quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Se beber, não case (The Hangover) - 2009


Hangover, título original da comédia Se beber, não case é uma palavra que já deve ter feito parte da sua vida, pelo menos, uma drástica e/ou cômica vez, para o seu bem ou para o seu mal. A famosa ressaca pós (over)doses etílicas, com seus efeitos colaterais que podem causar lamento, vergonha, riso e uma série de desdobramentos e sentimentos, inclusive aquela inevitável amnésia forçada ou não. Forçada quando você faz questão de esquecer as situações ridículas e loucas que se permitiu viver nos momentos alcóolicos. Não forçada quando simplesmente você perde a memória, como se o alto teor etílico em seu sangue tivesse subido à cabeça e aniquilado o seu cerébro.

Cachaça, este nome não soa bem nos meus ouvidos que adoram escutar o sublime luxo das palavras como toda refinada madame. Evito ao máximo falar estes nomes assim tão deselegantes: 51, caninha, birita, malvada, pinga, etc, mas tenho que assumir que no final de toda ressaca, não há como escapar: a cachaça está lá, da classe A a E e representa a palavra coletiva para tudo que causou uma bebedeira, do vinho ao rum, passando pelos cocktails calóricos à popular "ceva".




O filme Se beber, não case é um filme engraçadíssimo se avaliado sob a ótica de que 99% das pessoas já se empolgaram a sair e beber com os amigos desenfreadamente, divertir-se muito e talvez até de forma inconsequente, fazer mil besteiras e loucuras e, no dia seguinte, esquecer completamente (ou quase) de tudo o que fizeram. Nesta comédia, os amigos Doug Billings (Justin Bartha), Stu Price (Ed Helms), Phil Wenneck (Bradley Cooper) e Alan Garner (Zach Galifianakis) vão à Las Vegas para comemorar a despedida de solteiro de Doug. Lá, eles alugam uma cara suíte e caem na balada. No dia seguinte, acordam no meio da decadente bagunçada suíte e não têm a menor idéia do que fizeram, salvo as situações cômicas e estranhas que percebem: um tigre no banheiro, um bebê no closet, Stug sem um dente e Doug desaparecido. A partir daí, há uma série de situações nas quais eles buscam entender o que aconteceu na noite passada e encontrar desesperadamente o amigo Doug que está prestes a se casar.




O filme é hilário porque mostra como os homens funcionam em situações caóticas e trágicômicas como esta, como são companheiros e leais entre si e seguram a ponta um do outro até o fim, principalmente quando surgem problemas que fogem da própria racionalidade masculina, como por exemplo: O que fazer quando as coisas perdem o controle após uma amnésia pós bebedeira? O que fazer quando um amigo que vai se casar em poucos dias desaparece enquanto a noiva controladora o espera? O que fazer quando um amigo se casa com uma stripper(no filme, a atriz Heather Graham) após conhecê-la rapidamente em um clube e se esquece de tal fato, sendo previamente comprometido com outra mulher? O que fazer quando se rouba um carro de polícia sem se dar conta da seriedade de tal ação? Estes elementos tornam o filme uma comédia diferenciada que foca mais no universo dos homens, como eles se protegem e se ajudam, como eles são espontâneos uns com os outros, ora quando se abraçam ou se xingam, ora quando sentem raiva ou se amam, enfim como eles se relacionam como amigos meio loucos, meio sensatos.





Salvo Justin Bartha que mal aparece no filme por razões óbvias de seu desaparecimento como personagem, o filme tem uma ótima química e atuação dos demais atores, principalmente Zach Galifianakis que faz o tipo estranho surpreendente louco cara que não é nada bobo e uma série impecável de fotografias nos créditos finais com a hilária noitada dos rapazes. Mesmo que eu ache que o filme se perca um pouco na amarração do enredo, principalmente na "perda" de Doug e de como se dá o seu "encontro", concluo que a idéia do filme é mais mostrar como estes amigos se relacionam neste momento crítico e insano pós-ressaca, fazendo com que se comportem como um time leal a investigar o que aconteceu na noite anterior, além de encontrar um amigo pelo qual eles também têm uma responsabilidade de trazer "são e salvo" ao casamento, indiretamente, salvando seus próprios pescoços.



Além de ser um sucesso de bilheteria, Se beber, não case é, acima de tudo, um filme sobre amizade por isso se beber e aprontar algo, tenha um bom amigo ao seu lado.

Por Madame Lumière

Avaliação Madame Lumière:




Título Original: The Hangover
Origem: EUA, Alemanha
Gênero(s):
Comédia
Duração:
100 min
Diretor(a):
Todd Phillips
Roteirista(s):
Jon Lucas, Scott Moore
Elenco:
Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis, Justin Bartha, Heather Graham, Sasha Barrese, Jeffrey Tambor, Ken Jeong, Rachael Harris, Mike Tyson, Mike Epps, Jernard Burks, Rob Riggle, Cleo King, Bryan Callen.

Créditos fotos: The Hangover movie.
Texto: Copyright Madame Lumière

2 comentários:

  1. Concordo com vc. Um filme sobre amizade com uma pegada diferente. Ótima química de um elenco em fina sintonia. concordo que o ritmo do filme caí um pouco no final, mas os crédito, como vc bem lembrou, recuperam a moral da fita.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu acho incrível observar a leal amizade divertida e espontânea entre homens. Dá uma invejinha branca e básica desta pegada diferente, descontraída.Bjs!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière