quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

MaDame Retrospectiva : 20 filmes surpreendentes - 2015

MaDame Retrospectiva 
por Cristiane Costa



Esta seleção de filmes surpreendentes é aquela caixinha de surpresas que quando abrimos, somos impactados por admirável beleza e não esperávamos que ia ser tão incrível. Simplesmente magníficos e gratas surpresas!

A maioria são filmes do circuito mais independente de cinema e engloba várias cinematografias espalhadas pelo mundo; alguns de diretores já consagrados, outros que estão em desenvolvimento de suas filmografias.  

É uma lista muito especial e que salta aos  olhos e bate forte no coração, pois são filmes altamente recomendados pelo MaDame Lumière para ser vistos e revistos. É como uma seleção de luxo! Também, ela foi elaborada como fruto de uma experiência muito positiva com estas histórias e, principalmente, com a direção. São como joias raras refinadas por uma excelente combinação de argumento, roteiro, direção, atuações, montagem e fotografia. 

Espero que curtam, apreciem e explorem continuamente o bom cinema estrangeiro!  2015 foi um ano muito feliz, foi um ano de filmes fascinantes!




20. O desejo da minha alma, de Masakazu Sugita

" Filme comovente através de sutilezas que interagem de uma forma coesa, sensível e realista. Traz elementos que fazem parte da história do Japão e, também, entrega uma história universal, que pode caber na vida de pessoas que vivenciaram ou acompanharam tragédias familiares ou perdas abruptas de entes queridos."



19. Uma segunda chance , de Susanne Bier

"são situações incontroláveis que envolvem as pessoas em um provável caminho sem volta mas, ainda assim, é possível acreditar em alguma redenção ou desfecho menos traumático."



18. Tristeza e alegria, de Nils Malmros

" O drama do transtorno bipolar em um filme doloroso que preza por uma excelente qualidade de direção e atuação. Se diferencia por mostrar, de forma realista, que há familiares que deixam as pessoas que têm transtornos ainda mais doentes e ainda não sabem compreendê-los."



17. Party Girl, de Marie Amachoukeli, Claire Burger , Samuel Theis


"Angélique é uma destas pessoas de carne, osso e coração, uma personagem intensa e exuberante, mas também, carregada de falhas, inseguranças e dúvidas comuns em nossa vulnerável humanidade. É impossível não se identificar com ela, ou pelo menos, compreender seus sentimentos e atitudes."



16. Leviatã, de Andrey Zvyagintsev

"O impacto da corrupção desmedida que pouco a pouco destrói a humanidade em um filme que joga um homem comum e simples em uma espiral bem pessimista e de decadência."



15. Timbuktu, de Abderrahmane Sissako

"Uma realidade cruel e conflituosa em uma região de jihadistas que não medem limites para subjugar os habitantes locais, com destaque para a fluidez narrativa, o lúcido olhar do diretor para explorar emoções e técnica da cinematografia."



14. Numa escola de Havana, de Ernesto Daranas

" A atuação humanista de Alina Rodriguez como a professora Carmela é um legado cinematográfico para a educação. Mesmo após sua morte em 2015, ela é eterna e inesquecível neste belo filme. A história aborda a educação através da vocação, do amor e da esperança, valoriza professores e alunos e a importância desta essencial relação para a cidadania e o desenvolvimento escolar e pessoal."



13. O clã, de Pablo Trapero

"É a gênese da maldade dentro de uma família, na qual fingem que um sequestro é apenas uma coisa natural, necessária e justificável. É exatamente esses comportamentos que mais chocam na história, é essa natureza cruel que é assustadora por excelência e está no seio das tradicionais instituições."



12. O Clube, de Pablo Larraín

"Em constante clima obscuro e instigante, todos estes personagens são estranhos e duvidosos e isso faz parte do grande acerto do longa.  A todo o momento, a narrativa dá a impressão de que algo muito ruim e assustador irá acontecer com todos eles, assim, o clímax é um soco no estômago."



11. Norte - o fim da história, de Lav Diaz

"Belíssima história que une violentos retratos da violência local com a poesia, a descoberta e a redenção de ser humano. Cinema em estado puro!"



10. Terra e sombra, de Cesar Acevedo

" O retorno de um pai de família, uma nova realidade cheia de emoções em um ambiente desolado, de doença e perdas mas, acima de tudo, um filme de grandeza ímpar e com o toque de Midas do cinema Latino Americano contemporâneo."



9. O Sabor da vida , de Naomi Kawase

"o longa é feito de sutilezas que guardam em si um poderoso desafio: como lidar com os obstáculos da vida? Como manter esta energia positiva de doar-se com amor e dedicação ao outro ou a uma atividade como fazer uma deliciosa comida? Tokue é a heroína da história e da vida. Ela é uma inspiração para qualquer um que deseja desistir, que está cansado de ser rejeitado, que está vulnerável e sofre com a solidão e o desespero."




8. Retorno à Itaca, de Laurent Cantet

"O longa é um precioso achado que entrelaça como as individualidades e a história política e social de Cuba se aproximam e se rechaçam, porém não é um filme político e está longe de levantar bandeiras. Acima de tudo, esse filme é muito pessoal sob a perspectiva de que a desilusão é evidente e os rumos dos amigos foram diferentes. Eles seguiram vivendo com as dores e os amores de estar em Cuba ou estar em um exílio."



7. A lição, de Kristina Grozeva

"A sinergia entre o roteiro , que propõe uma luta contra o relógio na jornada da heroina e uma direção  competente para delinear na construção narrativa os efeitos de tensão do drama são os maiores acertos, além da madura interpretação de Margita Gosheva e de um final "tapa na cara" e bastante irônico."



6. A ilha dos milharais, de George Ovashvili

"Essa metáfora da construção de um lar por um velho e uma jovem nessa região é genial e coopera para refletir sobre a transitoriedade das coisas, dos direitos à terra e finalmente sobre o ciclo da vida."



5. A ovelha negra , de Grímur Hákonarson

"Uma comédia dramática  islandesa  que conta uma história familiar muito engraçada, misturando conflitos mal resolvidos, ambição e perdas e dirigida com simplicidade e frescor. Imperdível!" 



4. Phoenix , de Christian Petzold

"O retorno do grande diretor Petzold com sua estrela cinematográfica maior, a atriz Nina Hoss. Uma magnífica combinação de identidade pós guerra, um drama pessoal , uma história de amor e a reconstrução da Alemanha em um filme refinado e com atmosfera pós noir."



3. Quando meus pais não estão em casa, de Anthony Chen

" Uma genuína, simples e linda história sobre a amizade além da instituição familiar e  em um contexto de decadência  da classe média asiática que, pode ser aplicada universalmente em outras realidades globais. Belíssima direção, digna da Câmera de D'Or de Cannes."




2. De cabeça erguida, de Emmanuelle Bercot

"Um dramático e realista retrato de uma infância e adolescência disfuncionais através de atuações críveis e uma direção vigorosa. Um filme onde a dor de uma juventude problemática se une à esperança de dias melhores."





1. Winter sleep, de Nuri Bilge Ceylan

"Com um fascinante texto e uma duração de mais de 3 horas que passam desapercebidas, o  longa é um primor do começo ao fim com ápices narrativos de dolorosa catarse a qualquer individuo que se entregar ao poderoso efeito dessa obra prima do Cinema Turco."

2 comentários:

  1. Obrigada por nos brindar com esta matéria tão ricamente ilustrada e bem escrita.
    Você é uma pessoa especial com uma bagagem cinéfila invejável e gosto muito de suas dicas. Sucessos sempre, porque assim só temos a ganhar. Feliz 2016! Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siby,
      Obrigada pelo carinho. Ouvir um elogio e um incentivo tão lindos como o teu é o que me dá força para levar o MaDame Lumière. Compartilhar sobre o belo Cinema sempre vale a pena.
      Beijos e um lindo 2016 para você!

      Cris

      Excluir

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière