domingo, 8 de agosto de 2010

Cine Família: Para o Dia dos Pais, 10 Incríveis Pais Cinematográficos


Todos os pais do mundo merecem também a celebração cinéfila do MaDame Lumière, assim como o fiz com as 10 incríveis mães cinematográficas. Os 10 pais da Tela Grande selecionados + 1 homenageado no hall da fama resultaram de uma escolha harmonizada pelos suas valorosas virtudes como pais que atravessam situações diversas em seus papéis paternos, assim como o peso da qualidade e/ou dramaticidade da película e minha afetiva relação com estes pais. Confesso que alguns pais bem divertidos ficaram de fora, mas a indicação de um bom filme também foi relevante como critério de desempate. Em um tempo de famílias desestruturadas e uma orfandade natural em filhos que não têm diálogos com pais e pais que não têm o respeito dos filhos, espero que estes longas-metragem tragam um fio de harmonia, diversão e valorização familiar e sirvam de exemplo às famílias. Dedico também este post ao meu pai que não está mais comigo e comentar aos meus leitores que só sentimos o real valor dos pais quando sofremos com suas ausências, muitas vezes, definitivas. Gostaria mesmo que meu pai não tivesse partido tão cedo, mas assim a vida permitiu, então desejo a todos Um Feliz Dia dos Pais e muita união nos corações de pais e filhos.




10° Robin Williams - Uma Babá quase perfeita, Mrs Doubtfire (1993)
Direção:Chris Columbus


Essa é uma comédia de um pai que usa métodos pouco convencionais, mente e oculta sua identidade 'por amor' e vai contra a legalidade do estipulado em divórcio, tudo isso para estar próximo aos filhos. Daniel Hillard (Robin Williams) se disfarça de babá, a Mrs. Doubtfire, e passa a trabalhar na ex-mulher como babá das crianças. Com a experiência cômica de Robin Williams e a de Columbus em comédias familiares (Esqueceram de mim), Uma babá quase perfeita ganha o riso da platéia com a simpatia da babá e ainda a torcida de que o pai consiga ficar mais perto dos filhos, sem disfarces.




Denzel Washington - Um ato de coragem, John Q (2002)
Direção: Nick Cassavetes


Este drama demonstra o desespero de um pai ao saber que o filho tem uma doença grave e o seguro de saúde não cobre o transplante; John Q (Denzel Washington) é um homem comum, operário simples e sem dinheiro que, tomado por uma emoção radical, faz reféns no hospital até que incluam seu filho na lista dos receptores de orgãos. Tal atitude extremista e criminosa pode soar insana e injustificável, porém traz à luz o que um pai é capaz de fazer para dar vida ao filho, ressaltando a dimensão de um homem sem antecedentes criminosos que, de repente, se torna um fora-da-lei.




Mel Gibson - O Patriota, The Patriot (2000)
Direção: Roland Emmerich


Em plena época de batalhas pela Independência dos Estados Unidos, Benjamin Martin (Mel Gibson) é um herói, corajoso e habilidoso, que é víuvo e tem sete filhos. Muito mais do que patriota com seu país, ele é patriota dentro de casa, demonstrando amor, carinho e proteção com sua cria. Após a morte de um filho, ele é tomado por um desejo de vingança, o que evidencia a dor por uma perda irreparável, mas também a luta para manter a integridade de sua família em um momento histórico sangrento.




Dustin Hoffman - Kramer vs Kramer, Kramer vs Kramer (1979)
Direção: Robert Benton

O ótimo filme de Benton traz a luta judicial entre Ted Kramer (Dustin Hoffman) e Joanna Kramer (Meryl Streep) pela guarda do filho Billy (Justin Henry), e tem uma peculiaridade: um pai que cuida do filho sozinho e passa a dividir o seu tempo de trabalho com as tarefas domésticas, além disso Joanna os abandonou, o que mimetiza alguns casos de mães irresponsáveis que abandonam os filhos, sem ao menos, se preocupar com as consequências de suas decisões egoístas. Mais adiante, Joanna se arrepende e mais um conflito é gerado, agora, os tribunais.





Voz de Albert Brooks - Procurando Nemo, Finding Nemo (2003)
Direção: Andrew Stanton


Mais uma excelente animação dos estúdios Pixar/Disney, Procurando Nemo é uma sensível e verdadeira analogia do filho que, por uma necessidade de ter vida própria e fugir da superproteção dos pais, saí para a vida mesmo com os perigos desta jornada. Marlin (Albert Brooks) perde sua família após o ataque de um predador e o único filho sobrevivente é Nemo. Com esta perda, Marlin se torna um pai sufocante, na melhor das intenções, então Nemo saí em mar aberto para provar sua emancipação,o que dá início a uma perigosa aventura. Marlin, como bom pai, parte para buscar o seu filho amado e ambos colhem o aprendizado da importância da relação pai-filho.




Sean Penn - Uma Lição de Amor, I am Sam (2001)
Direção: Jessie Nelson

Uma Lição de Amor é uma bela e tocante história com Sean Penn e Dakota Fanning, respectivamente como Sam Dawson e Lucy Diamond, pai e filha. Ele tem deficiência mental e cria Lucy sozinho, contando com a ajuda de alguns amigos mais próximos. Após Lucy atingir sete anos, já é claro que o pai está atrasado intelectualmente para interagir com a filha, o que coloca a convivência deles em risco dado que a Assistência Social quer levar Lucy para uma família adotiva. Este filme é bastante comovente (e quebra paradigmas de paternidade) porque demonstra a luta de Sam, que tem o direito de ser pai e tem bastante amor por Lucy para realizá-lo, independente de sua limitação mental.




J.K. Simmons - Juno, Juno (2007)
Direção: Jasom Reitman


J.K. Simmons é Mac MacGuff, pai de Juno (Ellen Page), adolescente que engravida de Bleeker (Michael Cera) e fica tentada a realizar um aborto. J. K é coadjuvante e interpreta um pai com todos os louros de papel principal porque demonstra a compreensão, o bom humor e uma positiva dose de sarcasmo ao lidar com a situação de gravidez de uma filha de 16 anos, ou seja, MaC MacGuff é muito prático, autêntico e cool como pai, isso o torna leve e adorável como o paizão que não aponta o dedo para culpar mas para conversar e atenuar o drama show da situação.




Voz de James Earl Jones - O Rei Leão, The Lion King (1994)
Direção: Roger Allers/Rob Minkoff

Ao assistir o clássico da animação, Rei Leão, pelo menos boa parte do público gostaria de ter um pai como Musafa (James Earl Jones), com nobreza de coração, amor por sua terra e sua família e, coragem acima da vida para proteger o filho Simba (Jonathan Taylor Thomas/Matthew Broderick). É exatamente isso que conecta afetivamente Musafa a nossos corações cinéfilos, um processo de identificação que ele é um dos símbolos atemporais de paternidade no Cinema, que sempre servirá de exemplo, de inspiração. Apesar do final prematuro, trágico e que só elevou o seu papel de pai, Musafa é um paizão e merece o topo dentre os pais cinematográficos.




Roberto Benigni - A vida é Bela, La Vita è Bella (1997)
Direção: Roberto Benigni

O diretor Roberto Benigni saiu das câmeras para ser o papai Guido Orefice em A Vida é Bela. Sua participação é icônica como pai cinematográfico porque Guido cria uma visão lírica da vida para o filho Giosué Orefice (Giorgio Cantarini) em pleno horror do Holocausto nos campos de concentração. Sua criatividade espirituosa e sua amabilidade como pai não está só à serviço de proteger o filho de uma vida que não é bela neste contexto, mas Guido se torna o pai do filme, o pai de todos nós, mostrando que a vida é bela, basta não destruir a otimista poesia que ainda resta em cada ser humano.





Will Smith - À procura da Felicidade, The pursuit of happiness (2006)
Direção: Gabriele Muccino

À procura da Felicidade, como filme, não é superior à Vida é Bela, porém Will Smith no papel de Chris Gardner teve mais espaço para exercer o comovente e 'real' papel de um pai que é atirado à pobreza de uma condição social assolante. Imagine um pai que é talentoso, otimista e esforçado que não consegue ganhar dinheiro com o seu trabalho, que é abandonado pela esposa e tem que criar o filho de cinco anos sozinho e, depois, ambos são despejados e moram na rua. A película apela para um sentimentalismo intenso, mas Will Smith ao lado de seu filho Jaden Smith nos fazem sentir e pensar como é desesperador a condição deles em uma sociedade calcada no sucesso financeiro e no status social e como é importante manter a família unida.


Hall da Fama - The Godfather :
Marlon Brando em O Poderoso Chefão 1
Direção: Francis Ford Coppola


É fundamental prestigiar o pai de todos os pais, o padrinho que é mais que padrinho, o poderoso Chefão Don Vito Corleone (Marlon Brando). Ele está no Hall da Fama desta especial seleção porque a base de O Poderoso Chefão é fincada na família, nesta relação patriarcal dentro da máfia que atravessa gerações e gerações. É um pai que se equilibra muito bem entre o amor e a correção, ou seja, ele não 'passa a mão na cabeça dos filhos' e, de certa forma, é este o equilíbrio ideal para educá-los. É um filme bem familiar, basta notar como a narrativa é estruturada e as cenas com a família, e como os Corleones prezam por tal afeição paternal.





E aí, leitor, qual é o seu pai
cinematográfico favorito?





Vote no Cinema da MaDame Lumière

8 comentários:

  1. Oi Madame você fez uma bela homenagem aos Pais. A lista é acertada!

    UMA BABÁ QUASE PERFEITA: um clássico da minha sessão da tarde e Williams em show de interpretação como o pai travestido de babá,rs!

    JOHN Q: uma filme tenso. Eu queria ter um pai como Denzel!

    O PATRIOTA: foi o melhor filme do diretor Emmerich. Não é fácil ser pai de sete rebentos e ouvi dizer que Gibson tem essa quantidade de filhos na vida real, somados com mais um. Com aquela modelo que ele ameaçou..rs..enfim! Patriota é um filmaço!

    KRAMER vs KRAMER: gosto do filme, mas prefiro o Dustin Hoffman como o colegial em The Graduate!

    PROCURANDO NEMO: o melhor pai desta lista é um peixe palhaço, rs!

    UMA LIÇÃO DE AMOR: um filme lindo, tocante e Sean Penn extraordinário aqui! E como a Dakota cresceu!!

    JUNO: J.K. Simmons faz um pai compreensivo (gostei muito disso e Juno tem essa qualidade do pai) e que apoia as decisões da filha. Sonho de toda filha grávida, rs! Filmaço!

    O REI LEÃO: além de ser um exímio pai é o rei da selva. Acaba sendo pai de todos os animais. Clássico absoluto da Disney, como Nemo!

    A VIDA É BELA: Benigni faz aqui sua única obra prima. Nunca gostei deste filme a princípio, porém ao ver sua atuação me emociona ao ponto de gostar da fita aos poucos. A cena que ele engana o filho antes de ser fuzilado é soberba. Em meio ao horror a vida é realmente BELA!

    À PROCURA DA FELICIDADE: faço parte daqueles que tem predilação por este filme. Will Smith deveria ter ganho o Oscar, porque nunca mais fará um pai como este no cinema.

    Eu também colocaria na lista: 'O Garoto'de Chaplin e 'O Paizão', única fita que gosto com Adam Sandler!

    O PODEROSO CHEFÃO: outra obra incontestável. Coppola certamente destacou a paternidade como plot em sua obra-prima. O mais curioso é aprendermos a força da família por um pratriarca gangster!
    Da uma arrumadinha no final do post: não foi Sean Connery que interpretou Corleone, foi o nosso saudoso Marlon Brando!


    Adorei!
    Bjs Dietrich!!

    ResponderExcluir
  2. Rô,obrigada pelos lindos comentários, e por corrigir o Marlon Brando. haha, não sei onde estava com a cabeça. Cansada, talvez. Volto aqui depois pra responder direitinho os comentários, estou em atraso. bjs!

    ResponderExcluir
  3. UHAUHSUHA.
    O meu favorito é: GUIDO do filme A VIDA É BELA. Nunca vi um pai tão dedicado e amoroso como este, até em uma época difícil ele protege e faz de tudo para animar e esconder o mundo terrível em que seu filho estava, muito bom este filme!

    Gostei da Lista, ótimas indicações Madame!

    Bjs =D

    ResponderExcluir
  4. MaDame, você arrasou nesta lista, hein?? Meu favorito é o seu número 01. Will Smith, em "À Procura da Felicidade".

    ResponderExcluir
  5. Opa, Don Corleone é mesmo imbatível! Em seguida, meu preferido é o Kramer de Dustin Hoffman.

    ResponderExcluir
  6. Ae MaDame, ótima a sua lista! Adorei a menção a "Procurando Nemo", até acho que nosso querido Marvin merecia um lugar mais de destaque, afinal ele "cruzou todo o oceano..." rs - só para brincar com o filme.

    enfim, Don Corleone é hors concours, né? Mais comprometido com a "famiglia" do que ele, não tem.


    abs! o/

    ResponderExcluir
  7. Adorei a inclusão do pai de Nemo, hehe, mas meu preferido é Kramer de Kramer vs Kramer.

    ResponderExcluir
  8. MaDame Lumière,Esse foi mo Melhor blog ue já vi em toda minha vida de blogs,Acredite Mas estou viciado nele.Adorei todas as postagem e claro.Não pude deixar de fora do meu simplis blog. E dentro dos 10 filmes Sobre pais, Faltou um filme bem legal "Menina dos Olhos" Com Bem Affleck e Liv Tyler Lindo e emocionate.Vale apena né?
    Espero aprender muito com o seu Blog.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière