sábado, 28 de agosto de 2010

Kick Ass - Quebrando Tudo (Kick-Ass) - 2010


I can kick your ass/ eu posso chutar o seu rabo.
Este kick ass pode render alguns spoilers


Quem nunca pensou em virar super herói e dar um chute no rabo de quem não vale nada? Isso não é mérito só de crianças e adultos que adoram comics e lêem gibis de grandes heróis. O desejo de sair do anonimato e fazer justiça com as próprias mãos já esteve no imaginário de muitas pessoas por idealismo, vingança ou simplesmente por diversão, afinal, ser herói é ser forte e imbatível, um escape que dá poder ao mais frágil e simples mortal. Por causa dessa premissa, Kick-Ass, a violenta e 'cult' série em quadrinhos lançada pela Marvel Comics, escrita por Mark Millar e ilustrada por John Romita Jr virou um filme cool e bem recebido pelos cinéfilos; é um longa-metragem com roteiro fluído e com ótimas cenas de ação que transforma o mais excluído dos adolescentes em um super herói sem poder algum. O início do filme é um kick na cabeça de qualquer pessoa, exatamente por ser honesto com a audiência e lembrá-la de uma verdadeira afirmação: "Qual é, sejamos sinceros, em algum ponto de nossas vidas, já desejamos ser super heróis."




Com direção de
Matthew Vaughn, o longa-metragem tem a sua força em inverter o conceito do herói que vemos em outras comics cineséries como Homem Aranha e Super homem, e por ter se transformado em um elemento imperdível da cultura pop atual aproximando Kick-Ass ao heroísmo que está na veia de cada indivíduo com todas as suas vulnerabilidades em um ordinário dia a dia. Mesmo que Peter Parker e Clark Kent sejam introspectivos e inseguros em suas identidades secretas, assim como o excluído adolescente Dave Lizewski (Aaron Johnson) que interpreta Kick-Ass, a diferença é que não é dado super poderes a Dave. Ele somente torna real o desejo de ser herói, mesmo que corra o risco de ter o corpo arrebentado pelos vilões, parar em um hospital e passar vergonha com as surras que leva. Anda pelas ruas vestindo sua roupa verde que mais parece de mergulho e mal costurada, ou seja, ele é um herói comum e por sê-lo ele é bem mais próximo ao mundo real.






Como um garoto que tem uma vida apática, claramente filmada com todos os clichês de excluídos adolescentes como cenas de masturbação, de rejeição da garota gostosa da escola de participação em um pequeno grupo de amigos igualmente rejeitados, etc, Dave tem o seu momento de fugir da normalidade de seus dias chatos: o momento de
'mandar ver, eu prefiro morrer'. Transforma-se em uma celebridade que tem até página no myspace e aparece nos noticiários, no entanto o interessante é que ele não é um cara egoísta, metido a alcançar essa notoriedade de super star, este não é o seu propósito desde o início, nada foi premeditado nem essa é a intenção. Essa espontaneidade de ser Kick-Ass a qual ultrapassa o senso do ridículo e transforma o filme em uma diversão violenta, porém tragável é um outro pilar das fortalezas do longa-metragem. É um roteiro bem articulado para misturar ação com objetividade e senso de humor, por isso é uma comédia de ação envolvente; é inevitável não rir quando Kick Ass diz ao bandido que tem um affair com Katie (Lindsy Fonseca), a garota pela qual Dave é apaixonado: "Eu sou Kick-Ass, procure-me na internet, e esse sou eu te dando um recado, deixe a Katie em paz... ou então eu vou voltar e quebrar a porra das suas pernas." É evidente que ele está com um certo medo da gangue de bandidos e a cena parece uma piada, mas ele diz mesmo assim como se apertasse a tecla 'dane-se' a ele mesmo e a todos ao redor e reafirmasse: "Eu sou Kick-Ass e vou chutar seu traseiro".






Apesar da ótima interpretação de
Aaron Johnson, quem rouba a cena do filme é a Hit-Girl (Mindy MacCready) intepretada por pela atriz Chloe Moretz . Ela é filha de Big Daddy,um ex-policial (Nicolas Cage em uma excelente e hilária ponta vestindo roupa fake de Batman). Ambos são super heróis letais, bem treinados para avançar em um plano de vingança contra o criminoso Frank D'Amico (Mark Strong, o rei da vilania no Cinema Moderno)que não tem nada de amigo. A violência praticada por uma criança de 12 anos causou um ruído básico na mídia já que Hit-Girl é muito mortal e performa extrema violência, porém a participação de Chloe é fundamental para dar energia ao enredo e coesão ao final do filme com a ação conjunta entre Kick-Ass e esses seus novos amigos, além disso a química de filha e pai entre ela e Cage confere ao roteiro uma das mais emotivas cenas da fita, e sua presença é mais verossímil com a violência do HQ original cujas páginas são um derramamento de sangue. Para fechar o entretenimento do filme, surge um novo adolescente trajado de herói em quadrinhos, Red Mist (Chris D'Amico, o filhinho do papai Frank) interpretado por Christopher Mintz Plasse, que tem um papel interessante em ação. Sendo um filho mimado, um garoto isolado e sem amigos, e que não se envolve nos negócios ilegais do pai, Red Mist é um anti herói com roupa de super herói já que ajuda o pai a sacanear com Kick-Ass, no entanto há uma ingenuidade nele que se mistura com a vilania herdada pelo pai e há momentos em cena que indicam que ele não queria ter sido tão traíra com Kick-Ass, afinal ambos têm o isolamento adolescente em comum.




Com um
comics muito bem elaborado pela dupla Millar e Romita, Kick-Ass tem todo o apelo pop e cômico para ser cultuado em uma franquia que já tem continuação programada e em fase de produção sob a direção de Matthew Vaughn, um cineasta que está tão bem cotado no universo Marvel comics que também dirige o aguardado X-Men: First Class. Com um belo desfecho, uma contagiante trilha sonora, uma soberba fotografia, um roteiro direto ao ponto de ação com elementos da modernidade do mundo web midiático, o tom de paródia de super heróis como Batman e narrativas em off e em flashbacks, Kick-Ass já começou quebrando tudo para construir uma nova história do mundo ficcional HQ's no Cinema.




Avaliação MaDame Lumière




Título Original: Kick Ass
Origem: EUA, Inglaterra
Gênero(s):
Ação, Comédia
Duração: 117 min
Diretor(a):
Matthew Vaughn
Roteirista(s):
Jane Goldman, Matthew Vaughn. Adaptação do HQ Kick Ass de Mark Millar, John S. Romita Jr.
Elenco: Aaron Johnson, Garrett M. Brown, Clark Duke, Evan Peters, Deborah Twiss, Lyndsy Fonseca, Sophie Wu, Elizabeth McGovern, Christopher Mintz-Plasse, Stu 'Large' Riley, Johnny Hopkins, Ohene Cornelius, Mark Strong, Michael Rispoli, Corey Johnson

5 comentários:

  1. Este filme passou semana retrasada aqui em Natal e eu me arrependo profundamente de não ter tido tempo de ir conferí-lo. Toda opinião que leio sobre a obra tem sido ótima.

    ResponderExcluir
  2. Um filme que me surpreendeu bastante, não conhecia as HQs e gostei da sátira. Além, claro, de ficar impressionada com a garotinha Chloe Moretz, só ela para me deixar mais esperançosa com a refilmagem de Deixe ele entrar...

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Madame, o filme estreiou na minha cidade e ficou apenas uma semana em exibição, você acredita que não pude vê-lo por causa da classificação ? Sério, fiquei com muita raiva, a classificação do longa é de 18 anos.
    Enfim, estou esperando chegar em DVD para conferi-lo. Ficou ótimo seu texto, como sempre. Saudades =D

    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Oi Darling!

    Você postou um filmaço cult moderno que eu não esperava que fosse um filme desses. Levei mesmo foi um chute no traseiro quando assisti, rs!

    Acho 'Kick-Ass' impecável no perfil dos personagens e na cenografia verossímeis. Um choque entre o HQ e o mundo real.

    O espírito do Quentin Tarantino baixou neste filme que tem muito em comum com sua obra.

    Adorei o trabalho deste novato diretor Matthew Vaughn e acredito que ele salvou a série patética X-men com este quarto filme. Tenho fé porque tenho predilação por X-Men e a adaptações até agora por Bryan Singer e Brett Ratner tem sido grandes decepções da minha vida.

    Adorei este elenco. O Mark Strong sempre muito bem na galeria de vilões. Nick Cage acertou em cheio com sua participação. O Aaron muito talentoso, mas de fato não tem pra ninguém quando esta mocinha entra em cena: Chloë Grace Moretz. Já marquei o nome dela. Uma nova Milla Jovovich com Angelina Jolie quem sabe né? Rs!

    Aguardo ancioso a continuação "Balls to the Wall" com o mesmo elenco principal.

    Enfim...seu texto está um LUXO.
    Confete! Confete!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Já esse parece ser tudo de bom! E nem chegou aqui nos cinemas. ¬¬

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière