segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Amor e Inocência ( Becoming Jane) - 2007


Este final de semana fui tomada por um desejo intenso de reler os clássicos da escritora britânica Jane Austen, provavelmente porque estou romanticamente inglesa demais, com vontade de sentir na ficção aquele sentimento de amor, contestação, tensão e orgulho da própria Elizabeth Bennet (Lizzy), personagem principal do romance Orgulho e Preconceito( Pride and Prejudice) a qual também lida, em nome do amor,com as adversidades de uma sociedade preconceituosa bem típica da época.

Inicialmente, queria rever muito mais o trio de Razão e Sensibilidade ( Sense and Sensibility) com Emma Thompson, Hugh Grant e Kate Winslet, atores os quais aprecio bastante, mas decidi que iria rever todos os filmes possíveis de Jane Austen para viver este estado de espírito tão Austen e compartilhar aqui, afinal esta é a magia do cinema, transportar-nos para uma outra época, um dejá-vu de memórias, uma nova perspectiva de sentir novas emoções e relembrar velhos sentimentos.



Amor e Inocência ( Becoming Jane) é um drama que retrata a vida de Jane Austen ou melhor, o que sobrou da biografia dela para se tornar roteiro no cinema, com o viés de mostrar o amor dela pelo jovem advogado Thomas Lefoy e como tal experiência impactou a temática de sua obra. Jane Austen, interpretada por Anne Hathaway e Thomas Lefon (James McAvoy) se apaixonam, mas convivem com a impossibilidade de ver este amor por mais que lutem para isso. Ela convive com a cobrança familiar de casar com quem lhe possibilite uma ascensão social, além do preconceito social de ser mais uma pobre jovem garota que depende de um dote para uma vida melhor. Ele depende financeiramente de um tio intolerante e tem irmãos que dependem de sua ajuda, consequentemente, mais uma drama romântico.




Embora previsível para aqueles que já conhecem a obra de Jane Austen e, principalmente, já assistiram às adaptações de seus livros para o cinema, o filme oferece à audiência uma bela fotografia da época, uma ótima interpretação de Anne Hathaway equilibrando bem a jovialidade e a maturidade da jovem escritora e o interessante diálogo "formal", tipicamente caricaturado nestas interações sociais tensas e cheias da retórica do século XVIII o qual não deixa de ser deleitável.




O bottom line do filme é ver que a obra de Jane Austen resulta de sua própria personalidade crítica e condição social e afetiva e isso se reflete em suas personagens protagonistas femininas cujo vigor intelectual e sentimental confronta a sociedade tradicional e busca encontrar seus próprios destinos. A literatura de Jane Austen contribuíram para o feminismo, de fato, mas acima de tudo, pintaram um retrato da vida e costumes da sociedade inglesa de mulheres que conviveram com os extremos de sentir e racionalizar, viver o amor romântico e lidar com os preconceitos e as convenções sociais. Mulheres que são heróinas que nos inspiram até hoje, a começar pela própria Jane Austen a tornar outras mulheres também e, simplesmente Jane.

por Madame Lumière

Avaliação Madame Lumière:



Título Original: Becoming Jane (2007)
Origem: EUA, Inglaterra, Irlanda
Gênero(s): Drama, Romance, Biografia
Duração: 120 minutos
Diretor(a): Julian Jarrold
Roteirista(s): Kevin Hood, Sarah Williams
Elenco: Anne Hathaway, James McAvoy, Julie Walters, James Cromwell, Maggie Smith, Joe Anderson, Lucy Cohu, Laurence Cox, Ian Richardson, Anna Maxwell Martin, Leo Bill, Jessica Ashworth, Eleanor Methven, Michael James Ford, Tom Vaughan-Lawlor.

Créditos fotos: Becoming Jane
Texto: Copyright Madame Lumière

Um comentário:

  1. Oi Madame, estou revirando seus arquivos, rs
    Acabei de ler sua apresentação. Puro luxo! Sem contar que teve como primeiro comentário o Reinaldo!
    Bem, pelo que estou vendo Amor e Inocência lembra bastante o filme Orgulho e Preconceito, ou estou errado ?
    Mas me deu vontade de ver, é bom ver um filme com uma bela fotografia sem contar que fiquei com vontade de conferir a atuação de Anne Hathaway!
    Abs.

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière