro, tem momentos românticos, e logo adiante já se encontram casados em cena há mais de três anos, morando em um planejado bairro no subúrbio americano.





Tudo parece perfeito para Jen. Marido bonito e carinhoso com o bel prazer do sexo diário, o que ela não esperava era ver sua vida e sua casa virar do avesso ao descobrir que Spencer é um matador profissional. Cenas de ação serão desenvolvidas na narrativa com a costumeira perseguição ao casal que briga mas não se desliga, e ainda tem que lidar com uma nova situação no casamento. Par Perfeito é clichê de comédia de ação que começa bem e termina mal. As primeiras locações resgatam belas paisagens da Cotê D'Azur Francesa, um belo casal com deliciosa química, cenas explosivas com o gostoso macho do enredo e um romance que parece um milagre afetivo. Seu início indicava que tudo daria certo, mas o roteiro não consegue desenvolver ações eletrizantes ao extremo, e muito menos a potencialidade cômica da dupla, além do desastroso final que, pasmem, afunda o enredo na mais insossa imperfeição. Muito de sua baixa temperatura no into action do casal é que Spencer e Jen são perseguidos por seus vizinhos e conhecidos que se tornam os vilões da história, tudo porque foi colocado uma recompensa para matá-lo; então as fugas são previsíveis e banalizadas, não há vilões perigosos, matadores ultraprofissionais e nem uma boa carga de suspense e intriga para ressaltar a emoção das ações, logo o roteiro é um desperdício de Heigl e Kutcher com uns coadjuvantes bem esquecíveis e dispensáveis, e resta ao expectador se divertir com algumas piadas e contemplar o carisma do casal.






O que é minimamente perfeito no filme? Se há que apontar a rara perfeição, ela é muito mais sugerida do que bem desenvolvida, ou seja, o que mais chega ao perfeito é a relação leal entre Jen e Spencer como se eles fossem feitos um para o outro desde que se conheceram, tanto que Spencer só se sente um homem 'normal' ao lado dela e isso é bonito de se ver mesmo que ele oculte o seu mortal ofício. O fato dela aceitá-lo como ele é: um matador e um mentiroso faz com que o casal seja perfeito, pelo menos dentro da limitação da película já que o amor fala mais alto. O que é fatalmente muito imperfeito no filme? O desfecho apressado, mal elaborado que é capaz de transformar mais uma overdose de comédia de ação em uma viagem cinematográfica que o expectador mais exigente fará questão de nunca mais voltar; uma pena
acontecer isso porque Heigl e Kutcher tem uma boa dose de talento, beleza e simpatia e mereciam estar em uma comédia mais que perfeita, mas o roteiro é o movie killer em ação.



Avaliação MaDame Lumière



Título Original: Killers
Origem: EUA
Gênero(s): Comédia, Ação
Duração: 109 min
Diretor(a): Robert Luketic
Roteirista(s): Bob De Rosa, Ted Griffin
Elenco:
Ashton Kutcher, Katherine Heigl, Tom Selleck, Catherine O'Hara, Katheryn Winnick, Kevin Sussman, Lisa Ann Walter, Casey Wilson, Rob Riggle, Martin Mull, Alex Borstein, Usher Raymond IV¹, Letoya Luckett, Michael Daniel Cassady, Larry Joe Campbell

9 comentários:

  1. Este filme só tem uma coisa que me chama a atenção. Atende pelo nome de Katherine Heigl, que acho uma bela atriz, talentosa e carísmatica. Agora, acho incrível como ela se entregou para as "comédias românticas", gostaria de vê-la em um bom drama, rs
    Não gosto muito de Ashton Kutcher, pelo fato de já ter enjoado dele, ele sempre tá lá...bonitinho, sorridente e só.
    Enfim, é um filme que em DVD eu até arrisco, mas mesmo assim acho difícil...

    Abs.

    ResponderExcluir
  2. Esse aí parece ser tão bobinho. Só no DVD, Madame. =P

    ResponderExcluir
  3. Boa crítica madame. Bastante pé no chão. Me lembro de que ansiava por ver esse filme. Eu ainda irei conferir. Provavelmente no próximo fim de semana.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá MaDame Lumière,

    Sou leitor do MaDame Lumière e sou cinéfilo de carteirinha. Eu estou mandando esse email porque estou trabalhando numa empresa que desenvolveu um portal sobre cinema - o Cinema Total (www.cinematotal.com). Um dos atrativos do site é que você cria uma página dentro do site, podendo escrever textos de blog e críticas de filmes. Então, gostaria de sugerir que você também passasse a publicar seus textos no Cinema Total - assim você também atinge o público que acessa o Cinema Total e não conhece o MaDame Lumière.

    Se você gostar do site, também peço que coloque um link para ele no MaDame Lumière, na seção "Sites de Cinema".

    Se você quiser, me mande um email quando criar sua conta que eu verifico se está tudo ok.

    Um abraço,

    Marcos
    www.cinematotal.com
    marcos@cinematotal.com

    ResponderExcluir
  5. Como disse em um outro blog,esse filme parece ser ruim,mas Katherine Heigl tem o poder de me manipular e sempre acabo gostando de qualquer besteirinha que ela faça.
    Abraços ;D

    ResponderExcluir
  6. Adoro a Katherine Heigl e acho que a química dela com o Ashton Kutcher está excelente, pelo visto no trailer. Mas, quero ver este filme sem expectativa alguma, até porque me parece ser uma reunião de clichês.

    ResponderExcluir
  7. Deve ser aqueles filmes para se ver quando não tem nada para fazer de tão previsível que ele seja. Acho que vou esperar na TV, rsrs.

    Beijos, querida! ;)

    ResponderExcluir
  8. Madame, estou aqui para falar pra você que fui hackeado. Minha conta no blogger, não foi excluida nem nada, está intacta (pelo menos o blog), mais como alguém descobriu a minha senha e mudou, enfim não tenho mais acesso em nada. Tive que fazer um outro email, criar uma nova conta e ainda, criar um novo blog...enfim o endereço é cigarrosefilmes.blogspot.com Bem, então já sabes, Cinema Público...está destivado...é isso.

    Abs.
    Boa semana =)

    ResponderExcluir
  9. Darling,
    seu texto sempre fiel a verdade e nos norteia a real do filme. Madame é luxo!

    Pode ser simpático, uma fita com a fórmula casal em apuros. Mas tudo tem limite. Deu pra engolir 'Encontro Explosivo' e como nunca fui com a cara do Kutcher não arrisco este filme em particular no cinema.

    A Katherine Heigl parece que virou boneca neste gênero. Ora, eu lembro dela no gênero TERROR e sempre aprovei seus gritos, rs! Lembro dela também como a filha do Depardieu!

    Bjs!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière