sábado, 14 de novembro de 2009

Marido por Acaso ( The Accidental Husband) - 2008


Esta semana decidi assistir filmes que eu não precisasse pensar muito porque não dá para ser sempre muito cult e alternativa em cinema como sempre fui inclinada a ser, mesmo que eu goste de assistir filmes mais profundos, complexos,contestadores, sensíveis, "fora da caixa".Como qualquer apaixonada(o) por cinema, eu preciso de momentos de puro relax e meu psicológico tem pedido certa descontração até mesmo ao disfrutar a sétima e eterna Arte. Nestes momentos, rendo-me mais às comédias românticas que oferecem uma agradável leve opção de lazer, além do romantismo piegas que mulheres modernas como Madame Lumière adoram curtir entre quatro paredes, no escurinho do cinema e em secreto, mascarando o inevitável óbvio: somos verdadeiras românticas capazes de chorar sob a roupa do homem e depois dobrá-la com carinho.

No entanto, o inconveniente destes gêneros de filmes é o enredo que, ainda que mantenha os clichês básicos de relações amorosas com seus encontros e desencontros e amores e dissabores pode vir a se tornar um dejá vu de vários filmes a ponto de tornar-se um Frankeinstein cinematográfico. E eu acabei de ver um Frankeinstein chamado "Marido por Acaso" que me fez lembrar de vários filmes como O Diário de Bridget Jones, Hitch - um conselheiro amoroso, Casamento Grego, etc. E acredite: É bom amar Frankeinsteins e certos inconvenientes.



Marido por Acaso é uma comédia romântica estrelada por Uma Thurman, Colin Firth e o irresistível Jeffrey Dean Morgan. Thurman é uma conselheira amorosa em um famoso programa de rádio: a popular doutora Emma Lloyd que ao aconselhar sobre assuntos do coração usa mais a razão do que qualquer emoção e tem um protótipo de homem perfeitinho ao lado dela, o noivo Richard (Colin Firth). Até que um dia ela aconselha a noiva de Patrick (Jeffrey Dean Morgan) às vésperas do casamento dele. A noiva termina o relacionamento com Patrick que tomado por um espírito de vingança contra Emma decide contratar um hacker para casá-lo com a doutora, alterando o estado civil dela via sistema. Emma se vê em uma grande confusão antes do seu próprio matrimônio com Richard. O resto do filme é basicamente o desdobramento do envolvimento amoroso de Emma com Patrick.

O filme não é brilhante por ser uma colcha de retalhos, mas é a colcha de retalhos que toda alma romântica gostaria de usar para cobrir e afagar os corpos envolvidos pelo romance. Emma e toda a sua ciência sentimental vão por água abaixo porque simplesmente ela se apaixona pelo homem fora dos padrões dos quais ela sempre aconselhou contra. Patrick é o homem pobre, que curte a vida, que não tem formalidades, que mora em um apto minúsculo e que deve ter um salário igualmente minúsculo. Mas ele é charmoso, bem humorado, sexy e envolvente e ainda tem "aquela química tentadora". Ele é o bombeiro capaz de incendiar os desejos de toda a mulher.

Richard é o oposto. Um homem formal, bem sucedido, que tem um apartamento maravilhoso e todos os predicativos que tornam o homem "socialmente" um bom partido.Ele é tão arrumadinho que chega a ser chatinho e, por ser assim, ele não é interessante no jogo cinematográfico do amor. Além disso, entre nós : unir o fetiche de um bombeiro com a figura deliciosa, cativante e adorável de
Jeffrey Dean Morgan no personagem de Patrick faz com que Madame Lumière conclua extasiada: não há engomadinho que permaneça.



E assim o filme retrata a típica situação na qual a mulher moderna, bem sucedida e dona da razão sofre a metamorfose para uma mulher que se entrega à paixão, ao desejo das emoções, à possibilidade de um amor sem pensar muito no padrão de homem "politicamente correto" que está deixando para trás. Com isso, por acaso, ela descobre que a felicidade está onde menos se espera.



Por Madame Lumière

Avaliação Madame Lumière:


Título Original: The Accidental Husband
Origem:
Estados Unidos, Inglaterra
Gênero(s):
Comédia Romântica
Duração:
90 min
Diretor(a):
Griffin Dunne
Roteirista(s):
Mimi Hare, Clare Naylor, Bonnie Sikowitz
Elenco:
Uma Thurman, Colin Firth, Jeffrey Dean Morgan, Sam Shepard, Lindsay Sloane, Justina Machado, Keir Dullea, Sherman Alpert, Himad Beg, Devika Bhise, James Thomas Bligh, Jay Charan, Sarita Choudhury, Hudson Cooper, Gary Cowling

Créditos fotos: The Accidental Husband
Texto por Copyright Madame Lumière

2 comentários:

  1. É como vc disse, uma "colcha de retalhos". Mas é de fato irresistível. Gostei muito desse filme. Em especial da atuação de Jeffrey Dean Morgan que me chamou a atenção desde sua tenaz participação em Grey´s anatomy. Cada vez mais ele se firma em Hollywood. Depois do papel do Comediante em Watchmen, ele não será mais confundido com Javier Barden.(rsrs)
    Bjs madame!

    ResponderExcluir
  2. O filme é irresistível e muito gostoso de assistir apesar que algumas pessoas odiaram. Enfim,sou suspeitíssima para criticar este filme porque unir Jeffrey Dean Morgan como um bombeiro charmoso e romântico. Ui! Tenho queda por bombeiros(rsrs) e por Jeffrey, obviamente. Para mim, ele é um mix físico de Javier Barden com Robert Downey Jr, com carisma e uma pinta de malandro(rs).
    beijos Monsieur Glioche!

    ResponderExcluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière