domingo, 22 de agosto de 2010

O Amor Acontece (Love Happens) - 2009



O título de O Amor Acontece, drama romântico com Aaron Eckhart e Jennifer Aniston diz tudo o que não acontece no filme, pelo menos, não na sua completude. Na verdade, tem um pouco de propaganda enganosa nesse título, e falta mais romance. O longa que marca a estreia de Brandon Camp na direção é muito mais um drama 'água com açucar' de um homem em processo de redenção. Embora Eckhart e Aniston tenham um primeiro encontro que somente o destino clicherizado das comédias românticas permite, não há uma relação amorosa construída ou em crescente desenvolvimento para divertir o expectador e fazê-lo suspirar o romance em tela, fato que dá uma outra dimensão para este filme que conta a história do viúvo Burke Ryan (Aaron Eckhart), renomado autor de best-seller de auto ajuda, que perdeu a esposa em um acidente de carro e não consegue superar essa perda.





Ao invés de assumir publicamente o sofrimento da perda e lidar com a vulnerabilidade desse sentimento, ele entra em um processo de negação da dor, se torna um escritor 'celebridade' e palestrante de workshops fazendo muito sucesso com um livro que relata como lidar com as perdas: o A-Okay (Estou legal). Este livro transmite uma visão otimista através de uma série de capítulos que não são praticados pelo autor, logo Burke age como um hipócrita vendedor de receitas prontas de auto-ajuda em seus workshops, e espera que seus leitores tenham um comportamento de superação o qual ele mesmo não incorpora em suas atitudes. Durante um workshop em um hotel em Seattle, cidade onde vive os pais de sua falecida esposa, ele encontra a florista Eloise (Jennifer Aniston), encanta-se com ela e eles se aproximam em uma amizade que ajudará ambos em suas carências. Ela, uma mulher sem sorte no amor que acabara de ser traída pelo ex-namorado músico, ele, um viúvo que mente a dor que sente e se afastou de amigos e familiares após a morte da esposa. Nesse cenário, Eloise é uma peça fundamental para fazer com que Burke inicie o seu processo de redenção e resolva as pendências que tanto o amarguram, ela se transforma em um ombro amigo que percebe que ele esconde uma dor dilacerante e é a primeira mulher pela qual ele se interessa após a morte da esposa.





Considerando as limitaçõs do roteiro, Aaron Eckhart comprova mais uma vez que é um ator de primeira grandeza e eleva a qualidade dessa fita. Ele é altamente responsável com sua atuação que harmoniza os dois extremos: o palestrante motivacional e o angustiado viúvo Burke. Jennifer Aniston está apagada, subutilizada na película porque o timing cômico da atriz, que é o que a promove no Cinema desde a série Friends, não é importante aqui. Ela não dá vida nem à sua faceta romântica e carismática nem a sua faceta humorística, então o roteiro não favorece o seu papel, e quem segura o filme é o personagem em foco: Burke Ryan. O Amor Acontece é um filme descontraído e pasteurizado para ser um drama romântico que move o personagem de Eckhart para um outro nível de amadurecimento, o de recomeçar a sua vida. O fato dele agir como um ator ao ministrar suas palestras e workshops evidencia que ele precisa mais de ajuda do que seus leitores e alunos. E ele não tem culpa de mentir sobre sua dor e fazer sucesso com isso; existem várias pessoas por aí que fingem todos os dias o quão dilaceradas estão. Na verdade, superar as perdas é um processo doloroso e cada um reage de uma forma, tem o seu tempo de permanência na negação até atravessar todo o deserto e dizer sim para uma nova vida. Muitas vezes, para lidar com as perdas e recomeçar uma nova vida, precisamos encontrar o amor de um(a) amigo(a), um familiar, um(a) namorado(a)ou qualquer pessoa que nos faça enxergar que vale a pena virar a página e seguir a jornada com superação, resiliência e otimismo, por isso, apesar dos clichês, O Amor Acontece não é um longa-metragem descartável e é recomendado a quem gosta de auto-ajuda; ele age como um espelho de que cada ser humano precisa perdoar a si próprio e alcançar a redenção, esta é a melhor ajuda da auto-ajuda.



Avaliação MaDame Lumière



Título Original: Love Happens
Origem: Canadá/EUA
Gênero(s): Drama, Romance
Duração: 109 min
Diretor(a): Brandon Camp
Roteirista(s): Brandon Camp, Mike Thompson
Elenco:
Aaron Eckhart, Jennifer Aniston, Dan Fogler, John Carroll Lynch, Martin Sheen, Judy Greer, Frances Conroy, Joe Anderson, Sasha Alexander, Clyde Kusatsu, Anne Marie Loder, Tyler McClendon, Panou, Michael Kopsa, Michelle Harrison

3 comentários:

  1. É, acho que esse é o primeiro filme de auto-ajuda da história, hehe, concordo que funciona muito mais como isso do que como uma comédia romântica. Eu achei legalzinho...

    ResponderExcluir
  2. Já tinham me falado que o filme é mesmo um drama de "auto-ajuda",mais não entendo porque eles vendem como mais uma comédia americana. Afinal vendo o título, elenco e este poster dá ideia de ser uma baita comédia (sem graça, diga-se de passagem).
    Jennifer Aniston tem que tomar mais cuidado com sua carreira, anda pegando personagens que não lhe favorecem, isso não é bom. Ela tem que fazer que nem a Bullock, do nada resurgiu com um dramalhão daqueles, no qual ela prove ser boa atriz, hahaha.
    Este é um filme que não tenho muita vontade de conferir, mais quem sabe um dia, né ?
    Ótimo texto Madame!
    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é bobinho, mas é tão bonitinho! Gostei do casal Aaron Eckhart e Jennifer Aniston e acho que, apesar dos clichês, a gente tem uma obra com a qual nos importamos com o destino desses personagens.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière